Roberto Dinamite

Atacante, Centroavante
1182 Jogos Oficiais
6 Títulos Oficiais
744 Gols Marcados
Roberto Dinamite - Vasco da Gama
Carlos Roberto de OliveiraBrasil - Duque de Caxias - RJ
Nascimento 12 de abril de 1954
Falecimento -
Apelidos Roberto Dinamite
Carreira Início: (1971) Vasco
Término: (1993) Vasco
Características Altura: 1,86 m
Destro
Posição / Outras posições Centroavante / Segundo atacante/ Ponta esquerda
bola de ouro

1974 (Melhor jogador do campeonato brasileiro)

Bola de prata

1974, 1979, 1981, 1984 (Time do campeonato brasileiro)

Perfil / Estilo do jogador

Dono da área e um dos maiores artilheiros da história do futebol mundial, Roberto Dinamite era especialista em fazer gols. Seja através de um ótimo cabeceio ou de um chute preciso, o craque balançava as redes, muito por causa de seu ótimo posicionamento entre os zagueiros adversários. Era um centroavante oportunista, que também tinha habilidade com a bola nos pés e por isso foi muitas vezes utilizado pelos lados do campo.

Categoria de base

Data Clube    
São Bento (RJ) 1968    
Vasco da Gama 1969-1971    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1971-197/ 1980-1989/ 1991-1993 Vasco da Gama 1110 702
1979-1980 Barcelona 10 3
1989 Portuguesa 18 9
1990 Campo Grande (RJ) 14 0

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1975-1984 Brasil 30 14

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
Vasco da Gama Campeonato Brasileira 1974
Vasco da Gama Campeonato Carioca 1977, 1982, 1987, 1988, 1992

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Artilheiro do Brasil 1981 Vasco da Gama
Artilheiro Campeonato Brasileiro 1974, 1984 Vasco da Gama
Artilheiro Copa América 1983 Seleção Brasileira
Bola de Ouro 1984 Vasco da Gama
Bola de Prata 1974, 1984 Vasco da Gama

Desempenho

0,64
Média
Gols por jogo
0,27
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
5
Passe
2
Controle de Bola
4
Drible
3
Velocidade
3
Técnica
4
Finalização
5
Condicionamento Físico
4
Fundamentos Defensivos
1

Biografia

Roberto Dinamite: o maior ídolo vascaíno

Roberto Dinamite é o maior ídolo do Vasco da Gama.

 

Roberto Dinamite é um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro e o maior ídolo do Vasco da Gama. Até porque com o cruzmaltino, ele conseguiu bater recordes impressionantes, como maior artilheiro e o que mais vestiu a camisa do clube. Dessa forma, a idolatria pelo craque em São Januário é incontestável.

Inclusive, sua ligação com o Vasco permaneceu ao longo dos anos, se tornando o presidente do clube entre 2008 e 2013. Porém, não conseguiu evitar o rebaixamento da equipe, fazendo-lhe desistir de uma reeleição à presidência.

Sua carreira foi praticamente inteira dedicada ao Vasco, porém Roberto Dinamite atuou por outras equipes. Em 1979, ele chegou a vestir a camisa do poderoso Barcelona, porém permaneceu por uma temporada. Logo depois, o atacante rodou por Portuguesa e Campo Grande, até se aposentar no cruzmaltino.

Já com a camisa da seleção brasileira, atuou em duas Copas do Mundo, em 1978 e 1982.  Em sua primeira participação atuou com regularidade, mas quatro anos depois não chegou a entrar em campo.

Seus títulos mais importantes na carreira foram o Campeonato Brasileiro de 1974 e o pentacampeonato carioca com o Vasco da Gama. Além disso, Dinamite é o maior artilheiro da história do Campeonato Brasileiro, superando nomes como o de Pelé e Zico. Ao todo, o atacante marcou 744 gols e atuou em 1.182 partidas,

Já na infância, Dinamite encontra o caminho dos gols

No dia 13 de abril de 1954, nascia Carlos Roberto de Oliveira, no bairro de São Bento, no município de Duque de Caxias. Ainda garoto, não desgrudava da bola e inclusive chegava a dormir com ela, por causa de seu amor pelo futebol. Aos 12 anos, integrou a base do São Bento, se destacando como artilheiro.

Já na sua juventude, o craque tem a sua primeira inspiração no futebol, Jairzinho, atacante do tricampeonato brasileiro da Copa do Mundo. E nesse mesmo período que Roberto Dinamite vinha sendo observado por um olheiro do Vasco, que o levou para a equipe cruzmaltina.

Logo de cara, o atacante recebeu oportunidades nas categorias de base do Vasco e por lá se destacou. Após ganhar 15 quilos para obter condicionamento físico, Roberto Dinamite marcou 10 gols pelo Vasco no Campeonato Carioca Juvenil de 1970. Seu desempenho não demoraria em leva-lo para a equipe principal do cruzmaltino.

19711979: Roberto Dinamite “explode” no Vasco

Roberto Dinamite em sua primeira passagem no vasco.

Em 1971, Roberto Dinamite ganha a sua oportunidade entre os profissionais do Vasco da Gama. Após marcar 13 gols na edição do Campeonato Carioca de Juvenis do mesmo ano, o atacante chamou a atenção do treinador Mario Travaglini. Sua estreia foi no Campeonato Brasileiro contra o Bahia, quando Admildo Chirol era o técnico do cruzmaltino, porém mesmo com sua entrada, a equipe carioca perdeu por 1 a 0.

Mesmo com derrota, sua equipe se classificou para a segunda fase do Brasileirão, para enfrentar Atlético MG (que viria a ser campeão), Santos e Internacional. Antes do jogo contra os mineiros, o Jornal dos Sports publicou a seguinte manchete: “Vasco escala garoto-dinamite”. Dessa forma surgiu o apelido tão conhecido de Roberto Dinamite.

Naquele mesmo Campeonato Brasileiro, o atacante foi eleito a revelação da competição, mesmo com o Vasco sem o título. Porém, as conquistas viriam a acontecer pouco depois, com o título do Brasileirão de 1974 e seu primeiro Campeonato carioca no mesmo ano.

Para ajudar Dinamite a empurrar a bola na rede, outros craques formaram o elenco do Vasco da Gama na década de 1970. Andrada foi o grande goleiro daquela geração e no ataque outros craques também brilhavam, como Jorginho Carvoeiro, Luis Carlos e Ademir.

1974: Roberto Dinamite leva o Vasco ao seu primeiro título brasileiro

No início de 1974, o Vasco conquistou o Campeonato Carioca e Roberto Dinamite era titular absoluto da equipe. Porém, sua maior conquista naquela temporada foi o Campeonato Brasileiro, pois foi ali que ele se destacou.

Na primeira fase, sua equipe passou com tranquilidade em um grupo com outras 5 equipes. A exemplo do que fez na fase inicial, Roberto Dinamite continuou anotando gols e dessa vez eles foram mais decisivos. Em um grupo na fase final, o Vasco encarou Santos, Internacional e Cruzeiro.

Já na primeira partida, marcou gol em cima do Santos, que tinha nada mais nada menos que Pelé, garantindo vitória por 2 a 1.No último jogo do grupo, o atacante voltou a marcar e ajudou sua equipe a empatar contra o Internacional de Paulo Roberto Falcão. Mesmo com esse resultado, a equipe cruzmaltina foi campeã brasileira pela primeira vez e Roberto Dinamite foi artilheiro e melhor jogador da competição.

1979-1980: Ida e rápida passagem pelo Barcelona 

Roberto Dinamite tem passagem apagada no Vasco.

Sua atuação com a camisa do Vasco da Gama logo chamaria a atenção de grandes equipes do futebol europeu. Em 1980, o Barcelona ofereceu 56 milhões de pesetas (moeda espanhola na época) e levou o atacante brasileiro. Roberto Dinamite chegava para substituir Hans Krankl, que havia brigado com o treinador László Kubala e por isso foi dispensado.

A estreia de Dinamite com a camisa azul e grená animou o torcedor catalão, pois o atacante marcou dois gols logo de cara. Porém, com a mudança no comando técnico do Barcelona, o jogador passou a ter menos espaço na equipe e ficou no banco de reservas.

Foram apenas 10 partidas disputadas em uma temporada, sem nenhum título conquistado. Além disso, Roberto Dinamite marcou apenas 3 gols, algo muito atípico em sua carreira.

1980-1993: De volta para casa, Roberto Dinamite desembarca em São Januário

Após amargar uma temporada inteira no banco de reservas do Barcelona, Roberto Dinamite ainda tinha mercado aqui no Brasil, despertando interesse de grandes times. Entre eles estava o Flamengo, grande rival de seu time do coração. Sabendo disso, o dirigente vascaíno, Eurico Miranda, atravessou a negociação e trouxe o atacante.

Seu primeiro jogo oficial após sua volta ao cruzmaltino foi simplesmente um dos mais marcantes de sua carreira. Corinthians e Vasco se enfrentaram no Maracanã, pela segunda fase do Brasileirão de 1980 e os alvinegros abriram o placar do jogo. Porém, ainda na primeira etapa, o craque vascaíno marcou 4 gols seguidos e completou no segundo tempo com mais um tento. Vitória da equipe carioca por 5 a 2 e Dinamite mostrou porque voltou ao Brasil.

Nos anos seguintes, o atacante continuou com sua fase goleadora e se tornou artilheiro de importantes competições. No Campeonato Brasileiro de 1984, o craque vascaíno marcou 16 gols e foi artilheiro da competição, com sua equipe ficando com o vice-campeonato. Além disso, Roberto Dinamite foi Bola de Prata da competição, de maneira justa, já que ele teve grandes atuações, ainda mais nas fases finais.

Nesse período, o atacante conquistou 4 Campeonatos Cariocas, nos anos de 1982, 1987, 1988 e 1992. Além dessas conquistas, Dinamite conseguiu a artilharia nesses estaduais em duas oportunidades, nos anos de 1981 e 1985.

Sendo autor de tantos gols, Roberto Dinamite chegou à marca de 500 tentos marcados em 1982, em um empate por 1 a 1 contra o Volta Redonda, no Campeonato Carioca. O atacante vascaíno chegou a dedicar esse gol para o então dirigente Euríco Miranda, que logo passaria a ser seu rival nos bastidores do Vasco.

Parceria com Romário e outros craques

Nesse feliz período no Vasco da Gama, Roberto Dinamite contou com a parceria de outros craques. Durante os anos 1980, o cruzmaltino tinha nomes como o goleiro Mazzaropi, Arturzinho, Claudio Adão, Mazinho e Romário.

Foi ao lado do baixinho que Dinamite conquistou o bicampeonato carioca, nos anos de 1986 e 1987. Ambos formaram um ataque brilhante, em que os dois assumiam o protagonismo dentro da área. Nesse período, o Vasco contou com dois grandes centroavantes, de duas gerações diferentes, já que Romário ainda estava em início de carreira.

Empréstimo para Portuguesa e Campo Grande

Passagem pela Portuguesa de Desportos.

Em 1989, o Vasco da Gama reforçou o seu elenco e Roberto Dinamite acabou não tendo espaço na equipe. Já veterano, o atacante de 35 anos não estava conseguindo render como antigamente e foi preterido por Bebeto, que estava em ascensão. Dessa forma, o artilheiro vascaíno foi emprestado para a Portuguesa.

Foi na Portuguesa que Dinamite atingiu a marca de maior artilheiro da história do Campeonato Brasileiro, ao marcar 9 gols em seis meses na equipe. Através de sua boa atuação, a Lusa terminou em 7º no Brasileirão de 1989, fazendo com que os dirigentes do clube tentassem a sua renovação. Porém, o artilheiro resolveu voltar ao Vasco da Gama, clube no qual ele sempre foi devoto.

Ao não ser aproveitado mais uma vez no Vasco, o craque resolveu aceitar mais um novo desafio, dessa vez no Campo Grande. Roberto Dinamite fez parte da boa campanha da equipe no Campeonato Carioca de 1991, terminando na 5ª posição na Taça Rio. Outros craques já veteranos fizeram parte daquele time, como o meia Elói, Claudio Adão e Paulo César Gusmão.

Mesmo jogando apenas 14 partidas e sem nenhum gol marcado, Roberto Dinamite atuou bem com a camisa do Campo Grande e logo retornou ao Vasco.

1993: Aposentadoria no Vasco: Dinamite termina onde tudo começou

De volta ao Vasco em 1992, Roberto Dinamite se aproximava do final de sua carreira, mas mesmo assim ainda marcou 10 gols em 24 partidas. Sua participação foi importante para o clube conquistar o Campeonato Carioca daquele ano.

Porém, aos 38 anos de idade, o craque anunciou que estaria pendurando as chuteiras, já que não estava conseguindo render como antes. Então, em março de 1993, o Vasco organizou um jogo de despedida para homenagear seu ídolo.

Na ocasião, o Vasco enfrentou o Deportivo La Coruña, que era uma das grandes equipes do futebol europeu na época. Os espanhóis venceram pelo placar de 2 a 0, mas isso não estragou a grande festa em homenagem a Roberto Dinamite. Até porque nessa festa estava presente o craque Zico, grande amigo do atacante vascaíno.

Por que Roberto Dinamite é o maior ídolo do Vasco?

Durante seu período no Vasco da Gama, Roberto Dinamite atuou em 1.110 partidas. Dessa forma, ele fez parte de um seleto grupo de jogadores que fizeram mais de mil jogos por uma equipe, como Pelé e Rogério Ceni. Dos 22 anos como profissional, 21 foram dedicados ao gigante da colina.

Com tantos jogos, o craque anotou 702 gols para a equipe cruzmaltina, sendo o maior artilheiro do clube. Dessa forma, o craque conseguiu ser o maior artilheiro da história do Vasco, do São Januário e dos clássicos cariocas. Em nível de competições, Dinamite é o maior artilheiro do Campeonato Brasileiro e Carioca.

Roberto Dinamite conquistou o primeiro título brasileiro do cruzmaltino e 5 Campeonatos Cariocas. Com tantos recordes e conquistas, é inegável que ele é o maior ídolo da história do Vasco da Gama.

Atuação na seleção brasileira

Artilheiro vascaíno em ação contra a Argentina.

Após grandes atuações com a camisa do Vasco e o título brasileiro em 1974, Roberto Dinamite chamou atenção do técnico Oswaldo Brandão que o convocou no ano seguinte. Seu primeiro desafio foi na Copa América daquela temporada, na partida de ida da semifinal da competição. Porém, o Brasil perdeu por 3 a 1 para o Peru e não conseguiu reverter a situação na volta, sendo eliminado.

Porém, mesmo após a decepção na Copa América, Dinamite marcou seu primeiro gol no ano seguinte, em um amistoso contra a Inglaterra. Ali foi o ponto de partida para o caminho dos gols e assim o atacante voltou a marcar nas Eliminatórias, na Copa do Mundo de 1978 e nas Copas Américas de 1979 e 1983. Foram 14 gols em 30 jogos com a amarelinha.

Após realizar uma boa Copa América em 1983, quando marcou 3 gols no vice-campeonato do Brasil, o atacante não foi mais convocado a partir do ano seguinte. Seu último jogo foi em um amistoso contra a Argentina, no dia17 de junho de 1984.

Copa do Mundo de 1978: titular na campanha

Roberto Dinamite em joo contra a Itália na disputa pelo 3º lugar da Copa do Mundo de 1978.

Em 1978, Roberto Dinamite estava no auge de sua carreira e foi convocado sem contestações para a Copa do Mundo daquele ano, realizada na Argentina. Na seleção brasileira, o craque ganhou a titularidade na terceira partida, deixando o atacante Reinaldo no banco.

O Brasil havia empatado os dois primeiros jogos contra Suécia e Espanha, dessa forma, o técnico Cláudio Coutinho buscava por mudanças e colocou Dinamite como titular. E já na sua estreia naquela Copa, o craque mostrou sua marca e anotou o único gol na vitória contra a Áustria. Com isso, a seleção canarinho passou para a segunda fase, em um grupo com Argentina, Peru e Polônia.

Dinamite voltou a marcar mais dois gols contra a Polônia, porém não conseguiu se classificar junto com sua seleção. O Brasil ficou em segundo lugar no seu grupo e encarou a Itália na disputa pelo terceiro lugar daquela Copa. O atacante vascaíno jogou bem e mesmo não fazendo gols, foi importante na vitória que deu a medalha de bronze à sua equipe.

Copa do Mundo de 1982: não conseguiu entrar em campo

De última hora, Roberto Dinamite foi convocado para a Copa do Mundo de 1982, por causa da contusão de Careca. Porém, o atacante ficou apenas no banco de reservas e não foi lembrado por Telê Santana para entrar em campo.

Aquela seria a última Copa do Mundo de Roberto Dinamite, que não foi convocado em 1986, mesmo em grande fase no Vasco.

A vida de Roberto Dinamite após a aposentadoria

De ídolo à presidência do Vasco.

Assim que deixou os gramados, Roberto Dinamite aproveitou  sua popularidade para se eleger vereador no Rio de Janeiro. Dois anos depois, ele venceu a eleição para deputado estadual e repetiu a dose em 1998, 2002, 2006 e 2010.

Mesmo com sua carreira política, Dinamite jamais se desligou do Vasco da Gama e criou desafetos com Euríco Miranda, presidente da equipe entre 2001 e 2008. Dessa forma, o ex-atacante vascaíno tentou se eleger como mandatário do clube em 2006, mas após uma eleição polêmica, acabou perdendo para seu maior rival. Há suspeitas de que até sócios já falecidos tiveram votos validados.

Mas em 2008, Roberto Dinamite deu a volta por cima e se tornou presidente do Vasco da Gama, iniciando um período cheio de expectativas. Sob sua gestão a equipe venceu a série B do Campeonato Brasileiro de 2009, o que parecia ser um início de uma nova era. Porém, nos anos seguintes, o clube passou por altos e baixos, mesmo com a conquista da Copa do Brasil e o vice no Brasileirão de 2011.

O ídolo vascaíno conseguiu se reeleger em 2011 e viu sua equipe ser eliminada para o Corinthians em 2012 na Libertadores, mesmo com um bom elenco. Aquele seria o último bom ano do Vasco, que acabou caindo para a série B em 2013 e Dinamite preferiu não tentar outra reeleição.

 

2 Comments

  1. Foi um grande centroavante que eu vi jogar , era pra ser o atacante da copa de 1982 no lugar de Serginho CHulapa já que o titular era Careca e foi cortado por sofrer uma lesão .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *