George Best

Atacante, Ponta-direita
693 Jogos Oficiais
5 Títulos Oficiais
248 Gols Marcados
Capa - George Best
George Best Irlanda do Norte - Belfast
Nascimento 22 de maio de 1946
Falecimento 25 de novembro de 2005
Apelidos Belfast Boy, "Quinto Beatle"
Carreira Início: Manchester United (1963)
Término: Galaxy (1980)
Características Altura: 1,73m
Destro
Posição / Outras posições Atacante , Ponta-direita
Melhor do Mundo/Bola de ouro

1968

UEFA Champions League

1967

Perfil / Estilo do jogador

Um dos jogadores mais habilidosos que já nasceu nas ilhas britânicas, George Best era um gênio dentro de campo. Veloz, driblador, detentor de uma rara visão de jogo, prolífico goleador e com uma ginga incomum para um jogador europeu. Brilhou no Manchester United, onde foi um dos melhores jogadores do mundo na década de 1960 e é ainda hoje o maior ídolo de sua seleção, a Irlanda do Norte. Contudo, sua vida boêmia e cheia de vícios, limitou muito sua carreira e seu potencial.

Categoria de base

Data Clube    
1961-1963 Manchester United    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1963-1974 Manchester United 470 179

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1964-1977 Irlanda do Norte 37 9

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
Manchester United Campeonato Inglês (futura Premier League) 1954-65, 1966-67
Manchester United Supercopa da Inglaterra 1965,1967
Manchester United UEFA Champions League 1967-68

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Ballon d'Or (Melhor do Mundo 1968 Manchester United
Melhor jogador da Inglaterra 1967-68 Manchester United
Dream Team da história do Bola de Ouro - 3o lugar - Ponta Direita 2020 Manchester United, Irlanda do Norte
Hall da Fama do Futebol Inglês 2008 Manchester United

Desempenho

0,36
Média
Gols por jogo
0,23
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
3
Passe
3
Controle de Bola
4
Drible
4
Velocidade
5
Técnica
4
Finalização
4
Condicionamento Físico
4

Biografia

Belfast Boy: George Best como artigo raro no futebol inglês

George Best é uma Lenda do Futebol.

O norte-irlandês George Best foi um dos grandes nomes do futebol mundial, atuando profissionalmente de 1963 até 1984, vivendo a sua fase de ouro no Manchester United, onde jogou por mais de 10 anos.

Entre os títulos coletivos, Best levou uma Champions League, duas Football League First Division, o Campoenato Inglês, além de duas Supercopas da Inglaterra. Como premiações individuais, foram muitas conquistas, com destaque para a Bola de ouro de 1968.  Ao todo, foram 751 jogos oficiais e 262 na carreira do atacante irlandês. A sua vida no futebol poderia ter sido ainda melhor, mas com diversos problemas extracampo, George Best se “limitou”, e mesmo fazendo muita história deixou um gostinho de que ele poderia ir além.

Com um estilo de jogo bem rápido, veloz e driblador, George Best era um artigo raro para o futebol inglês, sendo comparado com o brasileiro Garrincha. Com todo o seu sucesso, ele se tornou em uma grande estrela, sendo chamado de o 5º Beatle.

Sempre alvo de fãs e imprensa, Best assinou diversos contratos para aparecer em mídias como garoto propaganda, se aproveitando do excelente momento que vivia em campo com a camisa do Manchester United, onde desfilou toda a sua qualidade nos gramados ingleses e do resto da Europa.

1963 – 1974: Carreira de George Best no Manchester United

Foram 11 anos defendendo as cores dos Red Devils, camisa no qual sempre honrou e teve momentos marcantes. Ele fez parte da reconstrução do United carinhosamente apelidado de Busby Babies, os “bebês” de Matt Busby, técnico do United, que após encantar o mundo passaram por um terrível acidente aéreo, o desastre de Munique, onde faleceram jogadores, imprensa e membros da comissão técnica.

A sua carreira no Manchester United pode ser dividida em três períodos, indo do início, auge, até o desfecho, que falaremos abaixo.

1963 1965: Início da Carreira: ainda jovem descoberto na Irlanda do Norte pelo Manchester United

Natural de Belfast, na Irlanda do Norte, George Best foi descoberto pelo Manchester United aos 15 anos, quando recebeu indicação de um olheiro local, que acreditou no seu potencial. Com um físico magro e franzino, ele tinha uma extrema velocidade e um domínio de bola de dar inveja, além de uma habilidade incrível para deixar os adversários para trás. Entre 1961 e 1963, jogou nas categorias de base do clube inglês.

No ano de 1963, a estreia nos Reds Devils ocorreu com apenas 17 anos. Ele anotou seis gols em 26 jogos no primeiro ano, e no segundo, atuou em 59 e colocou 14 bolas nas redes, mostrando todo o talento que viria por aí.

1966 1969: George Best transforma o Manchester United em grande potência

Entre os anos de 1966 e 1969, George Best ajudou a transformar o Manchester United na maior potência do Reino Unido e da Europa, juntamente com Bobby Charlton e Denis Law, seu grande amigo pessoal, formando a Holy Trinity, um dos ataques mais letais da história. O curioso é que eles possuem uma estátua na frente do Teatro dos Sonhos, o Old Trafford, que é o estádio da equipe.

No período, Best conquistou com o Manchester United dois Campeonatos Ingleses, duas Supercopas da Inglaterra e uma Champions League, a primeira dos Diabos Vermelhos, conquistada com uma vitória por 4 a 1 diante do Benfica de Eusebio, com direito a um gol de George Best.

1968: George Best ganha a Bola de Ouro

O ano de 1968 foi certamente o mais marcante da história de George Best, pois além da Champions League, onde ele decidiu sendo o melhor jogador do United, também teve diversos títulos individuais. O atacante foi eleito o futebolista inglês do ano, mas a principal premiação foi a Bola de ouro de 1968, que era dada para o melhor jogador europeu da temporada. Tudo isto com apenas 22 anos.

Foram 55 jogos e 22 bolas nas redes, ótimos números para um atacante de beirada, que jogava pelas pontas. Além disso, Best era um verdadeiro líder, e em campo “aprontava” com os defensores adversários, passando por todos como se fosse a coisa mais fácil do mundo.

Dessa forma, o prêmio de melhor jogador Europeu do ano, a Bola de Ouro, foi indiscutível, coroando uma temporada mágica de George Best, uma das maiores da história de um atleta.

1969 – 1974: Decadência de George Best e do Manchester United

Se tornando em um Bad Boy, George Best começou a ser constantemente lembrado por jornais ingleses em polêmicas extracampo, iniciando assim a sua decadência. Não era difícil encontrar o jogador em noites repletas de mulheres e muito álcool, gastando a sua fortuna sem pensar no amanhã.

Com todo o seu problema com o alcoolismo e com sintomas de depressão, a carreira que era meteórica teve uma queda gigantesca, e a regularidade que era comum no craque passou a ser de altos e baixos, alternando jogos bons, já que era um fenômeno, um craque, e outros nem tanto.

O lado sombrio: no United também teve problemas e suspensões

Com todos os problemas fora dos gramados, os mesmos passaram a atrapalhar também em campo, e em 1968 George Best levou seis semanas de suspensão após discutir com um juiz. Mas o talento dele era inegável, e no jogo da volta o atacante marcou seis gols contra o Northampton Town, em duelo que terminou em 8 a 2.

Com os altos e baixos do seu craque, o Manchester United também caiu de rendimento, ficado cinco anos sem assumir a ponta da tabela no Campeonato Inglês. Em 1972, Best chegou a anunciar a sua aposentadora, mas voltou a jogar no próprio United na pré-temporada, até que em 1973 colocou um fim definitivo na história com os Diabos Vermelhos, sendo emprestado no último ano de contrato e não renovando mais.

Ao todo, além dos títulos, George Best atuou em 471 jogos com a camisa do Manchester United, anotando 180 gols, e marcando de vez o seu nome como um dos maiores da história do clube e do futebol mundial.

1975 – 1984: Carreira pós Manchester United

Após 11 anos de Manchester United, George Best se tornou em um andarilho do futebol, passando por 17 clubes. Ele passou pelo Jewish Guild, da África do Sul, onde atuou em apenas cinco jogos e fez um gol.

Em seguida, passou pelo Dunstable Town, da Inglaterra, mas não chegou a estrear, se transferindo para o Stockport do mesmo país, onde fez três jogos e dois gols. Em 1975, passou rapidamente pelo Cork Celtic, da Irlanda, entrando em campo apenas três vezes.

Em 1976, ele foi para os Estados Unidos, na sua primeira passagem pelo LA Aztecs, anotando 15 gols em 24 jogos. Voltando para a Inglaterra, Best jogou no Fulham, atuando em 47 jogos e fazendo 10 gols com atuações de galã, rendendo até convocações para a seleção irlandesa.

Após isso, o jogador decidiu voltar mais uma vez para o Aztecs. Ainda nos no país, passou pelo Lauderdale Strikers e o San Jose Earthquakes. Nos Estados Unidos, o jogador vivia intensas férias, onde jogava, e até ia bem em campo, mas ao mesmo tempo vivia na noite, se perdendo em vícios como o álcool, apostas e mulheres, uma vida que definitivamente não combinava com jogadores que precisavam desempenhar o mais alto nível em campo.

Entre 1980 e 1984, George Best ainda rodou por vários clubes de diferentes países (Hong Kong, Escócia, Estados Unidos, Austrália, Inglaterra e Irlanda do Norte) porém, sempre jogando poucas partidas e se valendo da sua ampla reputação passada de craque.  Até que, em 1984, fez sua última partida pelo Tobermore, da Irlanda do Norte, único clube profissional em que jogou em sua terra natal.

Fim de certa forma melancólico e sem o brilho do início meteórico que teve, e com a sensação de que poderia ter prolongado os seus momentos de glórias no futebol, se não tivesse se perdido em um mundo completamente sombrio.

Carreira de George Best na Seleção da Irlanda do Norte

Na Irlanda do Norte, George Best não era apenas um atleta, mas sim a pessoa mais importante no seu país. Com todo o sucesso, o seu nome é levado em aeroportos de Belfast, a capital da Irlanda do Norte.

A estreia dele com a sua seleção foi em 1964, diante do País de Gales. Com ele, a Irlanda do Norte se classificou para a Copa do Mundo de 1982, onde mesmo longe do seu auge, a população do país fez um verdadeiro clamor popular o pedindo na seleção, nem que fosse para jogar poucos minutos.

Porém, tudo isso foi em vão, pois um dos maiores nomes do futebol, George Best, acabou não participando de nenhuma edição de Copa do Mundo. Ao todo, foram 9 gols anotados pelo seu país com 37 jogos oficiais disputados. Sua última partida pela Irlanda do Norte foi erm 1977, quando sua seleção foi derrotada por 1 a 0 pela Holanda.

Vida após aposentadoria do Futebol

George Best teve dois casamentos e quatro filhos, mas acabou não reconhecendo nenhum como seu. Ele acumulou diversas polêmicas e até uma aparição completamente bêbado na BBC, em 1990, em um debate ao vivo.

Fama, mulheres, carros de luxo, apostas e muitas bebidas. Esse foi o fim que George Best escolheu para si mesmo, sendo uma extensão do que já fazia nos últimos anos de sua carreira, sempre com muitas polêmicas.

O seu final de vida não foi nada satisfatório, já que toda a “badalação” foi cobrada com grandes problemas de saúde. No ano de 2002, ele teve o seu fígado completamente destruído pela cirrose, sendo obrigado a fazer um transplante. Porém, isso não o impediu que seguisse a vida de bebedeiras, sem mostrar preocupação com si mesmo.

O último “brinde” e uma mensagem para as próximas gerações

Em outubro de 2005, George Best teve que ser internado às pressas, sendo levado para o hospital Cromwell, em Londres, com um grave problema nos rins. A sua família e Denis Law, seu grande amigo desde os tempos de Manchester United, estiveram ao seu lado diariamente.

Lá, ele recebeu uma carta de Pelé, que assinou da seguinte forma: “Do segundo melhor jogador de todos os tempos, Pelé”, fazendo alusão que Best foi o melhor da história do futebol.

George Best disse que esse foi o último brinde de sua vida, receber essas palavras simplesmente do rei do futebol. Em 20 de novembro do mesmo ano, Best autorizou que toda a imprensa o fotografasse no hospital em um estado crítico como forma de conscientização, e então o mesmo deixou uma frase emblemática: “Não morram como eu”.

Cinco dias depois, com múltipla falência dos órgãos, o melhor jogador da história da Irlanda do Norte e um dos maiores nomes do Manchester United faleceu aos 59 anos, sendo enterrado ao lado de sua mãe, em sua cidade natal.

Frase de George Best: fama como formulador de pérolas

Com o seu estilo bem irreverente, e muitas vezes polêmico George Best ficou bem famoso por diversas pérolas em suas entrevistas. Ele jamais escondeu o seu gosto por mulheres, bebidas e claro, confusão. Confira algumas frases abaixo!

“Gastei muito dinheiro com bebidas, mulheres bonitas e carros velozes. O resto, desperdicei.”

“Em 1969, eu abandonei o álcool e as mulheres. Foram os piores 20 minutos da minha vida.”

“Pelé me disse que eu era o melhor jogador do mundo. Essa foi a maior homenagem que recebi.”

“Dizem que eu tentei dormir com sete misses mundo. Não é verdade. Foram apenas quatro. As outras três vieram atrás de mim.”

“Nasci com um grande dom que algumas vezes tem um lado destrutivo. Queria superar todo mundo em campo quando jogava e, da mesma maneira, queria superar todo mundo nas minhas saídas noturnas.”

“Ele (David Beckham) não sabe chutar com o pé esquerdo, não sabe cabecear, não sabe fazer faltas e não marca muitos gols. Fora isso, é um bom jogador.”

“Eu parei de beber, mas somente quando estou dormindo.”

“Infelizmente não há antídoto contra o alcoolismo. A bebida foi o único adversário que não consegui superar.”

“Não morram como eu.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.