Serginho Chulapa

Atacante
662 Jogos Oficiais
5 Títulos Oficiais
391 Gols Marcados
Serginho Chulapa é uma Lenda do Futebol.
Serginho ChulapaBrasil - São Paulo
Nascimento 22 de dezembro de 1953
Falecimento -
Apelidos Chulapa
Carreira Inicio: São Paulo (1973)
Término: Atlético Sorocaba (1993)
Características Altura: 1,94m
Destro
Posição / Outras posições Centroavante

Perfil / Estilo do jogador

Um clássico camisa 9, explosivo, brigador e goleador, esse era Serginho Chulapa. Marcava gols na mesma proporção que arrumava confusões, e eram muitos. O canhoto centroavante é até hoje o maior artilheiro na história do São Paulo Futebol Clube, e um dos principais artilheiros também do rival Santos.

Categoria de base

Data Clube    
1970-1973 São Paulo    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1973-1982 São Paulo 399 242
1973 Marília AC 2 2
1983-1984, 1986, 1988 e 1989-1990 Santos 202 104
1985 Corinthians 39 11
1987 Marítimo, Portugal 5 4
1987 e 1991 Portuguesa Santista
1988 Al Moqaweloon-Egito
1989 Malatyaspor-Turquia 8 9
1991-1993 São Caetano 8 12
1993 Atlético Sorocaba

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1979-1982 Brasil 5 2

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
São Paulo Campeonato Paulista 1975, 1980 e 1981
São Paulo Campeonato Brasileiro 1977
Santos Campeonato Paulista 1984

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Artilheiro do Campeonato Paulista 1983 e 1984 Santos
Artilheiro do Campeonato Paulista 1975 e 1977 São Paulo
Artilheiro do Campeonato Brasileiro 1983 São Paulo

Desempenho

0,59
Média
Gols por jogo
0,25
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
5
Passe
2
Controle de Bola
3
Drible
2
Velocidade
3
Técnica
3
Finalização
5
Condicionamento Físico
3

Biografia

Serginho Chulapa: Ídolo por Santos e São Paulo, era um matador nato!

Serginho Chulapa fez história no Santos e no São Paulo

 Serginho Chulapa foi um dos principais atacantes da década de 1970 e 1980 do futebol brasileiro. Com 1,94m de altura, o jogador sempre chamou a atenção pelo seu estilo de jogo, do centroavante clássico, com muita presença de área e faro de gols. Pela altura sua especialidade era as jogadas aéreas, mas pela época que atuou, e pelo seu destaque, era mais do que necessário também ter outros recursos. E Serginho, é claro, tinha! Tanto que ele foi o atacante titular da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1982.

E mais do que isso, durante sua trajetória como profissional, e nos melhores momentos da carreira, foi ídolo por São Paulo e Santos, dois rivais paulistas. Mais do que isso, Serginho Chulapa é, até hoje, o principal artilheiro do Tricolor Paulista, onde marcou 242 gols, e no Santos é o terceiro maior artilheiro do Santos pós-Pelé, ficando atrás apenas de Neymar e Robinho.

Com carreira recheada de gols, títulos e muitas brigas, a origem do apelido do explosivo atacante veio através do narrador Silvio Luiz, que passou a chamar o jogador de Chulapa pelo tamanho do seu pé, já que ele usava chuteiras de número 44.

A infância de Serginho Chulapa

Sérgio Bernardino nasceu do dia 23 de dezembro de 1953, na cidade de São Paulo. Filho do meio do casal Otávio e Laura Bernardino, também teve como irmãos Zé Carlos e Sônia. Aos 12 anos Serginho começou a atuar pelas equipes de várzea da zona norte de São Paulo, e teve passagens por Vasco da Gama e pelo Cruz da Esperança. Segundo ele próprio citou por diversas vezes, o futebol foi a saída para que ele não acabasse no mundo do crime. 

E foi aos 15 anos, em 1968, que ele fez o seu primeiro teste, mas acabou dispensado pela Portuguesa de Desportos. Para ajudar sua família neste período, Serginho começou a trabalhar como entregador de leite e também ajudando sua mãe em uma confecção. No ano de 1970, no bairro Casa Verde, Sérgio participou de uma peneira no juvenil do São Paulo Futebol Clube, agradou aos treinadores que fizeram convite para que o ele passasse a treinar pelo clube. Após três anos na base, ele estreou nos profissionais do Tricolor Paulista em 1973.

1973 – 1982: Serginho Chulapa faz história no SPFC

E foi aos 19 anos que Serginho Chulapa estreou no time profissional do São Paulo, sob o comando do então jovem treinador – que mais tarde viraria uma lenda no próprio clube – Telê Santana. Sua estreia aconteceu no amistoso contra o Bahia, no dia 6 de junho de 1973. Já a sua veia de artilheiro começaria a aparecer apenas quatro dias depois, quando o São Paulo enfrentou o rival Corinthians, e ele anotou o gol de empate por 1 a 1.

Demonstrando grande potencial, mas ainda jovem e sem o espaço no Tricolor, o atacante acabou sendo emprestado para o Marília Atlético Clube, do interior de São Paulo. A estreia de Serginho no time do interior paulista aconteceu no dia 04 de julho de 1973, escalado como ponta-esquerda anotou os dois gols do time na vitória por 2 a 1 sobre o time do Barretos. A passagem pelo time do Marília foi rápida, de seis meses, e Serginho anotou 5 gols em 22 partidas disputadas. 

E foi neste retorno que Serginho passou a ter maior sequência dentro do time são-paulino. Ao lado de nomes como Waldir Peres, Darío Pereyra, Zé Sérgio e Mirandinha, Serginho Chulapa se tornou em um dos pilares de uma das principais equipes da década de 1970, sendo o homem-gol do time. Porém, nem só de gols e títulos viveu o explosivo jogador, que sempre estava disposto a entrar em alguma confusão ou briga nas partidas.

O Campeonato Brasileiro de 1977

Serginho Chulapa foi o artilheiro, mas não disputou a final

E uma das temporadas mais explosivas para o atacante são-paulino foi a de 1977. Mágico dentro de campo, Serginho Chulapa anotou 42 gols em 55 partidas, com uma média de 0.76 gols por confronto. Porém, não foram por estes incríveis números individuais que Chulapa mais se destacou, mas sim o peso destes gols na conquista do primeiro Campeonato Brasileiro pelo time paulista.

Com 15 gols anotados durante toda a competição, Serginho Chulapa foi o artilheiro do São Paulo e o vice-artilheiro do Brasileiro de 1977. Ele ficou atrás apenas de Reinaldo, do Atlético MG, que anotou incríveis 28 gols em toda a competição. Inclusive, o Atlético MG fez a grande final com o Tricolor Paulista.

Dessa forma, o São Paulo avançou na primeira fase em um grupo com Corinthians, América, Internacional e Brasília. Na segunda fase, caiu no grupo de Grêmio, Botafogo/SP, Ponte Preta, Sport Recife e XV de Piracicaba, onde no regulamento apenas o primeiro colocado avançava para as semifinais. Porém, e foi justamente nesta fase que um episódio manchou toda uma brilhante temporada de Serginho Chulapa.

Em um jogo fora de casa, contra o Botafogo de Ribeirão Preto, o São Paulo perdia quando ele anotou o gol de empate aos 45 minutos do segundo tempo. O gol foi anulado, e Serginho, inconformado com o impedimento assinalado acabou dando um bico no bandeirinha, e foi expulso. Ele ainda chegou a atuar na partida de ida das semifinais, mas após julgamento acabou pegando gancho de um ano fora dos gramados. Mesmo sem ele, o Tricolor Paulista eliminou o Operário, e foi campeão Brasileiro de 1977, diante do Atlético Mineiro.

Com a suspensão, Serginho Chulapa, que era cotado para estar na Copa do Mundo de 1978, não foi convocado e perdeu a chance de estrear em copas. Sobre a suspensão e o lance da agressão ele disse em entrevista anos depois.

“Fiz o gol e o bandeirinha anulou. Se eu soubesse que ia tomar um ano, cumpri acho que sete meses, eu tinha dado mais nele. Arrancado a cabeça dele fora se soubesse que um biquinho ia dar um ano. Mas é outra coisa que não tenho arrependimento. Só me arrependo de não ter batido mais nele.”

Serginho Chulapa: Maior artilheiro na história do São Paulo

No Tricolor Paulista, o atacante Serginho Chulapa ficou até a temporada de 1982. Conquistou diversos título pelo Tricolor Paulista como o Campeonato Paulista de 1975, 1980 e 1981, além do Campeonato Brasileiro de 1977. Com a camisa da equipe do Morumbi, ele ainda foi o artilheiro do Campeonato Paulista de 1975 e 1977, anotando 22 e 32 gols, respectivamente. 

Com 242 gols em 399 jogos, Serginho se tornou o maior artilheiro na história do São Paulo Futebol Clube, recorde até hoje que não foi batido, ficando no topo dos principais atacantes do futebol brasileiro de todos os tempos.

1983 – 1984: Goleador Serginho Chulapa vai para o Santos 

Serginho manteve o faro de gol no Santos

O ano era de 1983 quando Serginho Chulapa chegou para sua primeira passagem no Santos Futebol Clube. Esta seria uma passagem vitoriosa e com muitos gols. Já na primeira temporada foram 44 gols em 58 jogos com a camisa 9 do Peixe. No ano seguinte mais 28 gols em 44 partidas, confirmando a fama de artilheiro criada no São Paulo.

E por falar em artilharia, Serginho Chulapa foi o goleador do Campeonato Paulista de 1983 com 22 gols, e do Campeonato Brasileiro do mesmo ano, também com 22 gols. Outra artilharia com a camisa do Santos veio no Campeonato Paulista de 1984, com 16 bolas nas redes. E além do desempenho individual, Serginho também entrou para a história do clube por ser o grande destaque na conquista deste Paulista. Diante do Corinthians, então maior rival do Peixe na época, Chulapa anotou o gol do título na vitória por 1 a 0, no Morumbi, para coroar a temporada.

Após esta conquista, Serginho Chulpa não renovou o seu contrato com o Santos e, curiosamente, acertou com o rival da decisão, o SC Corinthians.

1985: Uma breve passagem pelo Corinthians 

No Corinthians a passagem foi bem apagada

Serginho Chulapa chegou ao Corinthians em um time que prometia. Ele se juntou a nomes como do goleiro Carlos, do zagueiro uruguaio Hugo de León, além de Dunga, Arturzinho e Casagrande. Porém, na equipe corintiana o desempenho não foi como o esperado, com apenas 11 gols em 39 partidas disputadas pelo alvinegro. Mas o grande problema do clube se mostrava como coletivo, que ficou bem abaixo do esperado.

A passagem foi apagada e rápida. Durou apenas 11 meses, e Serginho decidiu “voltar para casa”, e na temporada seguinte retorna ao Santos.

1986 – 1990: Entre idas e vindas no Santos 

Serginho Chulapa decidiu retornar para o Santos Futebol Clube em 1986. E foi a partir desta temporada que ele acumulou idas e vindas no clube praiano, de onde saia para rápidas passagens por outros clubes como o Marítimo de Portugal, a Portuguesa Santista, o Al Moqaweloon do Egito, e o Malatyaspor do futebol turco. E entre essas idas e vindas, ficou na equipe da baixada em 1986, 1988, 1989 e 1990.

E com o Santos, o atacante não conquistou mais títulos, e apesar de não possuir o mesmo desempenho de outros tempos, o faro artilheiro ainda se mantinha, com muitas bolas nas redes.

No total, um dos clássicos “Camisa 9” do Santos anotou 104 gols, se tornando o maior artilheiro da era pós-Pelé, que contava também com outros goleadores como o ponta-esquerda Pepe. Atualmente, Serginho Chulapa foi superado por Robinho e Neymar, mas segue no Top 3 entre os maiores artilheiros desde então.

Os anos como jogador do Santos acabaram por tornar Serginho um torcedor da equipe, deixando para trás o Palmeiras, clube da infância, e o São Paulo, onde recebeu a primeira oportunidade no futebol e virou ídolo. No pós-carreira como jogador profissional, Serginho por diversos anos esteve presente no comando técnico da equipe santista, onde era um auxiliar fixo do clube.

1991 – 1993: Serginho Chulapa da Era pós-Santos e aposentadoria 

Poucos jogos e muitos gols no São Caetano

Após deixar o Santos no ano de 1991, Serginho Chulapa optou por não deixar a Baixada Santista e acabou acertando com a Portuguesa Santista, também em um retorno. Pouco tempo depois seguiu para o São Caetano, onde em oito partidas oficiais anotou incríveis 12 gols. O centroavante acabou ficando marcado no São Caetano por anotar o gol de empate diante do Taquaritinga, na final da Divisão Intermediária Paulista. Esta partida rendeu o vice-campeonato e o acesso ao Azulão.

Já sua aposentadoria aconteceu no ano de 1993, no time do Atlético Sorocaba. Serginho Chulapa encerrou sua carreira aos 39 anos de idade e, em toda a sua carreira anotou 391 gols, em 662 partidas disputadas. Uma média de 0,59 gols por duelo, o que mostra todo o seu faro de artilheiro.

1979 – 1982: Serginho Chulapa na Seleção Brasileira

Na seleção o desempenho não foi como o esperado

Em grande fase no São Paulo, Serginho Chulapa era nome certo para a Copa do Mundo de 1978, até vir a suspensão pela agressão ao bandeirinha no Campeonato Brasileiro, com um ano de suspensão (diminuíram para sete meses) e vendo sua oportunidade de estrear em copa ir para os ares. Já para a Copa do Mundo de 1982, foi convocado para ser o reserva imediato de Careca, mas com a lesão do titular, Chulapa assumiu a titularidade de centroavante da seleção de Telê Santana, Zico, Sócrates, Junior e cia.

Com um futebol de encantar os olhos dos torcedores brasileiros e de todo o mundo, a seleção brasileira de 1982 foi apontada como uma das melhores da história, um símbolo do futebol arte, mas isso não foi suficiente para a equipe de Telê ficar com a conquista. 

Após vencer a Nova Zelândia, Escócia e União Soviética na primeira fase, e eliminar a Argentina vencendo por 3 a 1 em seguida, a seleção verde e amarela acabou eliminada pela Itália de Paolo Rossi. O italiano anotou os três gols da vitória italiana por 3 a 2.

Serginho Chulapa atuou em todas as cinco partidas da Copa do Mundo, anotou dois gols, e sua participação ficou longe do esperado para um artilheiro que fazia a diferença no São Paulo e no futebol brasileiro. Muitos criticaram-no por estar calmo de mais, como se o tivessem amansado para esta competição. Não era o mesmo Serginho Chulapa. Essa foi a sua única Copa do Mundo pela seleção brasileira e, no total de participações, Serginho atuou por 20 partidas e fez 8 gols.

Pós aposentadoria de Serginho Chulapa 

No Santos Chulapa ficou por anos na comissão

Após pendurar as chuteiras, Serginho Chulapa acumulou algumas funções como técnico, técnico interino e auxiliar técnico. Ele começou no Santos mesmo, e teve passagens por Portuguesa Santista, São Caetano, Botafogo/SP, Araçatuba e São Carlense, para depois retornar ao Peixe. Porém, foi no Santos que  Chulapa se encontrou, um clube que costuma colocar ídolos para trabalhar no futebol e com os atletas mais jovens. É um auxiliar fixo do próprio clube, ou seja, não importa quem é o treinador, que o ex-atacante continua no clube.

Polêmicas e brigas de Serginho, dentro e fora do campo 

Serginho Chulapa teve muitas confusões em todo o seu período de jogador e também como técnico ou auxiliar. A mais famosa como atleta profissional foi a já citada no Campeonato Brasileiro de 1977, quando agrediu com um bico o bandeirinha, após o mesmo ter anulado um gol do atacante. Porém, essa foi apenas uma.

Chulapa x Leão: A história do absorvente

Chulapa foi expulso após confusão com Leão

Outra das mais famosas polêmicas do esquentado atacante, aconteceu em em 1981 e foi com outro conhecido jogador que também adorava uma polêmica. Serginho Chulapa teve um conhecido problema com hemorroidas. Orientado pelos médicos que usasse um absorvente íntimo durante os jogos, quando encontrou o Grêmio, de Emerson Leão, na final do Campeonato Brasileiro, o goleiro ficou sabendo e passou a usar isso para provocar Chulapa.

Ao final do confronto, e já com o jogo perdido, Serginho deu uma dura trombada no goleiro, que caiu. Em seguida, fingindo ver como estava Leão, ele aproveitou para dar um leve chute de bico no rosto do adversário. Acabou expulso. Esse lance quase custou a convocação para a Copa do Mundo de 1982, na Espanha.

Troca de socos com um amigo

Em 1983, outro episódio marcante de confusão na carreira de Serginho. Atuando pelo Santos, em um empate contra o Corinthians, Serginho Chulapa saiu literalmente nos socos com o zagueiro Mauro, que era seu amigo. O curioso é que um ano depois o centroavante foi justamente para o Timão.

Como dirigente/membro da comissão técnica no Santos, também teve desentendimentos

No começo da sua vida como treinador, no ano de 1994 e pelo Santos, Serginho Chulapa ainda demonstrava muito da explosividade que tinha dentro dos gtamados. E em duelo contra o rival Corinthians, acabou expulso. Após a partida, durante entrevista coletiva, o ex-atacante se irritou com o jornalista Gilvan Ribeiro, começando uma confusão que terminou com uma cabeçada do gigante sobre Gilva. O técnico acabou demitido pela diretoria santista, mas retornou anos depois.

Outra situação marcante foi entre os anos de 2002 a 2004, quando Serginho Chulapa ficou afastado do Santos FC, já que Emerson Leão, treinador da época do time santista e no qual tinha uma rixa desde os tempos de jogador, preferiu dessa forma. Com a saída de Leão, Chulapa voltou ao clube em 2008. 

Mais recentemente, no ano de 2019, com a passagem do argentino Jorge Sampaoli no comando técnico da equipe, Serginho Chulapa acabou por ficar de fora da comissão, já que Sampaoli trouxe diversas pessoas para trabalhar no clube. Com isso, muitos funcionários mais antigos acabaram por ficar de lado, numa situação que Serginho nunca escondeu, inclusive desdenhando do trabalho e da comissão do argentino.

No programa “Os donos da bola”, comandado pelo Craque Neto, o ex-atacante revelou que teve vontade de “pegar o argentino”, mas que não poderia fazer isso dentro do Santos. Segundo ele, Sampaoli chegou a evitar ele em um encontro na praia, fingindo que não o conhecia. A relação de ambos não foi das melhores, porém, não chegaram às vias de fato.

 

REFERÊNCIAS:

https://www.ogol.com.br/player.php?id=20479

https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2014/08/24/chulapa-e-idolo-de-sp-e-santos-mas-nao-fica-em-cima-do-muro-neste-domingo.htm#:~:text=Centroavante%20da%20sele%C3%A7%C3%A3o%20brasileira%20na,foi%20seu%20time%20de%20cora%C3%A7%C3%A3o.

https://www.transfermarkt.com.br/serginho-chulapa/profil/spieler/135361

https://terceirotempo.uol.com.br/que-fim-levou/serginho-chulapa-2262

https://trivela.com.br/brasil/nos-seus-65-anos-serginho-tem-um-grande-presente-enfim-e-visto-como-gente-boa/#:~:text=Muito%20tempo%20se%20passou.,de%20bom%20humor%20e%20risadas

https://medium.com/universidade-do-esporte/serginho-chulapa-um-artilheiro-indom%C3%A1vel-661cf18c534e

http://www.jornaldamanhamarilia.com.br/exibe.php?id=23424

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *