Andriy Shevchenko

Atacante, Centroavante
761 Jogos Oficiais
16 Títulos Oficiais
370 Gols Marcados
Andriy Shevchenko Ucrânia - Dvirkivschyna
Nascimento 28 de setembro de 1976
Falecimento -
Apelidos Sheva, Vento di Passioni, Re dell'Est
Carreira Início: (1993) Dínamo de Kiev 2
Término: (2012) Dínamo de Kiev
Características Altura: 1,83 m
Ambidestro
Posição / Outras posições Atacante / Centro-avante / Segundo atacante
UEFA Champions League

2002-03

Melhor do Mundo/Bola de ouro

2004

Perfil / Estilo do jogador

Andriy Shevchenko atuou na maioria das vezes como centroavante em sua vitoriosa carreira, porém, ele não se limitou em atuar apenas nos limites da grande área, como atuou também em outras funções. Em algumas oportunidades, ele atuou como segundo atacante saindo um pouco mais da banheira e até mesmo como ponta-esquerda. Tudo porque, além de possuir uma finalização fora do comum, o atacante possuía arrancadas que deixavam qualquer adversário para trás e o conduziam para dentro do gol. Além disso, o ucraniano tinha um chute potente, com as duas pernas, capaz de finalizar jogadas mesmo de longa distância. Como se não bastasse, Sheva ainda arriscava em cobrar algumas faltas, anotando alguns tentos dessa maneira.

Categoria de base

Data Clube    
1986-1993 Dínamo de Kiev    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1993-1999 / 2009-2012 Dínamo de Kiev 251 126
1999-2006 / 2008-2009 Milan 322 174
2006-2008 Chelsea 77 22

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1994-2012 Ucrânia 111 48

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
Dínamo de Kiev Campeonato Ucraniano 1994–95, 1995–96, 1996–97, 1997–98, 1998–99
Dínamo de Kiev Copa da Ucrânia 1995–96, 1997–98, 1998–99
Dínamo de Kiev Supercopa da Ucrânia 2011
Milan Liga dos Campeões da UEFA 2002-03
Milan Copa da Itália 2002-03
Milan Supercopa da UEFA 2003
Milan Campeonato Italiano 2003-04
Milan Supercopa da Itália 2004
Chelsea Copa da Liga Inglesa 2006-07
Chelsea Copa da Inglaterra 2006-07

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Futebolista Ucraniano do Ano 1997, 1999, 2000, 2001, 2004, 2005 Dínamo de Kiev, Milan
Melhor jogador do Campeonato Ucraniano 1997 Dínamo de Kiev
Artilheiro do Campeonato Ucraniano 1998-99 Dínamo de Kiev
Melhor Jogador da Liga dos Campeões 1998-99 Dínamo de Kiev
Artilheiro da Liga dos Campeões 1998-99 / 2005-06 Dínamo de Kiev, Milan
Artilheiro do Campeonato Italiano 1999-00 / 2003-04 Milan
Bola de Ouro 2004 Milan
FIFA 100 2004 Dínamo de Kiev, Milan

Desempenho

0,48
Média
Gols por jogo
0,84
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
4
Passe
3
Controle de Bola
4
Drible
4
Velocidade
4
Técnica
5
Finalização
5
Condicionamento Físico
3
Fundamentos Defensivos
1

Biografia

Andriy Shevchenko: maior ídolo do futebol ucraniano

Shevchenko: ídolo máximo da Ucrânia e craque do Milan.

Os mais saudosistas que acompanharam a geração do futebol dos anos 2000, certamente irão se lembrar de Andriy Shevchenko. O atacante, ídolo do futebol ucraniano, era lembrado por possuir habilidades incomuns para um homem de área, além de ser um exímio finalizador.

Shevchenko começou sua carreira no Dínamo de Kiev, grande equipe do futebol ucraniano. Por lá, ele se tornou ídolo, sendo a principal estrela em meio a 5 títulos do Campeonato Ucraniano e 3 Copas da Ucrânia.

Com o seu futebol arrasador na equipe ucraniana, o atacante encantou a todos no cenário do futebol europeu e foi contratado pelo Milan. No time rossonero, Shevchenko repetiu a dose de seu bom futebol e também se tornou ídolo. Em solo italiano, ele se destacou e foi decisivo sobretudo na conquista da Liga dos Campeões 2002-03 e do Campeonato Italiano 2003-04.

Sua passagem na equipe italiana foi tão gloriosa, que o atacante faturou o prêmio Bola de Ouro no final do ano de 2004. Um feito e tanto, repetindo dois outros conterrâneos do passado,  os também atacantes Oleg Blokhin e Igor Belanov.

Em seguida, Shevchenko se transferiu para o Chelsea, equipe que já possuía grande investimento desde o inicio dos anos 2000. Porém, no time londrino, o atacante ucraniano não conseguiu repetir o seu bom futebol e deixou a desejar.

Já na seleção ucraniana, Shevchenko era unanimidade, assim como no Dínamo de Kiev e no Milan. Tanto que foi capaz de levar o escrete à sua primeira e única participação em Copas do Mundo. No mundial, realizado em 2006, sob a batuta de Sheva, os ucranianos fizeram história ao chegar nas quartas de finais da competição.

Infância, histórico e inspirações

Andriy Shevchenko na infância.

Andriy Mykolayovych Shevchenko nasceu no dia 29 de setembro de 1976 em uma vila chamada Dvirkivshchyna, no distrito de Yahotyn, região de Kiev. Aos três anos de idade, o pequeno garoto se mudou junto com seus pais para a capital Kiev, por conta do acidente nuclear de Chernobyl. Foi na capital ucraniana em que ele conheceu e aprendeu a tomar gosto pelo futebol.

Assim que chegou à cidade, Shevchenko começou a dar os primeiros chutes na bola, até que aos 9 anos foi integrado à escola do Dínamo de Kiev. Na ocasião, o garoto foi observado por um olheiro, enquanto jogava futebol na equipe de sua escola. Nesse meio tempo, ele também chegou a praticar boxe, disputando uma liga juvenil na Ucrânia, mas por conta de sua baixa estatura, não deu continuidade à carreira.

Então, em 1990, quando completou 14 anos de idade, o jovem já era o principal jogador de sua equipe, tanto que naquele ano foi o artilheiro da Copa Ian Rush. Com esse feito, Shevchenko recebeu um par de chuteiras do próprio Ian Rush, um dos mais lendários jogadores da história do futebol do País de Gales.

Logo depois, Shevchenko conquistou junto com sua equipe de juniores o Campeonato da União Soviética de 1991. Dessa forma, dois anos mais tarde, ele logo estaria estreando no futebol profissional, aos 16 anos, com a camisa do Dinamo de Kiev 2, equipe de apoio do Dinamo de Kiev principal. Com a equipe, o atacante se tornou artilheiro da segunda divisão do futebol ucraniano da temporada 1992-93, com 12 gols marcados e não parou de impressionar.

Dínamo Kiev: porta para o mundo

Após impressionar a todos no time B do Dinamo de Kiev, Andriy Shevchenko foi integrado ao time principal já na temporada 1993-94. Naquele ano, o jogador não faturou nenhum título, mas conquistou a condição de titular na reta final da temporada.

Como titular, a estrela do jogador brilhou e ele foi fundamental na conquista do Campeonato Ucraniano de 1994-95. Na temporada seguinte, o atacante conseguiu ser ainda melhor, faturando o título da liga nacional, além da Copa da Ucrânia.

Na sequência, na temporada 1996-97, Shevchenko conquistou mais um título ucraniano, dessa vez com um destaque ainda maior. Até porque, ele foi eleito o melhor jogador daquela edição da competição. Assim, o atacante se mostrava importante não apenas em empurrar a bola nas redes, mas também como referência técnica.

Dessa forma, o jogador chegou à temporada 1997-98, com um status de astro do time, sendo cada vez mais essencial. E naquele ano não deu outra, mais um título ucraniano para a sua conta, além da conquista da Copa da Ucrânia. Dobradinha essa que ele repetiu na temporada seguinte, talvez a sua melhor com a camisa do Dínamo de Kiev, que chamou a atenção no cenário europeu.

Shevchenko fez uma temporada irretocável, levando sua equipe à semifinal da Liga dos Campeões de 1998-99. Para melhorar, ainda no mesmo ano, ele foi o artilheiro do Campeonato Ucraniano, feito que conquistaria pela primeira e única vez.

Por conta de sua excelente temporada, a Ucrânia começou a ficar pequena para o atacante, que logo passou a despertar interesse de outras equipes da Europa. Dessa forma, gigantes do futebol europeu como Manchester United, Real Madrid, Barcelona e Milan quiseram contar com o jogador. Porém, os italianos foram mais eficazes e sacramentaram a contratação do craque ucraniano, que encerrou sua primeira passagem no Dínamo.

UEFA Champions League 1997-98: os gigantes conhecem o talento de Shevchenko

Na temporada 1997-98, Andriy Shevchenko já era considerado o principal jogador do Dínamo de Kiev, mesmo com a equipe contando com outros importantes jogadores. Naquela época, o time comandado pelo lendário Valeriy Lobanovskiy, considerado o maior técnico do futebol ucraniano, contava com Sergiy Rebrov, Vitaliy Kosovskyi e Kakhaber Kaladze.

Sendo a estrela máxima em meio a esses jogadores, Shevchenko provou o porquê de ser considerado como tal na Liga dos Campeões. Na competição europeia, o jogador comandou o ataque da equipe com maestria, provando ser muito mais do que um simples homem de área. Gols, obviamente ele fez, mas na grande maioria das vezes com arrancadas rápidas e com uma visão de jogo admirável.

Na fase de grupos do torneio, o jogador anotou dois gols e ajudou sua equipe a se classificar, deixando para trás, Lens da França, Arsenal e Panathinaikos da Grécia. No mata-mata, o ucraniano foi ainda mais decisivo e fez atuações dignas de deixar qualquer amante do futebol de queixo caído.

Nas quartas de finais contra o Real Madrid, o atacante anotou um gol no jogo de ida, resultando no empate em 1 a 1. Já no duelo de volta, ele foi ainda melhor e balançou as redes duas vezes contra os merengues, garantindo a classificação de sua equipe em vitória por 2 a 0. Na semifinal, contra o Bayern Munich, Shevchenko também foi marcante e anotou mais dois gols, dessa vez com empate em 3 a 3.

Porém, no confronto de volta contra os bávaros, sua equipe perdeu pelo placar de 1 a 0 na Alemanha, dando adeus ao sonho do inédito título. Contudo, mesmo com esse revés, Sheva, como carinhosamente era chamado, teve uma atuação histórica na competição, sendo inclusive, o artilheiro com 8 gols e terceiro lugar na Bola de Ouro.

Milan: Shevchenko no ápice da carreira

Gloriosa passagem pelo Milan.

Andriy Shevchenko chegou ao Milan na temporada 1999-00, pela quantia de 26 milhões de euros, um valor impressionante para a época. Contudo, cada centavo pago pelo jogador valeu muito a pena, pois logo em sua estreia, o ucraniano logo mostrou suas credenciais. Em empate contra o Lecce, o atacante anotou um dos gols que deixou o placar em 2 a 2.

Dali em diante, Shevchenko desandou em fazer gols com a camisa rossonera, tanto que ele foi o artilheiro do Campeonato Italiano de 1999-00. Com atuação impressionante, naquele ano, o jogador ficaria novamente em terceiro lugar na disputa pela Bola de Ouro.

Porém, o primeiro título do atacante com o manto do Milan viria acontecer somente na temporada 2002-03, com o troféu da Liga dos Campeões. Na competição europeia, Sheva anotou 4 gols, sendo também importante na criação de jogadas de ataque, por possuir uma habilidade ímpar. Inclusive, na decisão do torneio, foi dele o gol decisivo nas cobranças de pênaltis contra a rival Juventus.

Ainda na mesma temporada, Shevchenko conquistou o título da Copa da Itália pelo Milan. Nessa pegada de conquistar títulos nacionais, o jogador finalmente faturou o scudetto do Campeonato Italiano na temporada seguinte, em 2003-04. Como se não bastasse, ele ainda foi artilheiro da competição e premiado como Bola de Ouro da Revista France Football.

Na temporada seguinte, o ucraniano ainda passou perto de conquistar mais um título da Liga dos Campeões, mas o Milan foi derrotado pelo Liverpool no “Milagre de Istambul”. Em 2005-06, Sheva ainda levou à sua equipe até a semifinal, como artilheiro da competição com 9 gols. Porém, o Milan acabou derrotado pelo brilhante Barcelona de Ronaldinho Gaúcho.

Bola de Ouro 2004: Shevchenko como melhor do mundo

Com uma temporada fantástica pela equipe do Milan, se sagrando campeão italiano e artilheiro da competição, Shevchenko enfim convenceu os críticos. Dessa forma, no ano de 2004, o jogador foi agraciado com o prêmio Bola de Ouro da Revista France Football.

Atrás do jogador estavam o português Deco, campeão da Liga dos Campeões pelo Porto e Ronaldinho Gaúcho que estava em grande fase no Barcelona. Porém, na disputa pelo prêmio de melhor do mundo organizado pela FIFA, o brasileiro ficou em primeiro lugar e Shevchenko ficou em terceiro, atrás de Thierry Henry.

Breve segunda passagem pelo Milan

Após colecionar temporadas impressionantes com a camisa do Milan, Shevchenko chamou a atenção do Chelsea e se transferiu para o time londrino. Porém, por lá ele não obteve muito sucesso e após duas temporadas regressou ao o Milan por empréstimo.

Então, em 2008, Shevchenko voltou a vestir a camisa do clube onde ele fez tanto sucesso. Mas, a sua segunda passagem não foi tão vitoriosa quanto a primeira, embora o jogador tenha feito algumas atuações dignas de aplausos.

Assim, somando as suas duas passagens pelo Milan, o atacante ucraniano deixou um grande legado na equipe rossonera. Pois além de colecionar títulos expressivos, ele também se tornou o maior artilheiro do derby della madonnina com 14 gols. Dessa forma, o jogador é considerado o maior carrasco da Internazionale.

Além disso, Shevchenko conseguiu deixar a sua marca em meio a uma das gerações mais emblemáticas da história do Milan. Tanto que ao seu lado jogaram grandes lendas como Paolo Maldini, Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Clarence Seedorf, Andrea Pirlo, Filippo Inzaghi, dentre outros.

Enfim, todos esses grandes feitos e atuações se realizaram em meio as suas duas passagens com 322 jogos e 174 gols marcados.

Chelsea: Shevchenko enfrenta competição no ataque e no banco

Após sua brilhante passagem pelo Milan, Andriy Shevchenko sentiu que era hora de arriscar novos passos no futebol. Dessa forma, o atacante chamou a atenção do magnata Roman Abramovich, que desembolsou 43 milhões para trazer o ucraniano para o Chelsea.

Já em sua primeira temporada pelos blues, em 2006-07, Sheva começou recebendo oportunidades do técnico José Mourinho. Porém, ele jogou muitas vezes deslocado pelos lados do campo e mesmo com tamanha habilidade, não conseguiu desempenhar a função com maestria. Além disso, seu entrosamento com Didier Drogba não foi dos melhores, o que dificultou em seu desempenho na equipe londrina.

Para piorar, o atacante ainda se machucou ao final de sua primeira temporada, perdendo cada vez mais o seu espaço como titular. Tanto que a partir de sua segunda temporada pelo Chelsea, em 2007-08, o jogador passou a receber menos oportunidades entre os titulares, convivendo também com mais lesões.

Com todos esses problemas, Shevchenko começou a ser deixado de lado por José Mourinho, sendo preterido pelos atacantes Nikolas Anelka, Salomon Kalou e pelo próprio Drogba. Como se não bastasse, mesmo com a chegada de um velho conhecido, Carlo Ancelotti, seu antigo treinador no Milan, o jogador continuou recebendo poucas oportunidades.

Uma pena, pois o ucraniano tinha muito futebol para dar certo em uma equipe repleta de craques. Pois além do trio Anelka, Kalou e Drogba, os blues contavam com verdadeiras lendas como Michael Ballack, Frank Lampard, Deco e o zagueiro John Terry. Porém, mesmo não atuando como titular, o atacante esteve presente nas conquistas dos títulos da Copa da Inglaterra e da Copa da Liga Inglesa em 2006-07.

Dessa forma, recebendo poucas oportunidades, Shevchenko retornou ao Milan por empréstimo e encerrou sua passagem pelo Chelsea em 2009. Ao todo, pelos blues, foram realizados 77 jogos e 22 gols.

Aposentadoria e carreira pós-aposentadoria

Carreira como treinador da seleção ucraniana.

Em 2009, na reta final de sua carreira, Shevchenko retornou ao clube que o revelou, o Dínamo de Kiev, para encerrar seu ciclo como jogador com chave de ouro. Porém, na equipe, embora tenha desempenhado um bom papel tecnicamente, o atacante conquistou apenas o título da Supercopa da Ucrânia em 2011.

Já sabendo que iria para equipe a fim de se aposentar, o jogador encerrou a carreira ao final da temporada 2011-12. Como capitão, Shevchenko realizou a sua ultima partida no Campeonato Ucraniano contra o Tavriya Simferopol, em empate em 1 a 1, anotando uma assistência.

Ovacionado, o atacante encerrou a carreira no clube que abriu as portas para a sua trajetória no futebol. No total de suas passagens pelo clube, Shevchenko atuou em 251 partidas e anotou 126 gols. Naquele momento, Sheva encerrava um ciclo em sua vida para se tornar uma verdadeira lenda, principalmente do futebol ucraniano.

Se aproveitando de sua influência, Shevchenko procurou fazer ainda mais pelo seu país e decidiu entrar para a política. Já na década de 1990, ele se filiou ao Partido Social Democrata da Ucrânia e em 2004, apoiou publicamente a candidatura de Viktor Yanukovych à presidência. Em 2012, Sheva ficou em segundo lugar na lista parlamentares do partido Avante, mas não conseguiu chegar ao parlamento, pois seu partido não conseguiu os votos necessários.

Ainda em 2012, Shevchenko foi convidado para ser treinador da seleção ucraniana, mas recusou a oferta. O ex-atacante só iria aceitar o convite em 2016, quando assumiu de fato o escrete de seu país, conseguindo uma campanha de destaque na Euro de 2020, ao chegar às quartas de finais. Esse que foi um feito inédito conquistado pelo selecionado ucraniano, conseguido por um especialista em levar à Ucrânia a patamares cada vez mais altos.

Shevchenko na seleção ucraniana

Shevchenko na seleção ucraniana.

Andriy Shevchenko começou sua trajetória na seleção ucraniana em 1995, com apenas duas temporadas como profissional. Na ocasião, o atacante estreou em um amistoso contra a Croácia, no qual o escrete ucraniano saiu derrotado pelo placar de 4 a 0.

A partir dali, Shevchenko foi conquistando cada vez mais espaço em sua seleção. Tanto que no restante da década de 1990, o jogador se tornou a principal estrela não apenas do Dínamo de Kiev, como também do escrete ucraniano.

Porém, mesmo sendo a referência técnica no selecionado de seu país, o atacante não conseguiu levar a Ucrânia para grandes competições nos anos 1990. Ele só conseguiu esse feito em 2006, ao conduzir a seleção ucraniana para a Copa do Mundo daquele ano, algo inédito para o país. O jogador não apenas chegou ao mundial junto com o seu escrete, como também fez uma campanha histórica, chegando às quartas de finais.

Anos mais tarde, em 2012, já em fim de carreira, Shevchenko levou o seu país para a Eurocopa, ficando apenas na fase de grupos da competição. Embora o atacante tenha marcado dois gols na estreia em vitória sobre a Suécia, a Ucrânia perdeu os dois jogos seguintes para França e Inglaterra.

Inclusive, o jogo contra os ingleses foi o último de Sheva com a camisa da seleção ucraniana.  Dessa forma, a passagem do jogador com o escrete terminava ali, após 111 jogos realizados e 48 gols marcados.

Copa do Mundo de 2006: Shevchenko conduz a Ucrânia até as quartas de finais

Shevchenko como astro da seleção ucraniana na Copa do Mundo de 2006.

A Ucrânia conseguiu a sua independência em 1991, após a dissolução da União Soviética. Dessa forma, o país enfim pôde montar a sua própria seleção nacional. Porém, essa não seria uma tarefa tão fácil, ainda mais para um escrete recém-formado.

Assim, o país chegou a sua primeira e única Copa do Mundo apenas em 2006, através da ajuda de seu grande herói. Andriy Shevchenko, o líder máximo e ídolo da seleção não apenas conseguiu conduzir a Ucrânia para o seu primeiro mundial de sua história, como também foi protagonista de ilustre campanha.

Na ocasião, como capitão, Shevchenko logo balançou as redes e deu uma assistência no segundo jogo da competição contra a Arábia Saudita, no que resultou em goleada ucraniana por 4 a 0. Na partida seguinte, foi dele o único gol da vitória contra a Tunísia. Logo depois, a Ucrânia se classificou nas oitavas de finais contra a Suíça após cobranças de pênaltis, com Sheva sendo a grande referência no ataque. Porém, ele nada pôde fazer para evitar a eliminação ucraniana nas quartas de finais para a Itália por 3 a 0.

Contudo, esse revés não apagou o brilhantismo da única campanha ucraniana em Copas do Mundo.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.