Itália

6 Títulos Oficiais
Seleção italiana
Principais rivais Brasil / França / Alemanha / Espanha
Apelidos Gli Azzurri / La Nazionale / Squadra Azzurra
Mascote Ciao
Copa do Mundo

1934, 1938, 1982, 2006

Eurocopa

1968, 2020

Títulos conquistados

Títulos Mundiais

Competição Títulos Ano
Copa do Mundo 4 1934, 1938, 1982, 2006

Títulos Continentais

Competição Títulos Temporada
Eurocopa 2 1968, 2020

Outros títulos

Competição Títulos Ano
Jogos Olímpicos 1 1936

História

Seleção Italiana: Tetracampeã mundial!

Itália seleção tetra campeã do mundo.

Coordenado pela Federação Italiana de Futebol, a Seleção Italiana é uma das equipes mais tradicionais do mundo da bola, representando um país bem apaixonado pela modalidade esportiva, a Itália.

A Azzurra (predominante das cores azuis) sempre foi um exemplo tático dentro de campo, com a sua seleção dando uma verdadeira aula no assunto. Com um título de Eurocopa e quatro mundiais (ficando apenas atrás do Brasil), a Itália é uma das principais potências futebolísticas, já tendo chegado a 6 finais de Copas do Mundo.

Além de tudo, o país é um verdadeiro celeiro de craques, desde nomes mais antigos, como Giuseppe Meazza, Gianni Rivera, Luigi Riva e Dino Zoff, passando por lendas como Paolo Rossi, Franco Baresi, Roberto Baggio até chegar nas gerações mais novas, com atletas como Paolo Maldini, Alessandro Del Piero, Gianluigi Buffon, Fabio Cannavaro, Francesco Totti, Daniele De Rossi e Andrea Pirlo.

Fundação da Seleção Italiana de Futebol

Seleção Italiano sob influÊncia de Mussolini.

No dia 15 de março de 1898, foi fundada a Federação Italiana de Futebol, na cidade de Turim. Naquele período, o futebol já era febre nas principais cidades do país e o esporte estava sendo praticado por muitas pessoas. Meses após sua fundação, a Federação realizou um torneio com os principais times da Itália, sendo que o Genoa foi o campeão.

Apenas em 1910, a seleção masculina da Itália entrou em campo, em vitória por 6 a 2 contra a França, na Arena Civica, em Milão. Na ocasião, os italianos entraram de camisa branca e só estrearam de azul em jogo contra a Hungria.

Em suas primeiras décadas no futebol a Azzurra passou a vestir, temporariamente, camisas negras em homenagem ao regime fascista de Benito Mussolini. Antes de entrarem em campo, jogadores italianos eram obrigados a fazer um gesto de saluto romano, que significa uma reverencia ao fascismo. Nem todos os atletas se animavam em fazer tal gesto, mas eram obrigados e isso perdurou até 1942.

Copas de 1934 e 1938: Seleção Italiana se torna a primeira a conquistar o bicampeonato mundial

Vitoriosa Itália dos anos 30.

Mesmo com problemas relacionados à política na Seleção Italiana de Futebol, a vida seguia dentro do possível, mesmo não tendo participado da Copa do Mundo de 1930.Porém, em seguida a Azzurra não apenas disputou, como se tornou a primeira seleção a ser bicampeã mundial, vencendo em 1934 e 1938.

Outro fato interessante no período foi a “A Batalha de Highbury”. Em novembro de 1934, os Italianos foram até Highbury enfrentar a Inglaterra, em jogo amistoso. Os ingleses abriram 3 a 0 no primeiro tempo, mas na segunda etapa Meazza anotou dois gols, diminuindo o placar. Após isso, os donos da casa passaram a praticar um jogo extremamente violento. Mesmo com a derrota, a torcida italiana se mostrou bem feliz com toda a bravura, apelidando o time de Leões de Highbury.

Se não bastasse as conquistas do Mundial, e a Batalha, em 1936, entre as Copas, a Itália ainda ficou com a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Berlim, batendo a Áustria por 2 a 1 na final.

O time base da época de ouro foi: Combi (Olivieri); Monzeglio (Foni) e Allemandi (Rava); Ferraris (Locatelli), Monti (Serantoni) e Bertolini (Andreolo); Guaita (Colaussi), Meazza, Schiavio (Piola), Ferrari e Orsi (Biavati). Todos comandados por Vittorio Pozzo único técnico bicampeão mundial, e guiados em campo pelo craque Giuseppe Meazza.

1934 – Primeiro mundial da Seleção Italiana de Futebol

Itália após a conquista da Copa do Mundo de 1934.

Em 1934, a ideia de Benito Mussolini era de sediar a Copa do Mundo, a fim de promover o fascismo para o planeta.  O ditador investiu pesado na Seleção Italiana de Futebol e trouxe jogadores vindos de países sul-americanos para representar as cores da Azzurra. Luís Monti, Raimundo Orsi, Henrique Guaita e o brasileiro Filó, que ficou conhecido como Guarisi, foram osestrangeiros convocados.

Com um super esquadrão, a Itália atropelou os Estados Unidos no primeiro jogo, já nas oitavas de finais, em resultado de 7 a 1.Em seguida, travou uma batalha com a Espanha, empatando por 1 a 1 e vencendo o jogo de desempate por 1 a 0, gol de Giuseppe Meazza. Nas semifinais, vitória simples sobre a Áustria, por 1 a 0.

Já na decisão, diante da Tchecoslováquia, o jogo ia para um final triste, já que Puč abriu o placar já aos 71 minutos. Porém, nos minutos finais, Orsi e Schiavio viraram, dando a Itália o seu primeiro título Mundial.

1938- Bicampeonato da Copa do Mundo

Itália no bicampeonato 1938.

Quatro anos mais tarde, na França, a Seleção Italiana de futebol manteve a sua forte base e foi em busca do bicampeonato. A equipe continuou sendo treinada por Vittorio Pozzo. No primeiro jogo, vitória na prorrogação sobre a Noruega por 2 a 1. Em seguida, eliminou o time da casa vencendo por 3 a 1.

Nas semifinais, encarou o Brasil, de Leônidas da Silva. Esse foi o primeiro de muitos grandes duelos das duas seleções em jogos oficiais. Os italianos venceram por 2 a 1, com gols de Colaussi e Giuseppe Meazza.

Na decisão, o adversário foi a Hungria, do artilheiro György Sárosi e jogo começou bem disputado. Os italianos abriram o placar aos 6 minutos, com gol de Colaussi, mas Titkos empatou para os húngaros na sequência. Porém, Colaussi voltou a marcar e Piola anotou mais dois gols. Mesmo com seus adversários marcando um tento no final, a Seleção Italiana de Futebol venceu por 4 a 2. Era o bicampeonato garantido.

Giuseppe Meazza: primeiro grande ídolo da Itália

Giuseppi Meazza em 1938.

No dia 9 de fevereiro de 1930, Giuseppe Meazza estreou pela Seleção Italiana de Futebol. Em sua estreia, o atacante entrou em campo no amistoso contra a Suíça, a Itália estava perdendo por 2 a 0. Porém, o craque foi capaz de marcar dois gols e garantiu a vitória da Azzurra por 4 a 2. A partir dali, seria uma época de sucesso para o jogador e seu país.

Meazza foi fundamental nas conquistas das Copas de 1934 e 1938, sendo o principal jogador da Squadra Azzurra. Com a camisa de sua seleção, o jogador entrou em campo por 53 vezes e marcou 33 gols. Esses números só não foram melhores por causa do período inatividade do futebol durante a 2ª Guerra Mundial.

Copa de 1950: Após 2ª Guerra Mundial, Itália volta a disputar a competição

Infelizmente para a Itália, a sua seleção de ouro foi parada pela 2ª Guerra Mundial, onde com o ocorrido, não pode conquistar mais títulos com os seus craques. Mas ao final desse período, o regime de Benito Mussolini caiu e a Seleção Italiana de Futebol passou por constantes mudanças, até porque o país ficou devastado.

Na volta do futebol, a Seleção Italiana voltou a disputar uma Copa do Mundo, em 1950. Porém, assim como na edição seguinte, em 1954, a Azzurra foi uma verdadeira decepção, sem deixar boas lembranças. Para a edição de 1958, o desempenho foi ainda pior, sequer se classificando para disputar a Copa do Mundo.

Copa de 1962: queda da Seleção Italiana na 1ª fase e a “Batalha de Santiago

Jogo entre Itália e Chila em 1962, conhecido como "A batalha de Santiago".

No ano de 1962 a Itália se classificou para a Copa do Mundo, mas decepcionou mais uma vez, caindo na primeira fase, em um grupo que tinha Alemanha, Chile e Suíça. Os italiano empataram contra os alemães e até venceram os suíços, mas pararam nos chilenos.

O duelo contra os donos da casa, o Chile, foi considerado histórico, pois a partida ficou conhecida como a “Batalha do Santiago”, que é lembrada como uma das partidas mais violentas da história das copas.

Correspondentes italianos publicaram relatos sobre o Chile antes da partida, onde falavam que o país vivia na miséria e que tinham muitos problemas, como a prostituição. Com isso, o governo chileno repassou a publicação para a mídia local em Santiago, então o crime de batalha já estava feito.

Em campo, muitas agressões graves, como socos, pontapés e muita confusão. Apenas dois jogadores italianos foram expulsos, e assim o Chile venceu por 2 a 0. Especula-se que o confronto foi uma das inspirações para a criação dos cartões amarelos no futebol.

Copa de 1966: Seleção Italiana dá vexame contra Coreia do Norte

Na Copa do Mundo da Inglaterra, em 1966, a Itália passou por mais um vexame. A equipe estreou dando o troco no Chile, vencendo por 2 a 0 com gols de Mazzola e Barison. Já na segunda rodada, perdeu para a União Soviética por 1 a 0, sendo obrigada a decidir a vaga na última rodada, contra a Coreia do Norte.

Com um gol de Pak Doo-ik, aos 42 minutos do primeiro tempo, os coreanos venceram e fizeram história, avançando de fase em sua primeira Copa do Mundo, além de acabar eliminando uma das potências mundiais.

Eurocopa 1968: único título europeu conquistado pela Seleção Italiana 

Seleção Italiana em seu único título da Euro.

No ano de 1968, a Itália conquistou o seu primeiro e único título da Eurocopa. Sendo país sede da fase final, a equipe passou pela União Soviética nas semifinais. Já na decisão, enfrentou a Iugoslávia e ficou no 1 a 1. No jogo desempate, vitória por 2 a 0, com gols de Riva e Anastasi, conquistando o título.

Com grandes nomes em campo, a Itália ainda emplacou cinco nomes na Seleção da Eurocopa. Foram eles: Dino Zoff, goleiro; Giacinto Facchetti, defensor; Sandro Mazzola, meia ofensivo; Angelo Domenghini, atacante; e Luigi Riva, centroavante.

Copa de 1970: o ressurgimento da Seleção Italiana bicampeã do mundo

Com a base que conquistou a Eurocopa em 1968, a Itália chegou até o México em 1970 motivada para fazer bonito após anos de decepções na competição.

Os italianos avançaram na liderança do Grupo 2 na primeira fase, no qual tinha Uruguai, Suécia e Israel. Em seguida, nas quartas de finais, atropelou os donos da casa por 4 a 1, de virada.

Na semifinal, diante da Alemanha, um duelo que é considerado por muitos no jogo do século. Com um gol de Boninsegna, a Itália vencia até o último lance do segundo tempo, quando tomou o empate. Na prorrogação, Müller virou o jogo logo aos quatro minutos, mas Burgnich e Riva fizeram o 3 a 2. Müller voltou a empatar logo na sequência, mas no minuto seguinte Rivera fez o gol da classificação, 4 a 3.

Itália pra diante da Seleção BRasil na final de 1970.

Voltando a ser protagonista após 30 anos, a Itália chegou na decisão para buscar o tricampeonato. Porém, o adversário foi um Brasil de Pelé, Jairzinho, Gérson, Rivellino, Tostão e companhia, uma seleção repleta de lendas. O resultado foi de 4 a 1 para os brasileiros.

Participação apagada em 1974 e terceiro lugar em 1978

Apesar de realizar uma ótima Copa do Mundo em 1970, chegando à final, a Seleção Italiana de Futebol decepcionou quatro anos depois. Na Alemanha, em 1974, os italianos não passaram da primeira fase, em um grupo que tinha Polônia, a Argentina e o Haiti.

Mas quatro anos depois, em solo argentino, a Itália mostrou sua força de anos anteriores e voltou a empolgar seus torcedores. Na primeira fase, um grupo difícil, com a Argentina de Mario Kempes, França e Hungria. Os italianos passaram em primeiro lugar e avançaram para a segunda fase.

Em outra fase de grupos, a Itália ficou em segundo lugar em grupo que tinha a forte Seleção Holandesa, Alemanha e Áustria. A segunda posição não garantia vaga na final e os italianos tiveram que se contentar em vaga para o terceiro lugar.

A partida foi realizada mais uma vez contra o Brasil, que passou a ser um rival da Seleção Italiana de Futebol.  A Azzurra abriu o placar com gol de Causio, mas os brasileiros viraram a partida com Nelinho e Dirceu.

Copa de 1982: 44 anos depois, a redenção da Seleção Italiana

Itália vence mais uma Copa do Mundo ao bater a Alemanha.

Em 1982, a Seleção Italiana chegou até a Espanha para a Copa do Mundo bem desacreditada, já que havia passado por problemas com escândalos de manipulações de resultados em sua liga. Porém, de desacreditado a campeões, consagrando uma geração guiada por Paolo Rossi, artilheiro do Mundial com seis gols.

O time base da Azzurra foi: Zoff; Bergomi, Gentile, Scirea e Collovati; Cabrini, Antognoni (Oriali), Tardelli; Paolo Rossi, Conti e Graziani (Altobelli). Comandados pelo Técnico Enzo Bearzot.

Na primeira fase, a Seleção Italiana avançou na segunda posição do Grupo A após três empates, diante de Polônia, Camarões e Peru. Na segunda fase, que era novamente de grupos, caiu em uma chave com Argentina e Brasil, onde só o primeiro avançava.

A Itália bateu a Argentina de Passarella por 2 a 1, enquanto o Brasil de Zico, Serginho Chulapa, Sócrates e Falcão venceu os Hermanos por 3 a 1. Dessa forma, o time canarinho jogava pelo empate contra a Azzurra.

Em mais um confronto entra as duas seleções, Brasil era super favorito, mas não contava com a “Tragédia do Sarriá”, como ficou conhecida a partida que consagrou de vez Paolo Rossi. O atacante italiano anotou os três gols da sua seleção, que venceu os brasileiros por 3 a 2 e mandaram os rivais para casa mais cedo.

Nas semifinais, vitória com mais dois gols de Paolo Rossi, diante da Polônia. Na final, contra a Alemanha Ocidental, Paolo Rossi, Tardelli e Altobelli fizeram os gols da vitória por 3 a 1, conquistando finalmente o tricampeonato Mundial.

Copa de 1986: Seleção Italiana de Futebol para em Platini

Após o título da Copa do Mundo de 1982, a Itália mostrou para o mundo que era uma seleção forte. Em 1986, no México, sua base foi modificada e novos jogadores surgiram com a camisa da Azzurra, como Bagni, Di Gennaro e Altobelli passou a ser referência da equipe.

Na primeira fase, os italianos passaram em segundo lugar, em grupo que tinha Argentina, Bulgária e Coreia do Sul. Mas nas oitavas de finais os italianos não contavam com a força da Seleção Francesa de Michel Platini. O craque francês atuou muito bem e foi o autor do primeiro gol da partida, em vitória francesa por 2 a 0.

Copa de 1990: após 56 anos a Seleção Italiana volta a sediar um mundial

Após 56 anos, a Itália voltou a ser sede da Copa do Mundo, em 1990. Buscando o tetra, a Azzurra apostava muito em um nome: Roberto Baggio. Na primeira fase a equipe sobrou, vencendo todos os seus jogos. Em seguida, bateu o Uruguai com tranquilidade, por 2 a 1, e a Irlanda nas quartas de finais, por 1 a 0.

 

Nas semifinais, um jogo especial. O país ficou dividido entre a Seleção Italiana e o Deus dos Italianos, que curiosamente era argentino, Diego Maradona. Após o 1 a 1 no tempo normal, os Hermanos venceram nos pênaltis por 4 a 3, com direito a última cobrança da equipe sendo foi justamente por Maradona.

Eliminados nas semifinais, a Itália ainda conseguiu um prêmio de consolação, ao vencer a Inglaterra por 2 a 1 e ficar com a 3º colocação.

Copa de 1994: a Seleção Italiana chega sob desconfiança, mas com um bom time

Quatro anos depois de sediar a Copa do Mundo, a Itália foi para a disputa nos Estados Unidos sob desconfiança, mas com o melhor jogador de futebol do mundo na época, Roberto Baggio.

Na fase de grupos, uma curiosidade. Todas as equipes do Grupo E ficaram empatadas com 4 pontos e zerados em saldos, então o critério de confronto diretos foi usado. A Itália ficou na 3ª posição, e avançou como um dos melhores terceiros.

Na fase de mata-mata, a Itália passou por Nigéria, Espanha e Bulgária, todos pelo mesmo placar, 2 a 1. Dessa forma, chegou à decisão diante do Brasil, que tinha entre as suas estrelas a dupla Romário e Bebeto.

Baggio perde penalti que deu titulo ao Brasil em 1994.

A partida não teve tanta emoção e as oportunidades criadas não foram finalizadas com a bola na rede. Dessa forma, a decisão foi para os pênaltis. Márcio Santos errou para o Brasil, mas do outro lado, Daniele Massaro parou em Taffarel.

Curiosamente, os dois maiores craques italianos mandaram as cobranças para fora, Franco Baresi e Roberto Baggio. Inclusive, com o atacante cobrando a última bola e isolando, ficando marcado na história de forma negativa.

Copa de 2006: Seleção Italiana obtém o tetra e consagra uma geração estrelada

Após participações anteriores em 1998 e 2002 bem decepcionantes e com erros de arbitragem, a Copa do Mundo de 2006 consagrou nomes como Buffon, Cannavaro, Materazzi, Gattuso, Pirlo, Del Piero, Totti, De Rossi, Gilardino, Nesta e Filippo Inzaghi, jogadores que fizeram parte do último título italiano sendo comandados por Marcello Lippi.

Itália em seu úlimo título de Copa do Mundo.

Da mesma forma que em 1982, a seleção italiana chegou após uma crise em um escândalo de manipulações de resultados em sua liga, e não estava com grandes expectativas.

Na primeira fase, a Azzurra avançou na liderança do Grupo E com 7 pontos, vencendo Gana e República Tcheca, e empatando com os Estados Unidos. Nas oitavas de finais, vitória por 1 a 0 sobre a Austrália.

Já nas quartas, os italianos passaram fácil pela Ucrânia, 3 a 0. Nas semifinais, empate sem gols contra a Alemanha, donos da casa, indo para a prorrogação. Faltando um minuto para acabar o tempo extra, dois gols italianos, anotados por Grosso e Del Piero, garantindo a vaga na decisão.

Na final, um duelo contra a poderosa França, de Zinedine Zidane. Os franceses abriram o placar justamente com o seu craque, cobrando pênalti aos 7 minutos. Aos 19, o zagueiro Materazzi empatou. O jogo terminou na igualdade, indo para a prorrogação.

Aos 110 minutos, uma cena clássica. Materazzi provoca Zidane, e o craque francês perde a cabeça, desferindo uma cabeçada no zagueiro. Zinedine é expulso, deixando a sua seleção sem a principal referência.

Nos pênaltis, a Itália conquistou o título após acertar todas as suas cobranças, sendo finalizado por um chute de Grosso. Trezeguet foi quem desperdiçou para a França.

Últimas participações em copas (2010,  2014 e 2018): Itália decepciona

Itália caiu na primeira fase em 2010.

Após a forte geração italiana de 2006, a Azzurra não conseguiu repetir o mesmo grande time de anos anteriores. Em 2010, na Copa da África do Sul, a Itália teve sua equipe bastante modificada, contando com jogadores promissores que não engrenaram, como Montolivo, Marchisio, Quagliarela, Pazzini e Iaquinta.

O resultado foi uma fraca campanha e eliminação já na primeira fase, em um grupo que tinha Paraguai, Eslováquia e Nova Zelândia. Os italianos amargaram a última posição, com apenas 2 pontos.

Em 2014, na Copa do Mundo no Brasil, a Seleção Italiana de Futebol voltou a decepcionar e mais uma fez caiu na primeira fase. A Azzurra ficou em terceiro lugar com 3 pontos ganhos, em um grupo que tinha a surpreendente Costa Rica, Uruguai e Inglaterra. Em 2018, os italianos sequer foram para a Rússia, caindo ainda nas eliminatórias.

A missão da nova geração da Seleção Italiana de Futebol é de recuperar os caminhos de glória da equipe, que hoje é considerada uma gigante adormecida. Novos jogadores como Donnarumma, Romagnoli, Insigne e Belotti carregam a responsabilidade trazer dias melhores para a Azzurra.

2020-21: A volta por cima, título da Eurocopa após 53 anos

Com uma nova geração, comandada pelo técnico Roberto Mancini, a Seleção Italiana de Futebol começou a encher os seus torcedores de esperanças. Até porque, a Azzura passou a jogar um futebol digno de empolgação já nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Assim, na Eurocopa que foi realizada em 2021 por conta da pandemia do coronavírus, o escrete italiano continuou sendo imbátivel.

Em seu elenco renovado, a Itália passou a contar com seus novos pilares na equipe, como o goleiro Gianluigi Donnarumma, o ponta esquerda Lorenzo Insigne, o meia Marco Verratti e os lendários zagueiro Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini. Junto com esses jogadores, o selecionado comandado por Roberto Mancini era basicamente o seguinte na Eurocopa: Donnarumma, Di Lorenzo, Chiellini, Bonucci, Spinazolla (Emerson), Verratti (Locatelli), Barella, Jorginho, Insigne, Ciro Immobile e Chiesa (Berardi).

Contando com esse elenco, a Itália fez uma grande apresentação na fase de grupos da competição, ao vencer sem muitos problemas, País de Gales, Turquia e Suíça. Na fase mata-mata, os italianos enfrentaram um jogo difícil contra a Áustria, mas venceram por 2 a 1 com direito a gol na prorrogação. Nas quartas, mais uma vitória por 2 a 1, dessa vez contra a forte geração belga comandada por De Bruyne e Lukaku.

Logo depois, na semifinal, a azurra teve que enfrentar a forte seleção espanhola e em um jogo equilibrado, os italianos abriram o placar já no segundo tempo com gol de Chiesa. Porém, a Espanha empatou o jogo nos 10 minutos finais com gol de Morata e levou o duelo para a prorrogação, que também terminou empatada. Nas penalidades, a Itália levou a melhor, após grande defesa do goleiro Donnarumma no pênalti batido por Morata.

Na decisão, em Wembley, os italianos enfrentaram os donos da casa, que estavam empolgadas pelo primeiro título europeu do selecionado inglês. Com apenas dois minutos de jogo, Luke Shaw abriu o placar, para delírio da torcida inglesa. Mas, Bonucci empatou para a Itália, aos 22 minutos do segundo tempo, levando a final para a prorrogação, que também terminou empatada. Nas penalidades, Donarumma brilhou mais uma vez, ao defender os pênaltis de Jadon Sancho e Bukayo Saka. Assim a Itália conquistava a Europa em sua segunda vez na história, após 53 anos.

Referências:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Sele%C3%A7%C3%A3o_Italiana_de_Futebol

https://www.imortaisdofutebol.com/2012/09/23/selecoes-imortais-italia-1934-1938/

https://calciopedia.com.br/2020/04/a-batalha-de-santiago.html

https://www.youtube.com/watch?v=1YpO2eHc09k

https://www.imortaisdofutebol.com/2013/10/23/selecoes-imortais-italia-1968-1970/

https://www.imortaisdofutebol.com/2012/04/11/selecoes-imortais-italia-1982/

https://www.imortaisdofutebol.com/2012/03/21/selecoes-imortais-italia-2006/

https://trivela.com.br/ha-25-anos-um-jogo-de-copa-dividiu-napoles-entre-o-amor-a-italia-e-a-devocao-a-maradona/

https://www.imortaisdofutebol.com/2012/03/21/selecoes-imortais-italia-2006/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Europeu_de_Futebol_de_1968

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1934

https://www.imortaisdofutebol.com/2012/09/23/selecoes-imortais-italia-1934-1938/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Santiago

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1966

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1982

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1970

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1990

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_1994

https://pt.wikipedia.org/wiki/Federa%C3%A7%C3%A3o_Italiana_de_Futebol#As_origens

https://calciopedia.com.br/2019/04/fascismo-futebol-italiano.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *