Portugal

2 Títulos Oficiais
Portugal-Logo
Seleção Portuguesa
Principais rivais Espanha e França
Apelidos Seleção das Quinas / Imortais
Mascote
Eurocopa

2016

Copa do Mundo

3º lugar: 1966

Títulos conquistados

Títulos Continentais

Competição Títulos Temporada
Eurocopa 1 2016
Liga das Nações 1 2019

História

Seleção Portuguesa: grandes jogadores e ascensão recente

A seleção portuguesa de futebol é uma das mais tradicionais seleções de futebol da Europa. E mesmo com tanta história e jogadores de grande talento, Portugal conquistou apenas recentemente seus primeiros títulos. Situação que a coloca, no momento, entre uma das principais candidatas a títulos no continente europeu como, também, títulos mundiais. Sem muitas campanhas satisfatórias em Copas do Mundo, foram poucas as vezes que Portugal ficou entre as melhores seleções do mundo.

A melhor colocação foi um 3º lugar, na Copa da Inglaterra em 1966, e já sob o comando da lenda Eusébio. Porém, 42 anos depois, e já com a presença do gênio Cristiano Ronaldo, Portugal chegou novamente a uma semifinal de Copa do Mundo, quando acabou eliminada e, posteriormente, derrotada na disputa do terceiro lugar.

Portugal vem, cada vez mais, se mostrando um seleiro para revelar grandes jogadores. Nas últimas décadas é normal vermos jogadores portugueses entre os principais do continente europeu. Além dos já citados Eusébio e Cristiano Ronaldo, outro destaque foi Luis Filipe Figo que, nos anos 1990 e 2000 figurou entre os melhores do mundo. Vale ressaltar que, esses três jogadores portugueses foram agraciados com a Bola de Ouro, principal prêmio individual que consagra o melhor jogador de futebol na temporada.

Para um país pequeno e com poucos habitantes é um grande feito ter esses números. Ainda mais pelo selecionado não ser considerado do primeiro escalão do futebol mundial, com diversas conquistas e mundiais.

O início da história da Seleção Portuguesa (1921-1965)

A fundação da seleção de Portugal ocorreu no ano de 1921, anos depois da fundação da Federação Portuguesa de Futebol. Uma curiosidade é que a maior rivalidade do futebol português, o clássico Benfica x Porto, teve influência neste início de história da seleção portuguesa.

Logo para a primeira partida de Portugal, os técnicos e jogadores do Porto ficaram contrariados frente ao número de lisboetas convocados para a partida. O jogo foi contra a Espanha, no dia 18 de setembro de 1921. Nela, contou com apenas um atleta que não era da capital portuguesa, e o placar foi de 3 a 1 para os espanhóis.

Os primeiros anos da seleção de Portugal não foram bons. A primeira vitória veio apenas em 1925, contra a Itália, sob o placar mínimo de 1 a 0. Em partidas oficiais o número é ainda pior. Os portugueses colecionaram fracassos diante de seus rivais, e quase sempre sem gerar nenhuma ameaça. Assim, foi eliminada ainda nas eliminatórias das copas de 1934, 1938, 1950 e 1954.

A primeira vitória em partidas oficiais se deu apenas no ano de 1958 e de novo sobre o selecionado italiano. Mesmo assim a seleção portuguesa não chegou á fase final do mundial, que foi disputada na Suécia e teve a ascensão de um Brasil comandados por um jovem Pelé e Garrincha. E foi apenas em 1965 que veio o primeiro grande êxito em uma disputa de eliminatórias para a Copa do Mundo de 1966, e que aconteceria na Inglaterra.

Já com Eusébio como grande estrela e um dos principais jogadores da Europa, o selecionado também contava com Simões, José Augusto e Coluna –  lendários jogadores portugueses e que já faziam sucesso no Benfica. Eles eliminaram a atual vice-campeã mundial de 1962, Tchecoslováquia.

1966: o ano da estreia de Portugal numa Copa do Mundo

Eusébio, artilheiro da Copa do Mundo de 1966

Eusébio, artilheiro da Copa do Mundo de 1966.

Para chegar em seu primeiro mundial, a “Equipa das Quinas”, como é conhecida a seleção portuguesa no país, ficou em primeiro lugar no Grupo 4 das eliminatórias da UEFA. No grupo estavam a Tchecoslováquia, Romênia e Turquia. Portugal foi soberana em suas partidas e se classificou com sobras ao vencer quatro partidas, empatar uma e sofrer apenas uma derrota – para a Romênia e na última rodada já classificados.

No Mundial da Inglaterra a participação começou muito bem. E nos primeiros confrontos vitórias diante da Hungria (por 3 a 1) e Bulgária (por 3 a 0). Além disso enfrentaram os atuais bicampeões mundiais, a toda poderosa seleção brasileira de Pelé e Garrincha. Vitória por 3 a 1, e uma primeira fase mais do que perfeita e que colocava os portugueses em outro nível dentro da disputa. Nas quartas de final encontraram a outra surpresa da competição e mais uma vitória. Contra a Coréia do Norte um placar elevado de 5 a 3, e que colocava os lusitanos nas semifinais, porém, contra os donos da casa.

Portugal x Inglaterra. Copa 1966

Mário Coluna e Bobby Moore, capitães de Portugal e Inglaterra.

Contra a anfitriã e toda poderosa Inglaterra, a dificuldade já se demonstrava antes do início da partida. Favoritos por atuarem em casa e, também na busca do primeiro titulo mundial, os ingleses levaram a melhor em uma partida equilibrada. Vitória por 2 a 1 e a classificação para a final da competição e, onde se sagrariam campeãs do mundo, contra a Alemanha Ocidental. Já para Portugal restou disputar a terceira colocação contra, e novamente, a União Soviética, que contava com o mítico goleiro Lev Yashin.

Mas contra um craque como Eusébio inspirado, Portugal levou a melhor na prorrogação, por 2 a 1, e garantiu a Portugal a 3ª colocação do Mundial-1966. Esse é, até os dias de hoje, o melhor resultado de uma seleção portuguesa em Copas do Mundo e, sem dúvida, colocou um outro olhar sob a, até então, saco de pancadas seleção de Portugal.

Para muitos fãs e analistas esportivos este foi o melhor elenco que o país já teve. Com uma base advinda do Benfica, o grupo contava com sua grande estrela Eusébio, que foi o artilheiro do mundial com nove gols, e também de jogadores com sucesso e em excelente momentos como José Torres, José Augusto, Antônio Simões e, claro, o capitão Mário Coluna.

1966-1984: Um novo período sem brilho

O período que sucedeu a grande campanha no mundial de 1966 não foi bom para a Equipa das Quinas. O desempenho em competições eliminatórias, que davam vagas para a Copa do Mundo e para a Eurocopa, não foi suficiente para levar Portugal à disputa delas. Em um novo período de seca e de péssima geração, o selecionado conseguiu apenas 18 anos depois voltar a fase final de um grande torneio. Foi na Eurocopa no ano de 1984.

Esse período culminou com a aposentadoria dos craques que fizeram parte da campanha heroica de 1966 e, entre eles e principalmente, Eusébio a grande referência do selecionado português. Porém, a época contou com um pequeno lampejo da Seleção no ano de 1972, em um torneio organizado pela antiga CBD (atual CBF) para celebrar os 150 anos de independência do Brasil.

Nada mais emblemático do que a final da competição ser entre Brasil e Portugal. Os colonizados versus os colonizadores. Mas antes os portugueses venceram Equador, Irã, Chile e Irlanda em seu grupo. Na fase seguinte bateram a arqui-rival brasileira, a Argentina, e ainda empatou com o Uruguai e venceu a União Soviética. Situação que deixou a seleção na primeira colocação, dando direito de disputar á final contra os anfitriões.

Na grande final, um jogo muito disputado, e mesmo o Brasil sem contar com Pelé, aposentado da Seleção Brasileira em 1971, a seleção brasileira ainda contava com boa base do time tri-campeão mundial no México, dois anos antes. Aos 44 minutos do segundo tempo, Jairzinho marcou o derradeiro gol, que sacramentou e deu a vitória para o Brasil.  Era uma vingança pela derrota no mundial de 1966 frente aos portugueses e liderados por Eusébio.

Euro 1984: Primeira vez que a seleção participa de um Campeonato Europeu

A primeira competição na qual Portugal se classificou para uma fase final, depois do mundial de 1966, foi a Euro de 1984. As Quinas conseguiram se classificar nas eliminatórias com uma campanha impecável, onde conseguiram cinco vitórias contra Finlândia, Polônia e União Soviética. O selecionado ficou na primeira colocação de seu grupo, que garantiu uma vaga para aa fase final da competição continental que foi disputada na França.

Em solo francês, os lusitanos caíram no grupo B com os vizinhos e rivais Espanha, além da Romênia e da Alemanha Ocidental. Após dois empates nos primeiros jogos contra alemães e espanhóis, a vitória sobre a Romênia por 1 a 0 classificou Portugal para as semifinais.

Jogadores da seleção portuguesa antes de jogo na Euro 1984

Jogadores da seleção portuguesa antes de jogo na Euro 1984

Nesta fase decisiva um encontro com os anfitriões, a seleção francesa. Esta partida é conhecida como uma das mais emocionantes de Portugal, onde os franceses abriram o placar na primeira etapa e os portugueses empataram aos 29 minutos do segundo tempo, levando a partida para a prorrogação.

Na etapa complementar, Portugal tomou a frente do placar aos 8 minutos do primeiro tempo e colocando a seleção de Portugal muito próximo da grande final. Mas os franceses conseguiram se recuperar e conseguiram a virada em 5 minutos de pane de Portugal. Empataram a partida aos 9 da segunda etapa, para garantir a classificação aos 14. Seleção Francesa que tinha como grande estrela Michel Platini, que levaria a seleção da casa ao seu primeiro título de expressão e dentro de seus domínios, ainda por cima.

A equipe portuguesa contava com um elenco renovado, após um período de pouco sucesso em competições eliminatórias. O elenco tinha como treinador Fernando Cabrita e jogadores como Jaime Pacheco, Fernando Gomes, Fernando Chalana e Jordão – este último grande destaque português na Euro 1984.

Copa do Mundo de 1986: 20 anos depois Portugal volta a participar

A boa campanha que levou as Quinas às semifinais da Eurocopa de 1984 foi repetida nas eliminatórias para o mundial de 1986, que seria disputado no México. Mas o clima dos jogadores e dirigentes não era nada bom, numa situação que resultou no que ficou conhecido como o Escândalo de Saltillo.

20 anos depois da disputa de sua última Copa do Mundo, os desentendimentos entre jogadores de equipes rivais e a estrutura que a federação montou para a preparação do mundial, culminaram para um desempenho muito abaixo do esperado na competição.

Porém, a campanha começou com uma surpreendente vitória sobre a Inglaterra que, apesar de todos os problemas, deu uma dose de esperança para a equipe. Mas nas partidas seguintes derrota para a Polônia e outra para o Marrocos, quando era necessário apenas um empate para se classificar a próxima fase, e que culminou na eliminação de Portugal ainda na primeira fase.

Reconstrução e a famosa “Geração de Ouro”

Frente a todos os escândalos que assolaram a equipe até o mundial de 1986, foi preciso uma reconstrução da estrutura do selecionado português. Assim, a Federação Portuguesa de Futebol passou a valorizar às seleções de base e apostar em jovens jogadores promissores.

Assim, após alguns jogadores serem afastados da seleção principal por conta dos problemas nas últimas competições, as Quinas amargaram período de péssimas campanhas nas competições seguintes.

Mas, foi no mundial de 1989 da categoria sub-20, na época conhecido como Mundial Júnior, a equipe comandada por um também jovem Carlos Queiroz, passou a duras penas pelas eliminatórias e após ainda sofrer uma humilhante goleada de 6 a 0 para a Itália, que acabou nem se classificando. Teve que eliminar o favorito Brasil e ser campeã da categoria ao vencer a Nigéria, na final, em Riad na Arábia Saudita.

Para comprovar esta ascensão dos jovens jogadores portugueses, dois anos depois veio o bicampeonato da Copa do Mundo Sub-20, agora disputado em casa. Os anfitriões não decepcionaram e chegaram novamente à decisão. Contra o Brasil, na grande final veio o único empate e posteriormente a vitória por 4 a 2 , numa disputa por pênaltis. Os elencos das duas conquistas tinham Queiroz no comando e jogadores que anos mais tarde se tornariam grandes nomes do futebol europeu e mundial. Entre eles Luís Figo (principal estrela da geração), João Pinto, Rui Costa, Fernando Couto e Paulo Sousa.

Portugal campeã mundial sub-20 em 1991, com jovens promissores como Luís Figo e Rui Costa

Portugal campeã mundial sub-20 em 1991, com jovens promissores como Luís Figo e Rui Costa

Mesmo com estas jovens estrelas ascendentes, que traziam grande esperança por parte dos torcedores das Quinas, as campanhas seguintes para as principais disputas adultas não foram muito boas. A chamada “Geração de Ouro” não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos. Em um grupo que contou com a Itália (meses depois, vice-campeã da Copa) e Suíça, Portugal ficou em terceiro lugar no grupo e na derradeira partida foi derrotada pelos italianos. Dessa forma, ficaria mais uma vez fora de uma Copa do Mundo.

Para piorar a situação, depois de não conseguir chegar a fase final da Euro-1992 e do Mundial-1994, o treinador bicampeão mundial sub-20, Carlos Queiroz, deixou o comando da seleção principal que havia assumido após as conquistas. O treinador entrou em atrito com a federação do país.

Para a Eurocopa de 1996, António Oliveira assumiu o comando da equipe, que chegou às quartas de final da competição, após empatar com a forte Dinamarca e vencer Turquia e Croácia na primeira fase. Na fase derradeira, foram eliminados pela sensação do torneio, a República Tcheca.

Mesmo com um forte elenco e jogadores renomados, a seleção portuguesa também não conseguiu a classificação para a Copa do Mundo de  1998, que seria disputado na França. Porém, esta foi a última vez que Portugal não disputou uma Copa do Mundo onde, nas eliminatórias, ficou atrás da Alemanha (após polêmica expulsão de Rui Costa na partida entre as seleções) e da Ucrânia.

Euro-2000: Doída derrota nas semifinais para os franceses

A “Geração de Ouro” finalmente começou a apresentar um bom futebol. Mas mesmo assim passou por dificuldades nas eliminatórias para a Euro-2000. A Seleção de Portugal se classificou à fase final do torneio, disputado conjuntamente na Bélgica e Holanda, como o melhor segundo colocado de todos os grupos da fase preliminar.

Na fase de grupos do torneio, a campanha começou com uma virada espetacular contra a Inglaterra, onde perdiam por 2 gols e conseguiram a virada para vencer por 3 a 2. Nas partidas seguintes, venceu a Romênia nos acréscimos do segundo como um gol de Costinha e sem muitos titulares venceu a Alemanha com 3 gols de Sérgio Conceição.

“Geração de Ouro” do futebol português começa a desabrochar na Euro-2000

“Geração de Ouro” do futebol português começa a desabrochar na Euro-2000

Nas quartas de final, as Quinas venceram a Turquia com 2 gols de Nuno Gomes e grande atuação do goleiro e capitão Vítor Baía. Nas semifinais, novamente encontrou seu maior algoz, a França, atual campeão mundial e comandada pelo astro Zinedine Zidane em campo. Portugal até saiu na frente, mas sofreu a virada na prorrogação após pênalti polêmico convertido por Zidane, que sacramentou a vitória francesa com a antiga regra do Gol de Ouro.

Após a partida muita confusão e reclamações dos jogadores portugueses por conta do pênalti, mas nada mudou e o treinador Humberto Coelho deixou o comando técnico da equipe.

Copa do Mundo 2002: Eliminados pela anfitriã Coréia do Sul

Para se classificar ao mundial de 2002, Portugal não perdeu nenhuma partida em seu grupo, inclusive composto pela Holanda que não conseguiu se classificar. Assim, as Quinas conseguiram se classificar diretamente à Copa.

No entanto, o treinador António Oliveira, de volta ao comando, fez escolhas polêmicas para compor a equipe titular no mundial. Preteriu Nuno Gomes, destaque nas eliminatórias, por Pauleta, e Ricardo por Vìtor Baía.

Na primeira partida da fase de grupos, uma derrota por 3 a 2 para a Seleção dos Estados Unidos. No jogo seguinte, ótima vitória de 4 a 0 sobre a Polônia, e todas as fichas para a classificação seriam jogadas contra a Coréia do Sul, uma das sedes ao lado do Japão. Em uma partida com arbitragem muito polêmica, a Coréia venceu e eliminou os portugueses precocemente. Beto e João Pinto foram expulsos, e o segundo posteriormente punido pela FIFA após agredir ao árbitro e complicaram a partida que acabou com o sonho do mundial daquele ano.

A Era Luis Felipe Scolari (2003-2008)

O fracasso em 2002 fez a FPF procurar um novo técnico para sua seleção. Luis Felipe Scolari foi o escolhido para resolver os problemas no elenco e trazer bons resultados, já que acabara de ser campeão do mundo pelo Brasil.

O time base de Felipão no comando português, contava o goleiro Ricardo Pereira, Ricardo Carvalho, Pauleta, Figo, Deco, Maniche, Simão e um jovem e promissor Cristiano Ronaldo. O astro Luís Figo era o capitão da equipe e grande referência da equipe junto com o luso-brasileiro Deco, que se destacou em temporadas anteriores no FC Porto.

Euro-2004: Seleção Portuguesa derrotada na final e em casa

Desde 1999 já se sabia que Portugal seria o país sede da Euro 2004. Assim, com uma ótima geração a equipe não queria fazer feio na competição na qual seria anfitriã. O elenco estava completo, e contava com Pauleta, Deco, Rui Costa, Simão e o jovem Cristiano Ronaldo.

Seleção portuguesa da Euro-2004, com craques como Figo, Cristiano Ronaldo e Deco

Seleção portuguesa da Euro-2004, com craques como Figo, Cristiano Ronaldo e Deco

Na primeira partida decepcionou os torcedores que lotaram o Estádio da Luz contra a Grécia, derrota por 2 a 1. Nas partidas seguintes, vitórias de 2 a 0 sobre a Rússia e 1 a 0 sobre a rival Espanha os levaram à próxima fase.

Nas quartas de final, uma partida memorável contra a Inglaterra, de Lampard e Beckham, o empate de 2 a 2 levou aos pênaltis, onde Ricardo tirou as luvas e defendeu o pênalti decisivo para levar as Quinas às semifinais. Contra a Holanda, um jogo muito disputado terminou com o placar de 2 a 1 para os lusitanos, e novamente jogariam contra a Grécia, agora na grande final.

Seleção portuguesa com craques como Figo, Cristiano Ronaldo e Deco antes de um jogo da Euro 2004

O estilo de jogo grego de se defender mais que atacar deu resultado. Os gregos seguraram a pressão portuguesa e Charisteas marcou de cabeça o único gol da final após cobrança de escanteio. A decepção dos torcedores foi imensa com o vice-campeonato, e ainda mais para uma seleção sem muita tradição no esporte, em casa na capital de Portugal.

Cristiano Ronaldo desolado em campo após a trágica derrota na final da Euro 2004 contra a Grécia

Copa-2006: Derrota para a França na semifinal

O bom momento, apesar de não ganhar a Euro em casa, seguiu com boas apresentações nas eliminatórias do Mundial de 2006, na Alemanha. A campanha invicta e com apenas 2 empates levou a equipe de forma direta para o torneio, onde ficou no grupo de Angola, Irã e México.

Foram 3 vitórias e apenas um gol sofrido na fase de grupos, que os levaram as oitavas de final. Contra a Holanda nesta fase, no jogo que ficou conhecido como “Batalha de Nuremberg”, vitória por 1 a 0 no jogo com maior número de cartões amarelos e vermelhos da história dos mundiais, 16 e 4 respectivamente.

Nas quartas de final, enfrentou a Inglaterra como em 2004 na Euro. E novamente a partida foi para os pênaltis e Portugal repetiu o resultado vencendo por 3 a 1 nos tiros diretos. Nas semifinais, voltando a esta fase depois de 40 anos, e novamente derrotada nela. Desta vez, foram os algozes da França de Zinedine Zidane, autor do gol e grande exibição, que eliminaram a possibilidade de disputar o título mundial.

Figo troca braçadeira de capitão com o Zidane após semifinal da Copa de 2006

Figo troca braçadeira de capitão com o Zidane após semifinal da Copa de 2006

Na disputa de terceiro lugar, o jovem elenco dos anfitriões, a Alemanha, levou a melhor sobre os comandados de Luís Felipe Scolari pelo placar de 3 a 1. Assim, a equipe não repetiu a melhor colocação de sua história em 1966, na geração de Eusébio.

2008-2014: altos e baixos de Portugal

Depois do mundial de 2006, a seleção perdeu alguns nomes importantes de seu elenco, que resolveram se aposentar da seleção. Rui Costa já havia deixado a equipe após a Euro 2004, e depois do mundial Figo decidiu não vestir mais a camisa das Quinas. Em 2010, foi a vez de outro jogador importante se aposentar da Seleção, o luso-brasileiro Deco não mais jogou depois da Copa de 2010.

Porém, mesmo com a saída destas referências, a seleção portuguesa se renovou a altura. Cristiano Ronaldo já despontava como um dos melhores jogadores, e jovens jogadores como Nani, o luso-brasileiro Pepe, João Moutinho, Raul Meireles e a eficaz trivela de Ricardo Quaresma.

Copa do Mundo de 2010, já com Cristiano Ronaldo como protagonista

Copa do Mundo de 2010, já com Cristiano Ronaldo como protagonista

Desta forma, a Seleção de Portugal demorou para engrenar durante esta transição. Mas, na Euro de 2012 disputada na Polônia e na Ucrânia, a equipe chegou às semifinais sendo eliminados pela Espanha nos pênaltis, depois de passar pelo grupo de Alemanha, Holanda e Dinamarca.

Dois anos antes, Portugal também fora eliminado pela Espanha. Depois de passar por uma fase de grupos com o Brasil, Costa do Marfim e Coréia do Norte no mundial de 2010 na África do Sul, os portugueses jogaram contra seus maiores rivais e os viram passar adiante até serem campeões, assim como em 2012 na Euro.

Fernando Santos assume e coloca Portugal em outro patamar

Em 2014, Fernando Santos assume a comissão técnica de Portugal. Com ele vieram as primeiras e maiores conquistas da seleção. Após o fracasso na Copa de 2014 no Brasil, quando cai na primeira fase, o até então treinador Paulo Bento seguiu no cargo até o começo das eliminatórias da Euro 2016, mas não resistiu por muito tempo.

Na renovação iniciada por Bento, Fernando Santos, ao assumir a equipe tinha como principais atletas Cristiano Ronaldo, Rui Patrício, Tiago, Quaresma e Ricardo Carvalho e Fábio Coentrão. O treinador alcançou as maiores glórias da história do país no futebol ao vencer a Eurocopa de 2016 na França e nova competição continental, a Liga das Nações.

Euro-2016: Primeira grande conquista de Portugal!

A Euro-2016 foi o primeiro grande título de Portugal

A Euro-2016 foi o primeiro grande título de Portugal

O primeiro título oficial e de expressão da Seleção de Portugal ocorreu em 2016, no novo formato da fase final do torneio e com mais seleções na disputa. A equipe chegou ao torneio com Cristiano Ronaldo em alta por seu clube, Real Madrid a exemplo das temporadas anteriores. Mas, na primeira fase se classificou na bacia das almas após 3 empates.

Por conta do novo regulamento, que agraciava 4 dos 6 melhores terceiros colocados de cada grupo, Portugal chegou às oitavas de final contra a Croácia, onde levaram a melhor por 1 a 0 na prorrogação. Nas quartas de final, venceu a Polônia nos pênaltis e nas semifinais vitória contra o País de Gales.

Na decisão jogou contra seu maior algoz em outras competições, a França anfitriã da competição. Logo aos 24 minutos de jogo, Cristiano Ronaldo se lesionou e teve que deixar a partida, aumentando o favoritismo da seleção da casa. Cristiano ficou na beira de campo incentivando seus companheiros ao lado do treinador. Na prorrogação, o desconhecido no resto do mundo Éder, que havia acabado de entrar na partida, fez um belo arremate de fora da área que deu o título para Portugal, sua maior conquista da história.

Éder arrematando para marcar o gol na final da Euro 2016 e, posteriormente, comemorando com o restante do time no gol que deu o título a Portugal

Vence a primeira edição da Liga das Nações

Com a intenção de substituir os amistosos em datas FIFA, a UEFA criou uma nova competição no continente, A Liga das Nações. Nela as seleções foram divididas em 4 ligas com 3 ou 4 equipes em cada grupo das ligas, de acordo com seus rankings mundiais. Portugal esteve no grupo e Itália e Polônia, onde levou a melhor sobre os adversários.

Na fase posterior, jogou contra a Suíça no Estádio do Dragão. Na partida semifinal, Cristiano Ronaldo anotou um Hat-trick (3 gols em um jogo), sendo o último gol no final da partida para levar Portugal a uma nova final. Contra a Holanda na decisão, os portugueses foram superiores e viram grande atuação de Rui Patrício, fechando o gol português. Com o gol marcado por Gonzalo Guedes aos 15 minutos do segundo tempo, Portugal e Fernando Santos conquistaram seu segundo título de expressão.

Em 2019, Portugal conquistou a primeira Liga das Nações

Em 2019, Portugal conquistou a primeira Liga das Nações

O título trouxe Portugal para o patamar mais alto do futebol mundial, e com uma nova geração de jogadores que superou as anteriores comandadas por Eusébio e Figo. Jovens como Nelson Semedo, Rubén Neves, o promissor João Felix, Gonzalo Guedes, Bruno Fernandes e Bernardo Silva somaram seus talentos com a maior estrela e capitão Ronaldo.

Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo: 3 craques Bolas de Ouro

Embora Portugal seja um país pequeno e com uma população baixa, é um dos países que mais revela bons jogadores nos últimos anos. Dos grandes jogadores da história do esporte, 3 vieram e se consagraram com a camisa da Equipa das Quinas, Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo.

Todos eles conseguiram se destacar em seus clubes e na seleção, que levaram a glória máxima individual de conquistar a Bola de Ouro. Confira um breve histórico de cada um pelo selecionado.

Eusébio

. Estreou na seleção portuguesa em outubro de 1961

. Disputou 64 partidas e marcou 41 gols

. Na Copa do Mundo de 1966, levou Portugal para as semifinais, quando foram derrotados pela anfitriã, Inglaterra.

Luís Figo

. Estreou na seleção portuguesa em outubro de 1988

. Disputou 127 partidas por Portugal e marcou 32 gols

. Teve como melhor resultado o vice campeonato da Eurocopa, em 2004

Cristiano Ronaldo

. Estreou por Portugal em fevereiro de 2001

. Disputou 165 partidas (até o momento), e é disparado o maior artilheiro da seleção com 101 gols

. Teve como melhor resultado os títulos da Eurocopa de 2016 e da Liga das Nações em 2019

Espanha: a maior rival da seleção portuguesa

Uma das maiores rivalidades de seleções no mundo se dá entre os vizinhos Portugal e Espanha. Historicamente os países possuem uma rixa que vem desde o início da modernidade e antes da formação da geopolítica atual. Assim, o futebol e o confronto entre eles é a cereja do bolo da rivalidade.

O primeiro confronto da história da Seleção Portuguesa foi contra os espanhóis, e ao longo do histórico dos confrontos, os vizinhos costumam levar a melhor contra os portugueses nos principais embates.

Mas em 2004, Portugal venceu os rivais na fase de grupos da Euro para chegar a próxima fase na campanha que terminou com o vice-campeonato. No mundial de 2010 as seleções se enfrentaram nas oitavas de final na África do Sul, e os espanhóis levaram a melhor com um gol polêmico de David Villa, e depois seriam os campões daquela edição. Após a partida, Cristiano Ronaldo deu uma declaração que revelou um mal estar entre os jogadores e a comissão técnica comandada por Carlos Queiroz.

Na Euro de 2012, as esquipes novamente se cruzaram, desta vez nas semifinais. Portugal foi o adversário que deu mais trabalho aos espanhóis e muitos analistas afirmam que os lusitanos foram melhores ao longo do jogo e mereciam a vitória. Porém, na disputa de penalidades a Espanha levou a melhor e foi campeã do torneio no jogo seguinte. Depois da partida, nova declaração de Cristiano Ronaldo teve muita repercussão, o craque apenas declarou às câmeras “injusto, injustiça”.

Após a Euro, os rivais se encontraram em um amistoso realizado no Estádio da Luz em Lisboa, onde os portugueses não tomaram conhecimento dos vizinhos e venceram por 4 a 0. Na Copa de 2018 na Rússia, as equipes fizeram a primeira partida do grupo B, e em uma exibição incrível de Cristiano Ronaldo que marcou os 3 gols da Seleção, o placar terminou em 3 a 3 no último confronto oficial das equipes.

França: a pedra no sapato de Portugal

Apesar da Espanha ser a maior rival de Portugal, muito em função de acontecimentos históricos, a França é uma grande pedra no sapato dos portugueses em diversos confrontos. Na Euro de 1984, disputada em solo francês, uma partida histórica terminou com a vitória francesa na prorrogação.

Na Euro 2000, nova derrota na prorrogação, onde os atuais campões do mundo da época saíram atrás dos portugueses e conseguiram a virada em um pênalti polêmico no tempo extra. Na Copa de 2006, após grande partida de Zidane os franceses derrotaram novamente as Quinas, com o placar de 1 a 0. Mas, a vingança veio em 2016 no melhor estilo, onde Portugal venceu seu primeiro e mais importante título de sua história em pleno Stade de France lotado contra a equipe da casa, com um gol de um herói improvável Eder na prorrogação.

Referências:

https://www.fpf.pt/Institucional/Sobre-a-FPF/Hist%C3%B3ria-FPF
https://pt.wikipedia.org/wiki/Eliminat%C3%B3rias_da_Copa_do_Mundo_FIFA_de_1966
https://www.imortaisdofutebol.com/2013/04/28/selecoes-imortais-portugal-1966/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sele%C3%A7%C3%A3o_Portuguesa_de_Futebol#:~:text=%C3%89%20gerida%20pela%20Federa%C3%A7%C3%A3o%20Portuguesa,It%C3%A1lia%2C%20por%201%2D0.
https://trivela.com.br/portugal-oito-ou-oitenta/
https://www.imortaisdofutebol.com/2013/04/28/selecoes-imortais-portugal-1966/
https://www.fifa.com/worldcup/archive/england1966/matches/
https://trivela.com.br/relembre-a-taca-independencia-a-minicopa-que-reuniu-20-selecoes-em-12-cidades-brasileiras/
https://trivela.com.br/mundiais-sub-20-1989-1991-e-1993/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Europeu_de_Futebol_de_2004
https://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Europeu_de_Futebol_de_2016
https://www.fifa.com/worldcup/archive/germany2006/
https://www.fpf.pt/Jogadores/Jogador/playerId/152729
https://www.fpf.pt/Jogadores/Jogador/playerId/1174042
https://www.fpf.pt/Jogadores/Cristiano-Ronaldo
https://www.uol.com.br/esporte/futebol/campeonatos/eurocopa/ultimas-noticias/2012/06/27/sem-cobrar-penalti-na-decisao-cristiano-ronaldo-se-defende-nao-tive-oportunidade.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *