Karl-Heinz Rummenigge

Atacante
519 Jogos Oficiais
8 Títulos Oficiais
265 Gols Marcados
Karl-Heinz Rummenigge Alemanha - Lippstadt
Nascimento 24 de setembro de 1955
Falecimento -
Apelidos Kalle
Carreira Início: (1974) Bayern Munich
Término: (1989) Servette
Características Altura: 1,82 m
Destro
Posição / Outras posições Atacante / Segundo atacante / Meia-atacante
Melhor do Mundo/Bola de ouro

1980, 1981

UEFA Champions League

1974–75 , 1975–76

Mundial de Clubes

1976

Perfil / Estilo do jogador

Um atacante fora do comum para o futebol alemão, Rummenigge era muito mais do que um exímio finalizador com os pés e com a cabeça, pois também reunia outras qualidades. Com seus 1,82 m, o atacante aproveitava-se de seu porte físico e o unia com sua velocidade, para dar grandes arrancadas no ataque, que eram praticamente imparáveis. Seus dribles eram capazes de deixar os zagueiros adversários no chão e sua visão de jogo lhe permitia criar perigosas jogadas ofensivas. Por conta disso, ao longo da carreira, o jogador atuou por algumas vezes como meia-atacante e nessa função ele também foi importante deixando os seus companheiros na cara do gol.

Categoria de base

Data Clube    
1963-1974 Borussia Lippstadt    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1974-1984 Bayern Munich 310 162
1984–1987 Internazionale 64 24
1987–1989 Servette 50 34

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1976–1986 Alemanha Ocidental 95 45

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
Bayern de Munique Liga dos Campeões 1974–75 , 1975–76
Bayern de Munique Campeonato Alemão 1979–80 , 1980–81
Bayern de Munique Copa da Alemanha 1981–82 , 1983–84
Bayern de Munique Copa Intercontinental 1976

Conquistas pela Seleção

Título Ano
Eurocopa 1980

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Bola de Ouro 1980 , 1981 Bayern Munich
Artilheiro do Campeonato Alemão 1979–80, 1980–81, 1983–84 Bayern Munich
Artilheiro da Liga dos Campeões 1980-81 Bayern Munich
Artilheiro da Copa da Alemanha 1981-82 Bayern Munich
Artilheiro do Campeonato Suíço 1988-89 Bayern Munich
Jogador de futebol do ano Alemanha) 1980 Bayern Munich
Equipe da Eurocopa 1980 Bayern Munich

Desempenho

0,51
Média
Gols por jogo
0,53
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
4
Passe
4
Controle de Bola
4
Drible
4
Velocidade
4
Técnica
5
Finalização
5
Condicionamento Físico
3
Fundamentos Defensivos
1

Biografia

Rummenigge: Um dos maiores ídolos do futebol alemão

Rummenigge ídolo de Bayern Munich e seleção alemã.

No final dos anos 1970, o reinado de grandes jogadores do futebol alemão como Gerd Muller e Franz Beckenbauer estava chegando ao fim. Mas, para a alegria dos torcedores alemães, uma nova e promissora geração estava surgindo, com a presença de Karl-Heinz Rummenigge como homem de área, suprindo a ausência de Muller.

Diferente dos outros centroavantes do futebol alemão, Rummenigge não era um simples homem de área, pois suas habilidades conseguiam ir além. Sua versatilidade, incluía dribles que eram capazes de entortar qualquer zagueiro e arrancadas praticamente imparáveis, que se uniam ao seu forte porte físico. Sem contar com sua qualidade de marcar gols de tudo quanto era jeito.

Com toda essa habilidade não demorou muito para que se destacasse no Bayern Munich, clube pelo qual foi revelado e fez muito sucesso. Por lá, o atacante viveu um verdadeiro conto de fadas, conquistando duas Ligas dos Campões nas temporadas de 1974-75 e 1975-76, ainda muito jovem. E como se não bastasse, ainda foi eleito duas vezes o melhor jogador do mundo nos anos de 1980 e 1981.

Em meio a tantas conquistas, Rumminigge colheu seus frutos com muitas homenagens que lhe foram concedidas um ano após sua segunda Bola de Ouro. Uma das principais delas partiu da banda inglesa Alan & Denise que escreveu uma música dedicada ao jogador. O hit “Rummenigge, what a man!” foi cantado por muitos fãs do “Kalle” (como era carinhosamente chamado no diminuitivo de Karl) que eram apaixonados por seu futebol.

Na seleção alemã não foi diferente e Rumminigge repetiu suas boas atuações das vezes em que vestiu a camisa do Bayern Munich. Porém, no escrete, o jogador conquistou apenas o título da Eurocopa de 1980 e bateu na trave nas Copas do Mundo de 1982 e 1986, quando ficou com o vice-campeonato.

Infância, histórico e inspirações

Karl-Heinz Rummenigge nasceu no dia 25 de setembro de 1955, na cidade de Lippstadt, no estado da Renânia do Norte, Alemanha. Seu pai foi jogador de futebol e atuou pelo Borussia Lippstadt, o que acabou influenciando Rummenigge e seus dois irmãos a tomarem gosto pelo esporte desde cedo.

Tanto que os três seguiram os passos do pai e também ingressaram no Borussia Lippstadt em 1963. Porém, apenas o pequeno Karl foi quem realmente se destacou nas categorias de base da equipe. Tanto que desde cedo, ele logo mostrou a sua veia goleadora e chegou a marcar impressionantes 16 gols em uma partida pelo campeonato juvenil.

Além de marcar muitos gols, Rummenigge já mostrava muita habilidade com a bola nos pés, se tornando mais do que um simples centroavante. Seus dribles, sua visão de jogo e suas impressionantes arrancadas logo chamaram a atenção daqueles que acompanhavam o seu futebol. Ambas essas qualidades faziam com que ele se tornasse um atacante completo, assim como o seu grande ídolo do futebol, o Rei Pelé.

Com tanto talento, o jovem jogador despertou o interesse do poderoso Bayern Munich em 1974, aos 18 anos de idade. E muito mais do que isso, a partir daquele período, Rummenigge pôde se dedicar integralmente ao futebol e até por isso, finalmente deixou o seu emprego como estagiário em um banco.

1974-1984: Rummenigge chega ao Bayern Munich para se tornar ídolo

Passagem histórica pelo Bayern Munich.

Rummenigge saiu das divisões de base do Borussia Lippstadt e foi direto para o time principal do Bayern Munich ao ser observado no campeonato juvenil. Porém, na equipe, o seu inicio não foi nada fácil, já que os bávaros contavam com um elenco recheado de estrelas, como, Sepp Maier, Uli Hoeness, Franz Beckenbauer e Gerd Muller.

Tímido dentro e fora de campo, o jogador enfrentou algumas dificuldades para se entrosar com os demais companheiros de equipe. Tanto que o próprio Beckenbauer o desdenhava, dizendo que ele não tinha nível para atuar em um clube como o Bayern. Como resultado disso, Rummenigge passou a sua primeira temporada pelo time bávaro oscilando entre titular e reserva.

Mas, mesmo sem ser um titular absoluto, Rummenigge fez parte da campanha do título da Liga dos Campões de 1974-75. Feito que ele repetiria na temporada seguinte, dessa vez como titular e formando dupla de ataque com Gerd Muller. Ainda em 1976, ele conquistaria o título mundial realizado no final daquele ano.

Com a timidez de lado, o jogador foi se tornando um dos líderes técnicos do Bayern Munich, principalmente após a saída dos ídolos lendários da equipe  no fim da década (Beckenbauer em 1977, Muller e Hoeness em 1978 e Maier em 1980). Era um momento de transção entre gerações do Bayern. Em 1978, após a chegada do técnico húngaro Pal Csernai,  Rummenigge assumiu definitivamente o protagonismo da equipe como um grande goleador. Até porque, antes ele jogava mais recuado para deixar que Gerd Muller assumisse o papel de artilheiro.

Sua primeira conquista de Bundesliga viria a acontecer somente em 1979-80, quando se tornou também o artilheiro da competição. Na temporada seguinte, ele voltou a vencer o torneio e mais uma vez como artilheiro. Como de praxe, o atacante assumiu a artilharia da liga alemã também em 1983–84.

1975 e 76: o bi-campeonato da Liga dos Campeões

Rummenigge no elenco bicampeão da Liga dos Campeões.

A temporada de 1974-75 foi a primeira de Rummenigge como profissional. Até por isso, ele não participou de todas as partidas da campanha do título europeu do Bayern Munich naquele ano. Sua participação naquele torneio se limitou a quarto jogos, incluindo o primeiro jogo da decisão contra o Leeds United da Inglaterra.

Porém, na conquista da Liga dos Campeões da temporada seguinte, Rummenigge já esteve presente como um dos principais jogadores da equipe. Tanto que logo na estreia, anotou dois contra o fraco Jeunesse Esch da Holanda. Na sequência da competição, mesmo anotando só um gol contra o Benfica nas quartas de finais, ele foi importante na construção de grande parte das jogadas ofensivas. E foi como um pensador no ataque, que o jogador conduziu seu time ao título, batendo o Saint-Étienne na final por 1 a 0.

Como prêmio pelo título europeu, os bávaros se classificaram para o Torneio Intercontinental daquele ano. O adversário da vez foi o Cruzeiro, equipe que acabara de conquistar o título da Libertadores da América naquele ano.

Rummenigge atuou nas duas partidas decisivas da competição e, assim como na Liga dos Campeões, ele jogou um pouco mais recuado. Sua criatividade como pensador de jogadas foi importante para a vitória do Bayern por 2 a 0 na Alemanha. Na volta, em partida no Mineirão, os cruzeirenses não conseguiram reverter o placar e ficaram no empate em 0 a 0.

1980 e 1981: Rummenigge conquista duas vezes a Bola de Ouro

Mesmo em meio a muitas conquistas pelo Bayern Munich nos anos 1970, Rummenigge alcançou o seu auge técnico no inicio dos anos 1980. Até porque, naquele período, o atacante se tornou a referência na linha ofensiva da equipe bávara.

Como resultado disso, Rummenigge foi a grande estrela e o artilheiro da conquista da Bundesliga da temporada 1979-80. Assim, não foi muito difícil para que ele conquistasse a Bola de Ouro de 1980, superando jogadores como o também alemão Bernd Schuster do Barcelona e o francês Michel Platini que atuava no Saint-Éttienne.

Na temporada seguinte, Rummenigge se superou. Pois além de ter conquistado a Bundesliga e ter sido artilheiro da mesma, o jogador também foi artilheiro da Liga dos Campeões. Dessa forma, ele superou novamente grandes jogadores, dessa vez seus compatriotas, como o seu companheiro de time Paul Breitner, além de Bernd Schuster.

1982: frustração com o vice da Liga dos Campeões, apesar da vice-artilharia

Após conquistar o bicampeonato da Bundesliga nas temporadas de 1979-80 e 1980-81 como protagonista, a expectativa era de que Rummenigge conquistasse a Liga dos Campões de 1981-82. Essa seria a sua primeira oportunidade de conquistar a competição continental como o principal jogador, já que nos títulos anteriores ele foi um coadjuvante em meio a craques como Gerd Muller e Franz Beckenbauer.

Mas, apesar de atuar em alto nível na competição e se tornar o vice-artilheiro da mesma com 6 gols, o atacante não conseguiu faturar o título. Pois na grande decisão, sua equipe perdeu pelo placar de 1 a 0 para o Aston Villa da Inglaterra.

Para piorar, naquele mesmo ano, Rummenigge ainda perdeu a final da Copa do Mundo para a Itália. Assim, mesmo se destacando individualmente, em questão de frustração, aquele foi o pior ano de sua carreira.

Breitnigge: dupla sensacional no Bayern Munich e na seleção

Em sua passagem pelo Bayern Munich, Rummenigge formou uma das mais brilhantes duplas da história do clube ao lado do meia Paul Breitner. Ambos quase se cruzaram pela primeira vez em 1974, mas naquele ano, Breitner estava deixando os bávaros rumo ao Real Madrid, enquanto Rummenigge estava chegando na equipe.

Porém, após as saídas de lendários ídolos do time bávaro, Breitner retornou ao clube para formar dupla com Rummenigge. Assim, como resultado dessa parceria, o Bayern conquistou a Bundesliga nas temporadas de 1979-80 e 1980-81, além da Copa da Alemanha de 1981-82 e 1982-83. Sendo que no segundo título alemão, Rummenigge foi artilheiro com 29 gols e Breitner esteve próximo da artilharia com 17 gols.

Como resultado disso, Rummenigge foi eleito o melhor jogador do mundo em 1981 e Breitner ficou na segunda posição. Resultado mais do que justo, para uma dupla que se completava, pois enquanto Rummenigge empurrava a bola para as redes, Breitner lhe municiava com assistências. Inclusive, os dois jogadores juntos deram tão certo que o jornal alemão Bild apelidou o time do Bayern Munich como “FC Breitnigge”.

O sucesso da dupla não se limitou apenas ao time bávaro, como também, se alastrou na seleção alemã. No escrete, os dois jogadores conseguiram liderar a Alemanha até a final das Copas do Mundo de 1982 e 1986, mas ficaram no “quase” em relação ao título.

Essa parceria teve um fim em 1983, quando Breitner encerrou a carreira. Não demoraria muito para que Rummenigge também deixasse a equipe, algo que aconteceu em 1984, após dez anos representando os bávaros. Como um dos maiores ídolos da história, o atacante se despediu do Bayern Munich com 310 jogos e 162 gols.

1984–1987: Com problemas de lesões, Rummenigge se transfere para a Internazionale

Após sua participação na Copa do Mundo de 1982, Rummenigge passou a conviver com lesões que começaram a atrapalhar seu desempenho. Assim, o jogador não permaneceu no Bayern Munich e foi negociado com a Inter de Milão . A transferência ocorreu pelo valor de 5 milhões de dólares, o que na época foi a maior transação do futebol alemão e uma das maiores do mundo, perdendo apenas para a contratação de Maradona pelo Napoli.

Justamente por causa de sucessivas lesões, o atacante não obteve o mesmo sucesso de outrora com a camisa do Bayern Munich. Em seu período na Itália, Rummenigge não conseguiu conquistar títulos e pouco obteve destaques individuais.

Assim, o jogador permaneceu na equipe até 1987, quando se despediu dos torcedores nerazurri já em baixa. Assim, em seu período pela Internazionale, Rummenigge realizou 64 partidas e anotou 24 gols. Mesmo sem grande brilho, o atacante abriu caminho para que outros alemães também vestissem a camisa do clube posteriormente, como por exemplo, Andreas Brehme, Lothar Matthaus e Jurgen Klinsmann.

Antes de encerrar a carreira, breve passagem pelo Servette da Suíça

Prestes a completar 32 anos e convivendo com incômodas lesões, Rummenigge não conseguiu acertar sua transferência para clubes de grande expressão da Europa. Dessa forma, o jogador fechou contrato com o Servette da Suíça, equipe que apesar de tradicional, não vivia boa fase. Mas isso não foi impedimento para que o atacante alemão ainda conseguisse se tornar artilheiro do Campeonato Suíço de 1988-89.

Tal conquista individual, seria a sua última como jogador de futebol, pois o atacante se despediu da equipe suíça ao final daquela temporada. Assim, em suas duas temporadas vestindo a camisa do Servette, Rummenigge atuou em 50 jogos e anotou 34 gols, uma marca impressionante para um atleta em reta final de carreira.

Aposentadoria e carreira pós-aposentadoria

Rummenigge como CEO do Bayern Munich.

Ao final de temporada de 1988-89, Rummenigge não apenas se despedia do Servette da Suíça, como também se despedia dos gramados. Aos 33 anos, o jogador já não reunia mais condições de jogo por conta das lesões que enfrentava e por isso decidiu encerrar a carreira.

Mas, mesmo pendurando as chuteiras, Rummenigge não deixou o futebol de maneira definitiva, pois um ano após deixar os gramados passou a trabalhar como comentarista. Nessa nova função, o ex-jogador assumiu os microfones da ARD, uma emissora de televisão pública da Alemanha. Por lá, ele comentou partidas do futebol internacional até o ano de 1994.

Enquanto trabalhava como comentarista em 1991, Rummenigge foi convidado para ser tornar um dos vice-presidentes do Bayern Munich ao lado de Franz Beckenbauer. Cargo no qual permaneceu até 2002, ano em que se tornou presidente administrativo do clube. Durante sua presidência, o clube bávaro  conquistou expressivos resultados:  a Liga dos Campões de 2013 e 2020, além de 14 títulos alemães e mais dois títulos mundiais.

Compondo sua diretoria período,  outros ídolos do Bayern também estiveram presentes. Além de Franz Beckenbauer, Uli Hoeness também foi peça importante nos bastidores do clube. Assim, o ato de ter grandes lendas em sua diretoria, é uma grande tradição no time bávaro. Tanto que após a saída de Rummenigge na presidência em 2021, o lendário goleiro Oliver Kahn assumiu o seu lugar.

Rummenigge na seleção alemã

Rumenigge na seleção alemã.

A história de Karl-Heinz Rummenigge na seleção alemã começou a ser escrita em 1976, ano de sua estreia pelo escrete. Na ocasião, o jogador estreou em amistoso contra o País da Gales, em vitória dos alemães por 2 a 1.

Nos anos seguintes, o atacante continuou sendo convocado pela seleção alemã para jogar alguns amistosos. Até que em 1978, ele foi convocado para fazer parte do grupo que iria disputar a Copa do Mundo daquele ano na Argentina. Naquele mundial, Rummenigge chegou a anotar dois gols contra o México em vitória da Alemanha por 6 a 0 ainda na fase de grupos. Porém, sua seleção não deu continuidade a esse bom futebol e foi eliminada na segunda fase de grupos da competição.

Em grande fase, o jogador continuou sendo convocado pelo escrete alemão e dessa forma se tornou figurinha carimbada na Eurocopa de 1980. Na competição, ele não apenas jogou bem, como também foi o principal jogador do segundo título europeu conquistado pelos alemães.

Após vencer a competição continental, a expectativa era de que Rummenigge conquistasse uma Copa do Mundo pela Alemanha como protagonista. Algo que não aconteceu, pois o jogador bateu na trave no mundial de 1982 contra a Itália e também em 1986 contra a Argentina de Maradona.

Mas, mesmo com essas dolorosas derrotas, Rummenigge continua sendo um dos maiores ídolos do futebol alemão, tanto que ele foi capitão de sua seleção durante vários anos. Sua estreia com a braçadeira ocorreu a partir da final contra a Itália em 1982e se estendeu até os seus últimos dias com a camisa da Alemanha.

Curiosamente, o último jogo do Kalle pela seleção alemã ocorreu justamente na final da Copa do Mundo de 1986 contra a Argentina, o que encerrou seu ciclo de 95 partidas e 45 gols.

Eurocopa de 1980: seu grande título pela Alemanha

Em alta na carreira, Rummenigge foi convocado como o principal jogador da Alemanha na Eurocopa de 1980, que seria realizada na Itália. Nessa condição, o jogador liderou o escrete alemão rumo ao título da competição.

Logo na estreia, foi dele o único gol anotado em jogo apertado contra a República Tcheca. Nos jogos seguintes, o atacante não chegou a marcar gols, mas participou da grande maioria das jogadas de ataque da sua equipe. Sendo que inclusive, ele atuou um pouco mais recuado, municiando a dupla de ataque da Alemanha que era composta por Klaus Allofs e Horst Hrubesch.

Dessa forma, Rummenigge levou sua seleção à grande decisão do torneio que foi disputada contra a Bélgica, com vitória alemã por 2 a 1. Com o título garantido e brilhantes atuações, o atacante foi eleito um dos melhores jogadores da Eurocopa, fazendo parte da seleção da competição.

Copa de 1982: O primeiro vice-campeonato

Com o título europeu conquistado em 1980, muitos acreditavam que Rummenigge lideraria a seleção alemã rumo ao título mundial de 1982 na Espanha. Ao lado de outros grandes jogadores como Klaus Fischer e seu companheiro de Bayern Paul Breitner, o atacante de fato foi a referência técnica do escrete alemão.

Atuando um pouco mais avançado em relação ao título de 1980, o jogador deslanchou a fazer gols na Copa do Mundo. Na estreia do torneio, ele anotou o único gol em derrota por 2 a 1 contra a Argélia e fez um hat-trick contra o Chile na segunda partida. Inclusive, na semifinal contra a França, o atacante voltou a anotar mais um gol, dessa vez nos acréscimos, o que levou o jogo para as penalidades. Nas cobranças, os alemães levaram a melhor e conquistaram vaga para a final.

Porém, a Alemanha passou muito próxima do título e não levou o troféu para casa. Até porque, a Itália de Paolo Rossi estava muito inspirada e venceu a partida por 3 a 1. Mas, mesmo com essa baixa, Rummenigge fez uma ótima Copa do Mundo e ainda foi eleito o 3º melhor jogador do torneio.

Copa de 1986: Mais uma frustração

Após a decepção em 1982, mesmo em baixa por questões físicas, Rummenigge recebeu mais uma oportunidade de jogar a Copa do Mundo. Assim, naquele mundial realizado na Espanha, o jogador pôde contar com novos parceiros lendários como Andreas Brehme e Lothar Matthaus.

Mas, justamente por conta de seus problemas físicos, o atacante jogou poucos minutos nas três partidas da fase de grupos. Contudo, a partir das oitavas de finais da competição, ele se firmou como titular e de quebra ficou com a braçadeira de capitão a partir das quartas de finais. Sob sua liderança, a seleção alemã chegou até a grande decisão para encarar a Argentina de Maradona.

Nessa final, Rummenigge ainda brilhou e chegou a anotar um gol contra os Hermanos. Porém, o seu tento não foi suficiente para trazer o título para a Alemanha, já que os argentinos venceram o duelo pelo placar de 3 a 2.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *