Andrea Pirlo

Meio campista, Volante
872 Jogos Oficiais
18 Títulos Oficiais
86 Gols Marcados
Andrea Pirlo Itália - Flero - Brescia
Nascimento 18 de maio de 1979
Falecimento -
Apelidos Maestro
Carreira Início: (1995) Brescia
Término: (2017) New York City
Características Altura: 1, 77 m
Destro
Posição / Outras posições Meio-campista / Volante / Meia-atacante
Copa do Mundo

2006

Mundial de Clubes

2007

UEFA Champions League

2002-03, 2006-07

Perfil / Estilo do jogador

Um maestro e dono do meio-campo, Andrea Pirlo era capaz de atuar em mais de uma função nesse setor, se destacando ainda mais como meio-campista central e volante. Essa segunda função, o meia adquiriu nos tempos de Milan, sendo reconhecido como um regista, posição famosa no futebol italiano, onde o jogador é incumbido de estar à frente da zaga para começar as jogadas. Foi dessa forma em que ele fez sucesso, sendo um prefeito líder em assistências e um exímio finalizador. Seu poder de finalização era tão notável, que o craque também se destacou por ser um excelente cobrador de faltas.

Categoria de base

Data Clube    
1985-1992 Flero    
1992-1995 Brescia    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1995–1998 / 2001 Brescia 59 6
1998-2001 Inter de Milão 40 0
1999-2000 Reggina 28 6
2001-2011 Milan 401 41
2011–2015 Juventus 164 19
2015-2017 New York City 66 1

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
2002-2015 Itália 116 13

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
Brescia Campeonato Italiano - série B 1996-97
Milan Copa Itália 2002-03
Milan Campeonato Italiano 2003-04, 2010-11
Milan Supercopa da Itália 2004
Milan Liga dos Campeões 2003-04, 2006-07
Milan Supercopa Europeia 2004, 2007
Milan Mundial de Clubes 2007
Juventus Campeonato Italiano 2011–12, 2012–13, 2013–14, 2014–15
Juventus Supercopa da Itália 2014-15
Juventus Copa Itália 2014–15

Conquistas pela Seleção

Título Ano
Copa do Mundo 2006

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Melhor Jogador do Campeonato Italiano 2011-12, 2012-13, 2013-14 Juventus
FIFA World Cup : time de estrelas 2006 Seleção Italiana
Bola de Bronze da Copa do Mundo 2006 Seleção Italiana
Melhor provedor de assistência da Copa do Mundo 2006 Seleção Italiana
FIFPro World XI 2006 Seleção Italiana / Milan
Equipe da temporada da UEFA Chmapions League 2013-14, 2014-15 Juventus
All-Star da Major League Soccer 2016 New York City
Hall da Fama do Futebol Italiano 2019
Bola de Ouro Dream Team - segundo esquadrão 2020

Desempenho

0,986
Média
Gols por jogo
0,81
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
3
Passe
5
Controle de Bola
5
Drible
3
Velocidade
3
Técnica
5
Finalização
4
Condicionamento Físico
3
Fundamentos Defensivos
3

Biografia

Andrea Pirlo: Maestro em campo e um dos melhores volantes da história

Andrea Pirlo, um dos maiores meias do futebol mundial.

Altamente técnico e dono do meio-campo, Andrea Pirlo é considerado um dos melhores meio-campistas da história do futebol. Começou a carreira como meia-armador, mas logo foi recuado para volante em seus tempos de Milan, sob o comando de Carlo Ancelotti. Apesar de dominar as duas funções com maestria por conta de sua qualidade de passe, o meia obteve ainda mais sucesso atuando como volante.

Como se não bastasse, Pirlo ainda era um exímio batedor de faltas, tendo Juninho Pernambucano como inspiração. Algo que deu certo, pois na carreira, o meia anotou 41 gols de falta, sendo 28 deles no Campeonato Italiano, onde é recordista

Com tamanho talento, Pirlo atou nas três principais equipes do futebol italiano. No Milan ele se tornou ídolo absoluto, feito que voltou a se repetir com a camisa da Juventus. O meia só não conseguiu fazer história na Internazionale, onde teve uma breve passagem de maneira apagada.

Pela seleção italiana, o craque também obteve destaque. Em 2004, ainda com 19 anos, Pirlo faturou uma medalha de bronze nos jogos olímpicos de Atenas. Já em 2006, conseguiu um feito ainda melhor, o título da Copa do Mundo.

Seja por clubes ou pela seleção, o jogador sempre se manteve notável, tanto que conseguiu importantes honrarias ao longo da carreira. Dentre elas, o de melhor jogador do Campeonato Italiano por três vezes consecutivas, além de fazer parte do 2º time do Dream Team da Bola de Ouro (Ballon D’or).

Em sua carreira, Andrea Pirlo conseguiu números individuais interessantes. Em 852 jogos, ele anotou 86 gols e obteve um número impressionante de assistências, um total de 142, provando ser um dos melhores passadores de bola de todos os tempos.

Infância, histórico e inspirações

Andrea Pirlo, ainda garoto na base do Flero.

Andrea Pirlo nasceu no dia 19 de maio de 1979, em Flero, comuna italiana localizada na província de Brescia. Sua infância não foi muito difícil como a de outros jogadores de futebol, pois sua família tinha boas condições financeiras, já que era dona de uma grande empresa de metal em Brescia.

Desde cedo, o futuro ídolo do AC MIlan jogava futebol com seus irmãos e amigos em sua cidade e logo passou a desenvolver um gosto pelo esporte. Assim, com apenas 6 anos de idade foi levado por seus pais para jogar nas categorias de base do Flero. Logo, ele chamou a atenção de seu treinador por jogar com crianças mais velhas e mesmo assim mostrar muita habilidade.

Aos 13 anos de idade, o jovem jogador passou a atuar pelo Voluntas Brescia, time sub 15 coordernado pelo próprio Brescia. Com a camisa da equipe, Pirlo atuou pela Dana Cup de 1992, conseguindo chegar até a semifinal da competição. Sua trajetória pelas categorias de base foi fortemente inspirada por seu grande ídolo, Roberto Baggio.

Por se destacar com a camisa do Voluntas em dois anos, o jovem subiu de nível e logo defendeu o time juvenil do Brescia em 1994. Todavia, Pirlo passou pouco tempo atuando entre os juvenis, pois em 1995 foi promovido para o time o time principal, por tamanha qualidade apresentada. Dessa forma, o craque receberia a oportunidade de estrear como profissional do clube.

 

1995–1998: Andrea Pirlo estreia como profissional no Brescia


Com apenas 16 anos, Andrea Pirlo estreava como profissional pelo Brescia em partida contra o Reggina, pelo Campeonato Italiano de 1995. O técnico romeno Mircea Lucescu viu qualidade em seu futebol e resolveu lhe dar uma oportunidade.

Porém, aquele foi o único jogo do jovem jogador naquela temporada como profissional. Inclusive, na temporada seguinte, Pirlo sequer figurou entre os jogadores do elenco principal, a fim de amadurecer seu futebol. Sua nova oportunidade entre os profissionais da equipe ocorreu apenas na temporada 1996-97, atuando pela série B.

Foi naquela temporada em que ele conquistou o seu primeiro título como jogador profissional, o da série B do Campeonato Italiano. Seu bom desempenho naquela conquista fez com que recebesse diversas oportunidades para entrar em campo, mesmo sem ser titular absoluto.

Sua titularidade incontestável veio a ocorrer na temporada 1997-98, quando se tornou um pilar no meio-campo do Brescia. Por conta disso, Pirlo logo passou a chamar atenção da Inter de Milão que resolveu contrata-lo. Porém, o jogador pouco ficou na equipe e foi emprestado.

Em seu período de empréstimos, Pirlo passou a atuar com a camisa do Reggina na temporada 1999-00. Na equipe, o meia atuou em 30 partidas e anotou 6 gols. Na temporada seguinte, logo retornou ao Brescia a fim de retomar o seu melhor futebol, obtendo uma segunda passagem muito breve, de apenas 10 jogos.

Porém naquela temporada de 2000-01, Pirlo realizou um de seus maiores sonhos como profissional, ao dividir os gramados com seu ídolo de infância, Roberto Baggio. Além disso, ele ainda atuou ao lado de outro lendário jogador, o volante Pep Guardiola.

Em suas duas passagens pelo Brescia, Pirlo atuou 59 jogos e anotou 6 gols.

 

1998-2001: Pela Internazionale, Andrea Pirlo tem passagem apagada


Na Inter, o meia italiano atuou ao lado de Ronaldo.

Na temporada 1998-99, Andrea Pirlo chegava à Internazionale de Milão como uma grande promessa do futebol italiano, com apenas 20 anos de idade. Na época, a equipe nerazzurri desembolsou cerca de 2 milhões de euros  (equivalente a 4 milhões) para contar com o seu futebol.

Seu primeiro jogo pelo clube de Milão foi em goleada contra o  Skonto Riga da Letônia por 4 a 0, pela fase preliminar da Liga dos Campões. Pirlo não começou entre os 11 iniciais naquela partida, mas a sua titularidade era questão de tempo, segundo a cúpula nerazzurri. Mas, não foi isso o que aconteceu e, apesar de muita expectativa, o meia não engrenou na equipe.

Tanto que no restante de sua primeira temporada frente à equipe, o jogador não conseguiu atuar com regularidade e passou muito mais tempo na reserva. Ao que tudo indica, o fator principal para o seu insucesso foi o seu posicionamento mais avançado em relação aos tempos de Brescia. Inclusive, Pirlo foi contratado para ser camisa 10, função que fazia na seleção italiana sub 21, a fim de substituir Roberto Baggio, que já estava em fim de carreira.

A fim de recuperar o seu bom futebol, o jogador ainda foi emprestado para Reggina e Brescia. Seu retorno à Inter se deu apenas na temporada 2000-01, obtendo mais um insucesso ao ser preterido pelo técnico à época, Marco Tardelli.

Em seu período de empréstimos, Pirlo passou a atuar com a camisa do Reggina na temporada 1999-00. Na equipe, o meia atuou em 30 partidas e anotou 6 gols. Na temporada seguinte, logo retornou ao Brescia a fim de retomar o seu melhor futebol, obtendo uma segunda passagem muito breve, de apenas 10 jogos.

De volta à Inter de Milão, Pirlo não conseguiu se destacar em uma equipe repleta de craques. Ronaldo Fenômeno, Zamorano e Javier Zanetti foram alguns dos jogadores em que o meia italiano esteve ao lado.

Curiosa transferência para o Milan

Acreditando que o jogador não daria certo, a Inter de Milão resolveu negociá-lo. Na ocasião, a proposta que mais agradou a diretoria nerazzuri veio diretamente do rival Milan. Os rossoneros ofereceram 17 milhões de euros (32 milhões de reais na época) e mais o meia Drazen Brncic para contar com Pirlo. Uma verdadeira pechincha, tendo em vista aquilo que o jovem atleta produziria com a camisa vermelha e preta.

Assim, Pirlo encerrava sua passagem pela Internazionale, com 40 partidas disputadas e nenhum gol marcado.

 

2001–2011: Pirlo chega ao Milan para se tornar grande estrela


Chegando ao AC Milan por indicação do técnico Carlo Ancelotti, Andrea Pirlo foi anunciado junto a um pacotão de reforços. Ao lado dele, outros notáveis jogadores se apresentaram à equipe rossonera, como o atacante Filippo Inzaghi e o meia Rui Costa.

Sua estreia se deu em jogo contra o Bate Borisov na Copa UEFA em 2001. Porém, em sua temporada inicial pelos rossoneros, o meia ainda brigava por uma vaga como titular. Tal espaço seria conquistado na temporada seguinte, quando passou a marcar gols e distribuir importantes assistências.

Assim, não demorou para que Pirlo conquistasse seu primeiro título pelo Milan, a Liga dos Campeões 2002-03. Na competição, o meia foi o cérebro da equipe no meio-campo, sendo um jogador pouco falado, porém essencial.

Suas conquistas com os rossoneros não pararam por aí, já que em 2003-04 faturou o seu primeiro título italiano. Sua importância naquela conquista foi inegável, pois o meia marcou 6 gols e distribuiu 7 assistências. O jogo que mais traduziu suas atuações naquela temporada foi em vitória por 3 a 1 contra a Sampdoria, em que Pirlo anotou um gol e deu uma assistência.

No caminho das conquistas, o meia voltou a faturar a Liga dos Campeões em 2006-07, sobre o Liverpool, em um tom de revanche após o milagre de Istambul. Mais experiente e um dos líderes da equipe, Pirlo se mostrou ainda mais letal e marcou um importante gol contra o Bayern Munich nas quartas de finais. Na ocasião, ele garantiu um empate do Milan em 2 a 2, o que facilitou a missão da equipe na partida de volta em casa.

Com tantas conquistas, Pirlo só não foi protagonista do Milan por contar com muita concorrência dentro do clube. Jogadores como Kaká, Shevchenko, Paolo Maldini e Seedorf, eram mais badalados na época.

Pirlo, Beckham e Ronaldinho formaram meio campo mágico no Milan

Trio mágico em cobrança de falta no Milan.

Após a geração vencedora da Liga dos Campeões e do Mundial de Clubes de 2007, Pirlo passou a contar com importantes parceiros. David Beckham e Ronaldinho Gaúcho passaram a formam um mágico meio-campo com o meia italiano. Ambos estrearam juntos pela primeira vez em empate contra a Roma em janeiro de 2009.

Contudo, apesar de todas as expectativas em cima dos três jogadores, Ronaldinho Gaúcho já não atravessava uma de suas melhores fases dos tempos de FC Barcelona. Já Beckham, estava em final de carreira, tanto que estava sendo emprestado pelo Los Angeles Galaxy dos Estados Unidos. Pirlo era o único meia desse trio que ainda vivia uma fase incontestável.

Assim, os melhores resultados que ambos conquistaram jogando juntos foi um terceiro lugar em duas edições do Campeonato Italiano, em 2008-09 e 2009-10. Dessa forma, o trio jogou abaixo do esperado pelos fãs, obtendo apenas alguns lampejos de cada um dos jogadores em determinadas partidas. O que vai ficar na memória do torcedor mais saudosista é a pose que os três jogadores faziam na hora de bater uma falta, colocando medo no goleiro adversário.

No final das contas, Beckham voltou de empréstimo em 2010 e o trio foi desfeito. Ronaldinho Gaúcho ainda permaneceu por mais uma temporada com Pirlo e ambos ainda faturaram o título italiano de 2010-11. Porém, tanto o brasileiro, quanto o italiano deixaram o Milan após a conquista, por conta de uma reformulação no elenco promovida por Silvio Berluschoni.

De maneira até mesmo conturbada, Andrea Pirlo deixava o Milan após conquistar duas Ligas dos Campeões, dois títulos italianos, uma Copa da Itália, uma Supercopa da Itália, duas Supertaças da UEFA e um Mundial de Clubes. Tudo isso em 401 partidas, com 41 gols marcados e 70 assistências.

Antes de deixar o Milan, Pirlo quase foi jogar em gigantes da Espanha

Antes de deixar o Milan em 2011, Andrea Pirlo quase se transferiu para dois gigantes espanhóis no período em que estava em alta. Real Madrid e Barcelona ficaram no “quase” nas tratativas de trazer o jogador.

Os merengues ficaram perto de contratar o meia em 2006, quando ele acabara de vencer a Copa do Mundo. Naquele período, o Milan estava sendo julgado pelo escândalo da manipulação de resultados (Calciopoli) e poderia ser rebaixado para a série B. Porém, não foi isso que aconteceu e mesmo contra a vontade de Pirlo, os rossoneros não o deixaram sair. Ainda na mesma temporada, o craque faturou a Liga dos Campões com o time italiano.

Já a sua história com o Barcelona se deu em 2010, quando Pirlo foi disputar o troféu Joan Gamper pelo AC Milan contra o Barcelona. Seu desempenho contra os catalães impressionou o técnico Pep Guardiola, que queria sua contratação. O treinador chegou a conversar com o meia, porém os rossoneros mais uma vez barraram a negociação.

No final de tudo, o jogador acabou parando na Juventus, rival do Milan, após a não renovação de seu contrato. A escolha do então do dono do Milan, Silvio Berluschoni, foi criticada por muitos, pois o meia ainda jogava em alto nível.

 

2011–2015: Na Juventus, Pirlo domina o futebol italiano


Em 2001, após ter sua renovação barrada pelo Milan, Andrea Pirlo chegava a Juventus de Turim a custo zero para ser o dono do meio-campo. Missão que não foi muito difícil para ele, que logo de cara assumiu a titularidade absoluta da equipe.

Em sua estreia com a camisa bianconera, Pirlo mostrou a que veio e logo deu duas assistências em goleada sobre o Parma por 4 a 1. Aquele jogo foi uma pequena amostra do que ele faria no restante da temporada. Até porque, o meia foi fundamental no título italiano da Juventus naquele ano, conseguindo ainda ser eleito o melhor jogador da competição.

Pirlo voltou a repetir a dose de boas atuações no futebol italiano nas temporadas seguintes. Tanto que venceu por mais três vezes o Campeonato Italiano, nas temporadas 2012-13, 2013-14, 2014-15, sendo que nessas duas primeiras foi eleito novamente o melhor jogador da competição.

Porém, apesar de boas atuações no futebol doméstico, Pirlo não conseguiu elevar a Juventus a patamares mais altos na Europa. O craque ficou no “quase” com sua equipe na temporada 2014-15, ao chegar à grande decisão da Liga dos Campões contra o Barcelona FC. Na ocasião, os bianconeros foram derrotados por 3 a 1 para os catalães comandados por Neymar e Messi.

Ainda naquela temporada, Pirlo já enfrentava alguns problemas com lesões, o que já o deixou em alerta sobre seu condicionamento físico. Então, após o derradeiro jogo contra o Barcelona, o jogador acertou sua ida para o New York City dos Estados Unidos.

Em sua passagem pela Juventus, Pirlo esteve ao lado de grandes craques como Carlito Tevez, Paul Pogba, Arturo Vidal e Buffon. O meia conquistou 4 títulos italianos, uma Copa da Itália  e duas Supercopas Italianas. Tudo isso em 164 jogos, com 19 gols e 38 assistências.

 

2015–2017: Pirlo encerra a carreira atuando no futebol dos Estados Unidos


Andrea Pirlo se despede no futebol jogando nos EUA.

Longe de seu melhor condicionamento físico, o jogador de 36 anos chegava ao rico futebol dos Estados Unidos para ser uma grande atração no New York City. Mas, apesar de ter atuado com regularidade no inicio, o meia passou a conviver com algumas lesões que o atrapalharam.

Por conta disso, Andrea Pirlo anunciou a sua aposentadoria em 2017, aos 38 anos de idade. Seu último jogo oficial foi em vitória por 2 a 0 em cima do Columbus Crews pela MLS. Após essa partida, o meia encerrava sua passagem nos Estados Unidos sem nenhuma conquista, com 62 partidas, um gol marcado e 9 assistências.

Ídolo de grandes equipes do futebol italiano, Pirlo não se aposentou de maneira despercebida. O jogador recebeu diversas homenagens dos clubes por onde passou e da Federação Italiana. Inclusive, em 2018, o meia ainda foi agraciado com uma partida de despedida no San Siro, palco no qual mais desfilou seu futebol.

 

2002-2015: Andrea Pirlo e a seleção italiana


Andrea Pirlo atuando pela seleção italiana.

Após se destacar nas seleções de base, Andrea Pirlo foi promovido pelo técnico Giovanni Trappatoni para a seleção italiana principal em 2002. Seu jogo de estreia foi contra o Azerbaijão, em vitória por 2 a 0, nas eliminatórias para a Eurocopa.

Seu primeiro torneio oficial com a squadra azzurra foi a própria Eurocopa de 2004. Porém o jogador não conseguiu evitar o vexame e sua seleção caiu ainda na fase de grupos. Na Eurocopa, seu melhor resultado foi um vice-campeonato diante da Espanha na edição de 2012.

Já na Copa do Mundo, o meia possui lembranças melhores, pois conseguiu faturar o título em 2006 na Alemanha. Mesmo que nos anos seguintes, sua seleção tenha colecionado vexames nas copas de 2010 e 2014, não saindo da fase de grupos.

Foi justamente nesse período de decadência da seleção italiana, que Pirlo passou a figurar como um dos líderes da equipe. Inclusive, a partir de 2010, ele foi por algumas vezes o capitão de um elenco que passou a contar com uma nova geração de jogadores. O meia só não foi capitão da azzurra em mais oportunidades, pois a equipe contou com outros grandes líderes em campo como Maldini, Nesta, Fábio Canavarro, Buffon, e  Alessandro Del Piero.

Em um período de baixa da squadra azzurra, Pirlo também não atravessava o melhor momento de sua carreira por conta de problemas físicos. Tanto que sua última partida foi nas Eliminatórias da Eurocopa em 2015, em vitória magra sobre a seleção de Malta.

O meia encerrou sua passagem pela seleção italiana com apenas um título conquistado, porém o mais importante, a Copa do Mundo de 2006. Ao longo de seus 13 anos pela azzurra, Pirlo atuou em 116 partidas, anotou 13 gols e distribuiu 23 assistências.

Copa de 2006: em sua primeira Copa, é campeão como titular

Em 2006, Andrea Pirlo já era um dos principais jogadores do futebol italiano e por isso foi convocado pelo técnico Marcelo Lippi para a Copa do Mundo na Alemanha. Assim, o meia passou a integrar uma forte seleção que contava com Buffon, Del Piero, Nesta, Paolo Maldini, Francesco Totti e Genaro Gattuso.

Logo em sua estreia naquela copa, Pirlo marcou um gol contra a seleção de Gana em vitória por 2 a 0. Na partida seguinte, ele distribuiu uma assistência para o gol de Gilardino no empate em 1 a 1 contra os Estados Unidos. Para completar aquela fase de grupos, os italianos venceram a República Tcheca por 2 a 0.

Pirlo se manteve firme no meio-campo e foi fundamental para levar sua equipe à grande decisão contra a França. Tanto que na semifinal, ele deu uma importante assistência para Fábio de Grosso marcar na prorrogação contra a Alemanha.

Por ser um mestre nas assistências, Andrea Pirlo deu seu último passe precioso justamente na grande final contra a seleção francesa. No empate em 1 a 1, foi dele a assistência para o gol de cabeça de Marco Materazzi, que levou o duelo para as penalidades. Pirlo converteu uma das cobranças e deu o pentacampeonato mundial para a sua seleção.

Com o grande desempenho naquela decisão, Pirlo foi eleito o melhor jogador em campo. De quebra, ainda obteve o maior número de assistências naquela copa, um total de 3. Dessa forma, ele foi premiado com a bola de bronze da competição e integrou o time de estrelas da Copa do Mundo.

Copa de 2010 e 2014: Andrea Pirlo não evita vexame italiano

Ainda em alta na carreira, Andrea Pirlo chegava à seleção italiana como um dos grandes líderes da equipe na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Porém, o meia entrou naquela competição com uma lesão muscular que o impediu de atuar nas duas partidas iniciais. Ao entrar no terceiro jogo da fase de grupos, o estrago já estava feito e Pirlo não conseguiu evitar a eliminação precoce de sua seleção.

No mundial seguinte, realizado no Brasil, o meia continuava como líder de mais uma nova geração do futebol italiano, sendo inclusive capitão no jogo de estreia contra a Inglaterra . Naquela copa, ele esteve ao lado de promissores jogadores como Mário Balotelli e Marco Verratti e também ao lado de jogadores mais experientes como Chiellini, Gianluiggi Buffon e De Rossi.

Mas, aquela equipe não engrenou e mesmo com Pirlo atuando nas três partidas da fase de grupos, os italianos foram eliminados antes do mata-mata. Com esse resultado decepcionante, o jogador de 35 anos voltou a vestir a camisa de sua seleção em poucas oportunidades e aquela seria sua última competição oficial pela Itália.

 

Carreira pós aposentadoria: Pirlo se torna treinador


Andrea Pirlo como técnico da Juventus.

Ao encerrar sua carreira em 2017, Andrea Pirlo se afastou um pouco dos gramados e passou a se dedicar apenas à sua vinícola em Brescia. Enquanto jogador, o ídolo de Milan e Juventus de Turim já investia em seu novo negócio, no qual pretendia ser o seu único após deixar o futebol.

Porém, sua imagem jamais se desvincularia do futebol, pois assim que encerrou a carreira logo passou a ser garoto propaganda da Heineken em comerciais da Liga dos Campeões. Dois anos mais tarde, em 2019, ele foi convidado para um jogo amistoso e representou a camisa do Barcelona de Guayaquil. Sabendo que seria difícil deixar o esporte que tanto ama, Pirlo resolveu ingressar na carreira de treinador.

Por ser muito conhecido nos bastidores da Juventus, em 2020, o ídolo italiano passou a treinar as categorias de base do clube. Não demorou muito para que assumisse a equipe principal dos biaconeros, após a saída de Maurizio Sarri.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.