Corinthians

54 Títulos Oficiais
29.4 Milhões de Torcedores
Sport Club Corinthians PaulistaSão Paulo - Brasil
Fundação 31 de agosto de 1910
Estádio / Capacidade Neo Química Arena / 49.205
Apelidos Timão, Time do Povo, Coringão, Alvinegro
Principais rivais Palmeiras / São Paulo / Santos
Apelido da torcida Fiel Torcida
Mascote Mosqueteiro
Mundial de Clubes

2000

Mundial de Clubes

2012

Libertadores

2012

Títulos conquistados pelo clube

Títulos Mundiais

Competição Títulos Temporada
Mundial de Clubes 2 2000, 2012

Títulos Continentais

Competição Títulos Temporada
Libertadores da América 1 2012

Títulos Nacionais

Competição Títulos Temporada
Campeonato Brasileiro 7 1990 / 1998 / 1999 / 2005 / 2011 / 2015 / 2017
Copa do Brasil 3 1995, 2002, 2009
CAmpeonato Brasileiro Série B 1 2008

Títulos Regionais

Competição Títulos Temporada
Campeonato Paulista 30 1914, 1916, 1922, 1923, 1924, 1928, 1929, 1930, 1937, 1938, 1939, 1941, 1951, 1952, 1954, 1977, 1979, 1982, 1983, 1988, 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2009, 2013, 2017, 2018, 2019
Torneio Rio-São Paulo 5 1950, 1953, 1954, 1966 e 2002

História

1910 – Fundação do Corinthians, o Time do Povo!

Corinthains fundado por trabalhadores.

Em uma época que muitos clubes de outros países, principalmente da Inglaterra, realizavam excursões no Brasil para exibições de partidas de futebol, um dos maiores clubes do Brasil foi fundado. O Sport Club Corinthians Paulista foi fundado inspirado na equipe inglesa Corinthian Football Club (conhecido hoje como Corinthian-Casuals após fusão de dois clubes) que excursionava no ano de 1910 e era conhecido como melhor clube amador da época.

Inspirados com o futebol do clube amador inglês que encantava o mundo e diante de uma onda onde surgiram muitos clubes para a disputada de partidas de futebol, um grupo de operários se reuniu abaixo de um lampião no cruzamento das ruas José Paulino e Cônego Martins, às 20:30 do dia 1 de setembro de 1910 para fundar o Sport Club Corinthians Paulista.

Anselmo Corrêa, Antônio Pereira, Carlos Silva, Joaquim Ambrósio e Raphael Perrone foram os responsáveis pela formação. Junto a mais 8 pessoas realizaram a primeira reunião que nomeou Miguel Battaglia como primeiro presidente do clube, autor da célebre frase “O Corinthians vai ser o time do povo e o povo é quem vai fazer o time”. Battaglia profetizou o mantra que acompanha o clube até os dias atuais, conhecido como o “time do povo”. Multidões estiveram ao lado da equipe recém formada, desde o seu primeiro treinamento após sua fundação.

Símbolo, escudo e cores: significado

Evolução dos escudos do Corinthians.

Nos primeiros anos depois da fundação, o Corinthians não utilizava escudo em sua camisa, mas precisava para a participação de um torneio em 1913, a Liga Paulista. O primeiro escudo era composto apenas das letras “C” e “P” de “Corinthians Paulista”. Com o passar dos anos o símbolo evoluiu e ganhou mais características.

Em 1916, adotou o formato redondo que conhecemos até hoje e em 1919 a bandeira do estado de São Paulo foi incorporada ao fundo das letras “SCCP”. Em 1939 os remos, a âncora e a boia passaram a fazer parte do escudo, após a sede do clube ser mudada para o Parque São Jorge em alusão aos esportes aquáticos nos quais o clube disputava.

Nos anos 1980 alguns detalhes foram modernizados, dando mais vida e movimento ao símbolo e na década de 1990 os títulos mais expressivos se tornaram estrelas acima do escudo, posteriormente retiradas pois todas as conquistas são importantes.

Nos primeiros anos do clube, as cores adotadas eram o creme predominante na camisa com faixas pretas nas mangas e na gola. Mas como o orçamento era baixo, não havia muitas camisas e reposições e conforme as camisas eram lavadas, elas desbotavam até ficarem brancas como conhecemos hoje em dia combinadas com os calções pretos. O clube adotou São Jorge como padroeiro da instituição, por conta da localização geográfica após a mudança em 1928.

1910 – 1939: primeiras décadas do Corinthians

Corinthians em seu primeiro título Paulista

Logo em suas primeiras décadas de existência, o Timão se colocou como um dos clubes mais competitivos de São Paulo. Em 1914 veio o primeiro título de uma história recheada de conquistas do Campeonato Paulista e a dose foi repetida dois anos depois em 1916.

No ano de 1919 os alvinegros venceram a disputa do primeiro Torneio Início de São Paulo. No mesmo ano veio a primeira vitória sobre o adversário que se tornou seu maior rival anos depois, O Palestra Itália que se tornou o Palmeiras de hoje em dia.

A década e 1920 foi muito vitoriosa para o clube, e começou com o bicampeonato do Torneio Início e um tricampeonato paulista de 1922 até 1924. Ao final do período, o Timão foi tricampeão paulista novamente de 1928 até 1930, e já contava com o Parque São Jorge que abrigava o clube o campo de jogo do clube. Em 10 torneios disputados foram seis conquistas que renderam o apelido de “Campeão dos campeões” que posteriormente foi inserido no hino oficial.

Na década seguinte, de 1930, o alvinegro conheceu um dos maiores artilheiros de sua história, o paraense Teleco. O centroavante foi muito importante no período que defendeu o Timão e foi protagonista do tricampeonato paulista de 1937 à 1939.

1940 – 1953 – Pacaembu se torna a casa do Corinthians e surgem novos ídolos

Pacamenu foi a casa do Corinthians até 2014, quando foi construída a Arena.

Em 1940 o Corinthians inaugurou o Pacaembu, palco que se tornou uma casa para o clube e seus fiéis torcedores. Nesta década o Corinthians conquistou apenas um Campeonato Paulista, mas venceu a Taça Cidade de São Paulo em três oportunidades.

Os anos 1950 começaram muito promissores para o Timão, e no elenco que já contava com ídolos como Luizinho, Baltazar e Cláudio (maior artilheiro da história do clube), o clube venceu seu primeiro torneio Rio-São Paulo no primeiro ano da nova década. Até o ano de 1954, o clube ganhou mais dois Rio-São Paulo e dois Paulistas. O time parecia imparável, mas nos anos seguintes as conquistaram deram um longo tempo.

1954 – 1977: seca de 23 anos sem títulos

O período entre os anos de 1954 e 1977 foram muito duros para os torcedores corinthianos. O clube passou por algumas dificuldades dentro de campo, embora tenham passado jogadores que se destacaram muito com a camisa do clube e tiveram seus nomes gravados na história.

Apesar de poucos títulos, houve grandes ídolos

Luizinho retornou à equipe, mas nessa passagem não teve o mesmo brilho dos anos anteriores. O grande craque, e um dos maiores jogadores da história, Garrincha também vestiu o manto alvinegro. Porém, as seguidas contusões não o deixaram apresentar nem sombra do futebol que o consagrou mundialmente.

Rivellino ídolo do Corinthians.

O grande nome do Timão no período foi Roberto Rivelino. O “Reizinho do Parque” além de ser um dos melhores jogadores de sua geração teve papel fundamental na conquista do tricampeonato mundial com a Seleção Brasileira. Mas no alvinegro, suas atuações não foram o suficiente para tirar o Corinthians da fila de títulos.

Outro grande ídolo da Fiel torcida chegou ao clube nesta fase difícil. O lateral Zé Maria, também campeão com a Seleção em 1970, ficou por muitos anos no Parque São Jorge e teve seu nome gravado na memória da instituição.

Eleição do icônico Vicente Matheus e tabu frente ao Santos de Pelé

Vicente Matheus, iconico presidente do clube.

Durante a seca de títulos, o Corinthians obteve uma marca negativa frente a um de seus maiores rivais. Ficou 11 anos sem vencer o Santos e se tornou uma das maiores vítimas de Pelé, que marcava gols em quase todas as partidas contra o Timão. O tabu foi quebrado em 1968 com uma vitória de 2 a 0 no Pacaembu. Em 1959, Vicente Matheus foi eleito presidente do clube, no qual ficou no cargo por oito mandatos e se tornou um dos mais emblemáticos cartolas do futebol, além de se imortalizar com frases marcantes.

Em 1974 o clube voltou a disputar uma final de Campeonato Paulista depois de 17 anos ausente. A derrota para o Palmeiras na decisão culminou com a saída de Rivelino para o Fluminense. Em 1975, outro ídolo chegou à equipe, Basílio o “Pé-de-Anjo” chegou no final do período mais duro do Corinthians e logo se tornaria um imortal no Parque São Jorge.

Nos anos seguintes o clube se aproximava cada vez mais de conquistas, mas na hora de decidir os títulos o time falhava. Mesmo assim, durante todo o período de seca o Corinthians viu sua torcida crescer cada vez mais e se tornar uma das mais apaixonadas por um clube no país. Também, protagonizou momentos marcantes como a invasão no Maracanã em 1976, um ano antes da quebra do jejum.

1976 – A Invasão Corinthiana no Maracanã

Invasão corinthiana em semi final do Brasileirão 1976.

No ano de 1976, o Corinthians chegou perto de quebrar o jejum de títulos que incomodava muito a todos envolvidos com a equipe do Parque São Jorge. Nas semifinais do Campeonato Brasileiro do ano, o alvinegro enfrentou o Fluminense e a fiel torcida protagonizou o confronto.

No jogo de volta no Rio de Janeiro, disputado no Maracanã, estima-se que cerca de 80 mil torcedores peregrinaram de São Paulo para dividir as arquibancadas com os cariocas. A “Invasão Corinthiana” é sempre lembrada na história do clube e em documentários que relatam a viajem feita pela torcida. Jogadores da época dizem que se sentiram jogando em São Paulo, tamanho o apoio que receberam de seus torcedores.

O clube passou pelos Fluminense nos pênaltis para a grande final contra o Internacional de Porto Alegre. Mas, os colorados levaram a melhor e aumentaram em mais um ano o sofrimento da fiel. Porém o fato mais marcante desta edição do Brasileiro foi a Invasão feita pelos corinthianos no Rio.

1977 – O fim da seca do Corinthians

Bailiio marcou gol que encerrou jejum do Corinthians.

A seca de títulos finalmente chegou ao fim em 1977, depois de bater na trave em anos anteriores com times competitivos, a fiel finalmente soltou o grito de “é campeão” depois de 23 anos.

A conquista veio no Campeonato Paulista, e até hoje é considerado uma das conquistas mais importantes do clube. A final foi realizada em 3 jogos contra a Ponte Preta de Campinas. Na primeira partida, o Timão venceu por 1 a 0 com um gol do atacante Palhinha, mas os campineiros venceram a partida seguinte por 2 a 1 forçando uma derradeira partida.

Na terceira partida os nervos estavam a flor da pele, e a Ponte viu seu atacante Ruy Rey ser expulso após discutir com o árbitro. Em meio à polêmica expulsão que levantou dúvidas sobre o jogador que foi contratado no ano seguinte por Vicente Matheus, o Corinthians seguiu pressionando atrás do gol que tiraria o clube da fila de conquistas.

O gol veio aos 37 minutos do segundo tempo com o volante Basílio, com a cara do torcedor corinthiano. O gol feito de maneira sofrida é considerado o mais importante da história do clube em algumas enquetes e deu a vitória e fim da seca para os alvinegros após 23 anos.

1978 – 1989: a volta das conquistas e a Democracia Corintiana

Corinthians teve em Sócrates icone da democracia corinthiana.

Após o fim do jejum de conquistas, o clube voltou a sua sina de vencer campeonatos estaduais, e de quebra protagonizou uma das maiores práticas de liberdade do esporte com a Democracia Corinthiana, em um país que vivia uma ditadura militar.

Neste período, estiveram no clube, jogadores dos mais importantes da história do Corinthians, como Sócrates, Wladimir, Zé Maria, Biro-Biro, Casagrande, Zenon, Ataliba, Emerson Leão e Viola. Embora o elenco teve grandes craques, o clube não teve conquistas de âmbito nacional e se contentou com quatro títulos do Campeonato Paulista nos anos de 1979, 1982, 1983 e 1988.

O que teve mais destaque em todo o período, além do futebol de qualidade liderado por Sócrates, foi sem dúvidas, a Democracia Corinthiana. A prática tinha como fundamento demonstrar que todos envolvidos no elenco tinham o mesmo poder de decisão e foi muito importante para o movimento da Diretas Já, que buscava a redemocratização do país.

1990 – 1999: consagração nacional do Corinthians e títulos pelo Brasil

Os anos 1990 colocaram de vez o Corinthians no mais alto patamar do futebol brasileiro. Um time que estava acostumado a vencer muitos campeonatos estaduais e regionais finalmente conseguiu se colocar no topo do país.

As conquistas nacionais começaram em 1990, com o Campeonato Brasileiro. Além disso, muitos craques vestiram o manto alvinegro na década, que teve alguns altos e baixos, mas o saldo dos anos foi positivo para o clube. Neto, Tupãzinho, Marcelinho Carioca, Ricardinho, Ronaldo Giovanelli, Vampeta, Amaral, Dida, Mirandinha, Gamarra, Elivélton se destacaram muito nas principais conquistas.

Além destes nomes que venceram campeonatos pelo Timão, outros grandes jogadores do futebol brasileiro estiveram no clube. Mas apesar de consagrados, não tiveram grande destaque no clube, embora tenham marcado muitos gols. São os casos de Edmundo e Túlio Maravilha, que chegaram com status de estrelas mundiais no clube, mas não se tornaram ídolos da exigente fiel.

1990: primeiro campeonato brasileiro do Corinthians

Corinthians conquista seu primeiro titulo brasileiro.

A primeira conquista de Campeonato Brasileiro do Timão veio em 1990, em um time que tinha Neto como seu maior astro e protagonista da equipe. O torneio teve 20 clubes entre os participantes da primeira divisão, e foi dividido em duas fases antes das fases decisivas.

O Corinthians não fez um campeonato brilhante, mas com seu time aguerrido ficou em segundo lugar de seu grupo na primeira fase, e mesmo com a nona posição do grupo na fase seguinte, se classificou aos duelos eliminatórios, somando a campanha das duas fases.

Nas quartas de final, o Timão eliminou o Atlético Mineiro com uma vitória e um empate, mesmos resultados das semifinais contra o Bahia. Neto foi o grande destaque de ambos os confrontos marcando 3 gols. Na grande final, o Corinthians encontrou seu rival local, o São Paulo.

Nos dois clássicos, conhecido como “Majestoso”, o Corinthians venceu por 1 a 0, sendo no primeiro com um gol do polivalente Wilson Mano. No segundo, o gol do talismã Tupãzinho de carrinho sacramentou a conquista nacional do alvinegro, encerrando um tabu de títulos nacionais.

1995: primeira Copa do Brasil do Corinthians

Corinthians vence a primeira Copa do Brasil.

O ano de 1995 foi muito especial para a torcida corinthiana, o elenco comandado por Marcelinho Carioca e Viola conseguiu duas conquistas importantes para o clube. O clube venceu sua primeira Copa do Brasil neste ano e derrotou o poderoso elenco do Palmeiras na final do estadual.

Na Copa do Brasil, iniciou a trajetória derrotando o Operário Várzea-Grandense do Mato Grosso, depois passou pelo Rio Branco do Acre, Paraná Clube e o Vasco da Gama para enfrentar o Grêmio de Porto Alegre na final. Com duas vitórias sobre os gaúchos, o clube foi campeão pela primeira vez do torneio.

No Campeonato Paulista, o clube não foi muito bem na primeira fase, mas mesmo assim conseguiu passar à segunda fase com o sexto lugar. Na fase seguinte ficou em primeiro de seu grupo e se classificou à final contra o arquirrival, Palmeiras.

O Palmeiras contava com um elenco recheado de estrelas, oriundos de uma parceria com a Parmalat que injetou muito dinheiro no clube. O Corinthians era o azarão, e após o empate no primeiro jogo, o alvinegro venceu a segunda partida após um chute de fora da área de Elivélton na prorrogação.

1998 – 1999: bicampeonato Brasileiro do Corinthians

Corinthians conquista segundo titulo brasileiro.

O Corinthians contou com algumas parcerias que o ajudaram a investir em jogadores de peso para comporem o elenco. Com o banco Excel Econômico e a Hicks Muse o Timão montou times muito fortes que ajudaram o clube a conquistar dois Brasileiros em sequência e campeonatos estaduais.

Jogadores como Dida, Rincón, Ricardinho, Amaral, Edílson, Luizão, Sylvinho e Gilmar Fubá, além do ídolo Marcelinho, fizeram parte do elenco que esteve pelo menos em uma das conquistas nacionais em sequência. Em 1998 depois de liderar a primeira fase, eliminou o Grêmio e o Santos em 3 jogos cada para conquistar o troféu diante do Cruzeiro, também em 3 jogos. Foram dois empates e uma vitória no Morumbi contra os mineiros que deram o segundo Brasileiro ao Timão.

Em 1999, novamente liderou a primeira fase e nas fases seguintes venceu o Guarani, e posteriormente o São Paulo em um confronto épico, onde Dida pegou 2 pênaltis de Raí na segunda partida. Na final, após perder a primeira partida em Belo Horizonte contra o Atlético Mineiro, venceu a segunda e empatou a terceira no Morumbi. O clube conquistou seu terceiro Brasileiro.

2000 – 2010: do topo do mundo até a Série B e o recomeço

Os anos 2000 não poderiam começar melhores para o Corinthians, logo em janeiro o time participou da primeira Copa do Mundo de Clubes organizada pela FIFA. Os participantes da competição foram definidos a partir dos campeonatos continentais de clubes do planeta, e o Timão conseguiu a vaga como país sede.

2000: Corinthians campeão Mundial e desmanche

Corinthian vence seu primeiro mundial.

Na fase de grupos a equipe venceu o Raja Casablanca do Marrocos, empatou contra o poderoso Real Madrid em um jogo épico e golaço de Edílson, e venceu o AL Nassr da Arábia Saudita. Por conta de uma combinação de resultados, o alvinegro ficou em primeiro lugar de seu grupo e chegou à final contra o Vasco da Gama. Nos pênaltis, os paulistas venceram os cariocas após Edmundo chutar para fora a última cobrança.

Depois de conquistar o Mundial, o Corinthians sofreu um grande desmanche em seu elenco, e terminou a Copa João Havelange, equivalente ao brasileiro daquele ano, em penúltimo lugar e não foi rebaixado devido ao regulamento da competição.

2001 – Apesar do desmanche, grandes resultados

Em 2001, o alvinegro paulista voltou a ganhar o Campeonato Paulista e deixou para trás a fase ruim. Depois de eliminar Santos no último lance do jogo nas semifinais o clube ergueu o troféu contra o Botafogo de Ribeirão Preto.

Em 2002 a equipe comandada pelo técnico Carlos Alberto Parreira encantou com seu futebol. Uma equipe que priorizava a posse de bola quase conquistou a tríplice coroa, ao vencer o torneio Rio-São Paulo e a Copa do Brasil sobre o São Paulo e o Brasiliense respectivamente. Mas no Campeonato Brasileiro, o clube acabou derrotado pelo Santos. Gil, Deivid Fábio Luciano e Rogério eram os destaques do time que quase venceram tudo o que disputaram no ano.

2005: o Corinthians galáctico

Ao final do ano de 2004, onde o Corinthians não realizou uma boa campanha nos campeonatos daquele ano, uma nova parceria foi anunciada. A MSI chegou para investir muito dinheiro e ganhar projeção mundial usando o Timão de ponte. O primeiro presente foi a contratação do jovem craque argentino Carlos Tevez, destaque do Boca Juniors.

Além do argentino chegaram outros jogadores de nome, como o goleiro Fábio Costa, Gustavo Nery, Carlos Alberto, Roger Flores e Nilmar. O time demorou para engrenar e viu Tite e Daniel Passarella caírem no comando técnico depois de campanhas fracas no Paulista e na Copa do Brasil.

Corinthians vence seu 4º Brasileirão.

No Brasileirão, o clube finalmente desempenhou tudo o que se esperava dele, e liderou a maior parte do torneio com direito a uma goleada acachapante sobre o Santos. Em meio a um escândalo envolvendo arbitragem e loterias, algumas partidas suspeitas de manipulação foram realizadas novamente, mas isso não tirou o Corinthians do topo. Na partida contra o segundo colocado o Internacional no Pacaembu, uma decisão polêmica do árbitro Márcio Rezende de Freitas expulsou Tinga do colorado por simulação. Mas, o meia do time gaúcho foi tocado com clareza pelo goleiro Fábio Costa e o placar de 1 a 1 ajudou o alvinegro a conquistar o quarto título brasileiro.

2007 – 2010: a queda e o renascimento do Corinthians

A parceria com a MSI foi rompida devido alguns escândalos e suspeitas de lavagem de dinheiro da empresa, e com isso as estrelas dos anos anteriores deixaram a equipe. Assim, no Campeonato Brasileiro de 2007 o elenco fraco e escândalos na diretoria que derrubaram Alberto Dualib da presidência, desencadearam o rebaixamento do clube para a Série B após péssima campanha.

Em 2008, após Andrés Sanchez ser eleito presidente do clube, uma reformulação do elenco foi feita, e chegaram o técnico Mano Menezes e os jogadores Felipe, Chicão, William, Alessandro, André Santos, Douglas, Herrera, Elias e outros nomes. O time se encaixou rapidamente, e apesar de não ir longe no Paulista, foi vice-campeão da Copa do Brasil e Conquistou o título da Série B para retornar à primeira divisão, com rodadas de antecedência.

Corinthians tricampeão da Copa do Brasil.

O ano de 2009 começou “fenomenal” para a fiel torcida. O adjetivo anterior faz referência à chegada de Ronaldo Nazário, conhecido como Fenômeno, para atuar no clube após outra grave lesão em sua carreira. Mesmo acima do peso em grande parte de sua passagem pela equipe, o craque foi o protagonista das conquistas do Paulista e da Copa do Brasil em2009 e da boa campanha no Brasileiro de 2010, ao lado de Roberto Carlos o lendário lateral esquerdo do país e do polivalente Jorge Henrique.

2011 – 2018: década vitoriosa e conquista da América e do mundo

A década começou com o Corinthians de volta aos protagonistas do futebol brasileiro e se mantendo constante na disputa da Libertadores da América, título que faltava na sala de troféus do clube. Passaram muitos jogadores importantes que marcaram seus nomes na instituição e muitas conquistas relevantes marcaram o período.

2011 – 2014: a era Tite e a América preto e branca

O técnico Tite chegou ao Corinthians para sua segunda passagem no clube em 2010. Mas em 2011, o clube foi eliminado na fase preliminar da Libertadores, forçando Ronaldo a se aposentar e Roberto Carlos deixar o clube. Mesmo assim, a diretoria manteve o técnico que montou um ótimo time para conquistar o Campeonato Brasileiro do ano.

O clube trouxe Liédson, que já havia vestido a camisa alvinegra anos antes, para ser o grande destaque apesar da desconfiança no jogador. Jogadores como Danilo, Paulinho, Alex, Ralf, Jorge Henrique e Emerson Sheik foram fundamentais para o elenco que terminou com o quinto título nacional. Além deles, a chegada de Adriano, o Imperador fez barulho no Parque São Jorge. Mas acima do peso o craque pouco atuou, embora tenha marcado um gol fundamental para a conquista do título nas últimas rodadas contra o Atlético Mineiro.

2012: Corinthians conquista a Libertadores

Corinthians conquista asua primeira Libertadores.

Na temporada de 2012, o elenco se manteve e o time comandado por Tite finalmente soltou o grito de campeão da América. Em uma campanha irretocável, com atuações de gala de Paulinho, Emerson Sheik e do goleiro Cássio que ganhou a posição no decorrer da campanha, o clube, de maneira invicta venceu o torneio mais cobiçado pelos corinthianos.

Contra o Vasco nas quartas de final, Cássio fez uma defesa após ver Diego Souza cruzar o campo sozinho e pegar com a ponta dos dedos o duelo contra o adversário. No fim da partida, Paulinho definiu o confronto com um gol de cabeça. Nas semifinais o Corinthians eliminou o Santos de Neymar após vencer na Vila Belmiro com um golaço de Sheik e posteriormente empatar no Pacaembu.

No jogo de ida da  decisão  o Corinthians empatou em 1 a 1 com o Boca Juniors na mítica La Bombonera, com direito a gol de Romarinho que havia saído do banco. Na partida de volta, Emerson Sheik marcou dois tentos e ficou marcado também por ter dado uma mordida na mão do zagueiro argentino Caruzzo. Com o 2 a 0, o Corinthians conquistou a América pela primeira vez.

2012: Corinthians é campeão do mundo mais uma vez

Segundo mundial do Corinthians, conquistado no Japão.

No final de 2012 o Timão disputou o Mundial de Clubes por conta da conquista da América. O torneio disputado no Japão atraiu milhares de corinthianos no oriente, fazendo uma alusão a invasão do Maracanã em 1976. Com quase 40 mil torcedores nos jogos, o alvinegro venceu o Al-Ahly do Egito com gol de Paolo Guerrero, recém chegado à equipe para a disputa do Mundial.

Na grande final, estava o campeão europeu, o Chelsea recheado de estrelas. Os ingleses pressionaram desde o início e obrigaram Cássio a realizar defesas praticamente impossíveis. O Timão jogou de igual para igual, e pressionou o Chelsea até conseguir marcar seu gol. De forma chorada, como os torcedores gostam de falar “com a cara do Corinthians”, Paolo Guerrero empurrou para o fundo das redes de cabeça após rebote no chute de Danilo. Foi a última conquista brasileira do torneio e Cássio foi eleito o melhor jogador da competição, onde o Corinthians se tornou bicampeão mundial.

No ano de 2013, Tite e o elenco receberam Alexandre Pato no elenco, em uma contratação cheia de expectativas e milionária. Mas o jovem não correspondeu ao esperado em sua passagem no clube, embora tenha sido campeão Paulista no ano que chegou e da Recopa Sul-Americana em cima do rival São Paulo.

2014 – 2018: hepta brasileiro e o tricampeonato Paulista

Corinthains no hexa do Brasileirão

No ano de 2014, o clube anunciou que Tite não seguiria no comando e trouxe um velho conhecido, Mano Menezes. O treinador que reconstruiu o clube em 2008 não teve o mesmo sucesso da passagem anterior, mas conseguiu terminar o brasileiro na quarta colocação. Alguns jogadores badalados supriram as expectativas e atuaram bem, como Jadson (trocado por Alexandre Pato com o São Paulo) e Renato Augusto.

Na mesma temporada chegou um jogador muito polivalente, o paraguaio Ángel Romero. Para o ano de 2015, Mano Menezes não seguiu no comando e o clube anunciou a volta de Tite, que em sua terceira passagem mostrou que ainda tinha muito a oferecer. No Brasileiro, o alvinegro realizou uma ótima campanha com Jadson e Renato Augusto se destacando no elenco e Vágner Love sendo o goleador da equipe.

O sexto título foi confirmado em São Januário contra o Vasco, e comemorado em casa, na Arena Corinthians, construída para a realização do Mundial de 2014 no país. O jogo da comemoração foi uma goleada acachapante do time reserva contra o São Paulo, com atuação de gala de Romero.

2016 – 2017 – Transição do comando de Tite para Fábio Carille e mais um brasileiro

Corinthians hepta-campeão brasieliro

O técnico Tite deixou o Corinthians para assumir a Seleção Brasileira em 2016, a exemplo de Parreira em 2002 e Mano em 2010. Com isso o clube viu o auxiliar Fábio Carille assumir de forma definita a equipe. Carille era adepto de um esquema de jogo muito defensivo, mas com bons jogadores e muita raça conseguiu vencer o Paulista de 2017.

No mesmo ano, após um primeiro turno irretocável e ver o time cair de rendimento no segundo, o Timão venceu seu sétimo Campeonato Brasileiro. A cria da base Jô foi o grande artilheiro, ele que havia sido campeão nacional em 2005 também ainda jovem. Gabriel, Jadson, Danilo, Romero e Rodriguinho também foram destaques da conquista.

Nos dois anos seguintes, o Corinthians não foi longe nas disputas da Libertadores, e foi vice-campeão da Copa do Brasil de 2018 com Jair Ventura no comando técnico, uma vez que Carille havia aceitado uma proposta de um time árabe. Antes disso o treinador venceu novamente o Paulista de 2018. Para 2019, o treinador retornou e conquistou o tricampeonato Paulista, mas não foi além em outras competições e acabou saindo do cargo.

 

Referências:

https://www.corinthians.com.br/clube/historia

https://www.corinthians.com.br/noticias/encontro-entre-os-dois-corinthians-chega-ao-streaming

https://www.corinthians.com.br/clube/identidade

https://pt.wikipedia.org/wiki/Corinthian_Football_Club

https://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Paulista_de_Futebol_de_1977

https://trivela.com.br/brasil/campeonato-brasileiro/titulo-brasileiro-de-1990-foi-a-libertadores-de-toda-uma-geracao/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Brasil_de_Futebol_de_1995

https://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Paulista_de_Futebol_de_1995

Maiores técnicos do clube

Maiores artilheiros do clube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *