Hernán Crespo

Atacante, Centroavante
666 Jogos Oficiais
15 Títulos Oficiais
304 Gols Marcados
Hernán Crespo Argentina - Florida Este - Buenos Aires
Nascimento 04 de julho de 1975
Falecimento -
Apelidos Valdanito
Carreira Início: (1993) River Plate
Término: (2012) Parma
Características Altura: 1,84 m
Destro
Posição / Outras posições Atacante / Centroavante / Ponta esquerda
Libertadores

1996

Perfil / Estilo do jogador

Atacante rápido, habilidoso e inteligente, Hernán Crespo reunia condições de dominar muito mais do que a pequena área. Mesmo sendo um exímio finalizador com faro de gol, o atacante também sabia organizar o jogo com a bola nos pés, conseguia ser profundo pelos lados do campo e sabia se posicionar sabiamente para dar condições de jogo aos seus companheiros. Por conta disso, ele era muito mais do que um simples homem de frente. Mas infelizmente, suas constantes lesões atrapalharam a sua carreira, que poderia ter ido muito mais longe.

Categoria de base

Data Clube    
1988-1993 River Plate    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1996–2000 River Plate 84 36
1996–2000 / 2010–2012 Parma 201 94
2000–2002 Lazio 73 48
2002–2003 / 2006-2009 Internazionale 116 45
2003–2008 Chelsea 73 25
2004–2005 Milan 40 17
2009–2010 Genoa 21 7

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1995–2007 Argentina 64 35

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
River Plate Campeonato Argentino (Apertura) 1993 / 1994
River Plate Libertadores da América 1996
Parma Copa da Itália 1998–99
Parma Supercopa da Itália 1999
Parma Copa da UEFA 1998–99
Lazio Supercopa da Itália 2000
Milan Supercopa da Itália 2004
Chelsea Premier League 2005-06
Chelsea Supercopa da Inglaterra 2005
Internazionale Supercopa da Itália 2006 / 2008
Internazionale Campeonato Italiano 2006-07 / 2007-08 / 2008-09

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Maior artilheiro da história do Parma 1996-2012 Parma
Artilheiro Campeonato Argentino (Clausura) 1994 River Plate
Artilheiro dos Jogos Olímpicos 1996 Seleção Argentina
Artilheiro da Copa da Itália 1998–99 Parma
Artilheiro do Campeonato Italiano (Serie A) 2000-01 Lazio
Artilheiro das Eliminatórias da Copa do Mundo 2002 Seleção Argentina
Chuteira de Prata da Copa do Mundo de 2006 2006 Seleção Argentina
Seleção da Copa do Mundo 2006 Seleção Argentina
Artilheiro da Copa da Itália 2006-07 Inter de Milão

Desempenho

0,45
Média
Gols por jogo
0,78
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
4
Passe
3
Controle de Bola
4
Drible
3
Velocidade
4
Técnica
4
Finalização
5
Condicionamento Físico
3

Biografia

Hernán Crespo: O fenômeno argentino que fez sucesso na Itália

Hernán Crespo: ídolo na Itália e craque da Argentina.

Um dos melhores atacantes de sua geração, Hernán Crespo conseguiu fazer seu nome em meio a grandes craques como Ronaldo, Batistuta, Thierry Henry, Van Nisteroy, Raúl, dentre outros. Até porque, ele não era apenas um centroavante comum, possuindo também qualidades muito além da pequena área. Ágil e habilidoso, o jogador também conseguia atuar pela ponta esquerda, sendo um dos primeiros destros a jogar em tal posição.

Sua trajetória como profissional se iniciou com a camisa do River Plate, onde obteve uma meteórica passagem. Na equipe, Crespo foi essencial na conquista do título da Libertadores de 1996, que na época foi o segundo da história do clube argentino.

Ao se destacar com a camisa do River, logo passou a jogar no futebol italiano, onde se tornou ídolo de Parma e Inter de Milão. Na equipe Gialloblu, o jogador conseguiu ser o maior artilheiro da história, com 95 gols, enquanto nos nerazzurri, faturou o tricampeonato italiano entre 2006 e 2009. Ainda na Itália, o atacante atou por Milan, Lazio e Genoa, atuando fora do país em solo europeu apenas no Chelsea, onde não obteve grande sucesso.

Muito bem sucedido na maioria dos clubes onde passou, Crespo só não conseguiu se firmar como titular absoluto na seleção argentina. Até porque, a concorrência dentro da equipe era muito acirrada, contando com jogadores como Gabriel Batistuta, Ariel Ortega, Carlos Tévez, dentre outros. E, mesmo com tantos craques, essa geração nunca faturou um título sequer.

Hoje, Hernán Crespo é um treinador muito promissor e desde que iniciou sua nova carreira, conquistou o título da Copa Sul-americana pelo Defensa y Justicia e o Campeonato Paulista pelo São Paulo.

Infância, histórico e inspirações

Hernán Jorge Crespo nasceu no dia 5 de julho de 1975, na cidade de Florida Este, região da província de Buenos Aires. Desde pequeno começou a tomar gosto pelo futebol através de seu pai, com quem ia ao estádio torcer pelo San Lorenzo.

Porém, seu destino no futebol seria com a camisa de outra equipe, o River Plate, no qual entraria nas categorias de base com apenas 6 anos. Dessa forma, o pequeno garoto dividiu o seu tempo entre seus estudos em uma escola católica com o futebol. Foi nesse meio tempo, durante a Copa do Mundo de 1982, em que ele começou a se encantar pela posição de centroavante, por causa de Paolo Rossi, campeão com a Itália e também artilheiro e melhor jogador do campeonato.

Quatro anos mais tarde, quando tinha apenas 11 anos, o jovem Crespo foi prestigiar o time principal do River Plate na final da Libertadores de 1986, em pleno Monumental de Nuñez, algo que fazia com frequência. Assim, em meio à multidão e sob muita chuva, o garoto pode dar o grito de campeão. Mal sabia ele que dez anos depois seu clube seria campeão novamente com dois gols seus.

Com tamanha inspiração, o jovem logo mostrava muito agilidade e velocidade para um centroavante. De fato, Crespo não era um jogador comum e sabendo disso, a comissão técnica do sub-15 promoveu sua estreia em 1988, quando ele tinha apenas 13 anos. Dessa forma, aos poucos, o atacante foi subindo de categoria nas divisões de base, até que em 1993, foi promovido para o time principal.

 

1993–1996: Crespo estreia no profissional do River Plate para se tornar um fenômeno


Em 1993, com apenas 18 anos de idade, Hernán Crespo recebeu a oportunidade de integrar o elenco principal do River Plate. Sua estreia como profissional, ocorreu em partida pelo Campeonato Argentino, com goleada de sua equipe pelo placar de 4 a 1 sobre o Newell’s Old Boys.

Naquela época, Crespo era apenas um jovem recém-promovido da base e que acabara de sair da escola. Então, era muito comum que ele saísse com seus amigos para festas em boates. Porém, por ironia do destino, o jovem recusou sair com seus amigos para a boate Kheyvis em dezembro de 1993, a fim de se concentrar nos treinamentos. Pouco tempo depois, os noticiários anunciavam que o local pegou fogo, deixando 17 vítimas.

Parecia que a vida tinha lhe dado uma nova chance, que ele agarrou com todas as forças. Pois logo em seu segundo ano como profissional, se sagrou artilheiro do Torneio Clausura, faturando também o bicampeonato do Apertura em 1993 e 1994.

Briga por posição na equipe

Porém, apesar de suas conquistas, o jogador ainda não era titular absoluto, justamente por contar muita concorrência na equipe. Crespo fazia parte de uma grande geração do River Plate que contava com jogadores como Gallardo, Francescoli, Ortega, Marcelo Salas e Juan Pablo Sorín. Inclusive, Hernán teve que jogar muitas vezes fora de sua posição habitual, mas, como ele era habilidoso, isso não foi um problema.

Mas, em 1996, tudo começou a mudar e o atacante foi se destacando com a camisa do clube, principalmente na Libertadores daquele ano. Antes da decisão contra o América de Cali, Crespo já havia marcado 8 gols, então no segundo jogo da final ele provou porque era um craque. Na ocasião, o River precisava virar o placar de 1 a 0 e só conseguiu após os dois marcados por Hernán. River Plate então se tornou bi-campeão da Libertadores em 1986.

Seu desempenho chama a atenção do Parma

Ao se destacar na final da Libertadores como o grande herói da conquista pelo River Plate e após a medalha de Prata nas Olimpíadas de 1996, Hernán Crespo passou a chamar a atenção do futebol europeu. Então, por 8 milhões de liras (antiga moeda italiana), o jogador foi contratado pelo Parma no meio do ano de 1996. Na época, o clube italiano contava com o poderoso investimento da Parmalat e conseguiu montar um forte time, que contava com craques como Gianfranco Zola, Fábio Canavarro, Buffon, Dino Baggio e o brasileiro Amaral.

Portanto, a passagem de Crespo pelo River Plate encerrava-se após 84 partidas com a camisa do clube e 36 gols marcados.

 

1996-2000: no Parma, começa longa carreira  na Itália


Hernán Crespo em sua passagem histórica pelo Parma.

Assim que chegou ao Parma, Crespo recebeu sua primeira oportunidade com a camisa do clube na partida contra o Pescara na Copa da Itália de 1996. Porém, sua estreia não foi muito inspiradora e o jogador teve que provar que merecia estar entre os titulares da equipe.

Então, após 5 rodadas do Campeonato Italiano, o atacante recebeu uma nova chance com o técnico Carlo Ancelotti e não saiu mais do time titular. Até porque, na função de segundo atacante, se tornou essencial na maioria das partidas de sua equipe, sendo fatal nas finalizações e crucial na construção de jogadas. Foi dessa forma em que ele levou o Parma até a vice-liderança da competição atrás da Juventus.

Assim, seus anos posteriores com a camisa do Parma foram ainda melhores, pois o jogador conseguiu faturar o título da Copa da Itália 1998-99 e da Copa da UEFA do mesmo ano. Na competição nacional, Crespo conseguiu marcar gol nos dois jogos da final contra a Fiorentina e na decisão do torneio continental, ele anotou um gol contra o Olympique de Marselha.

No mesma temporada de suas conquistas, o jogador passou por sua fase mais goleadora na equipe, marcando inclusive, um hat-trick contra a Juventus de Turim. Na temporada seguinte, Crespo não deixou a desejar e o seu bom futebol o colocou como um dos principais jogadores da Europa. Assim, dificilmente o Parma conseguiria mantê-lo, tanto que em junho de 2000 ele recebeu uma proposta irrecusável da Lazio.

Porém, o amor de Crespo pelo Parma fez com que ele retomasse a equipe dez anos depois para encerrar a carreira. Nessa sua volta de uma temporada o jogador encerrou seu ciclo pelo Parma com 201 jogos e 94 gols, sendo ídolo e maior artilheiro da historia do clube.

 

2000–2002: Hernán Crespo chega a Lazio e aprimora seu lado artilheiro


Em 2000, Hernán Crespo chegou à Lazio em uma transferência recorde na época, um total de 65 milhões de euros, em uma transação que envolveu os jogadores Sergio Conceição e Matías Almeyda. Como titular absoluto da equipe, o argentino tomou conta do ataque da equipe e desandou em fazer gols.

Tanto que com a camisa da Lazio, Crespo foi o artilheiro do Campeonato Italiano da temporada 2000-01, ficando a frente inclusive, de Andry Shevchenko do Milan. Ainda na mesma temporada, o argentino conseguiu faturar o seu único título com os laziali, a Supercopa da Itália. Porém, mesmo com seu bom desempenho, sua equipe não conseguiu repetir o feito do ano anterior, quando havia conquistado o Campeonato Italiano e a Copa da Itália.

Em 2001, a Lazio já começava a demonstrar problemas financeiros, tanto que nas temporadas seguintes, o clube teve que se desfazer de importantes jogadores. Em 2002, foi a vez de Alessandro Nesta, que se transferiu para o Milan, mesmo ano em que Crespo foi negociado com a Internazionale de Milão. Anos depois, Dejan Stankovic, Giuseppe Pancaro e Giuseppe Favalli, também foram negociados.

Assim, sua passagem pela equipe laziali de duas temporadas rendeu 73 partidas e 48 gols marcados, uma ótima marca.

 

2002–2003: Crespo se apresenta a Internazionale, mas só obtém sucesso anos depois


Passagem pela Inter de Milão, onde obteve mais títulos.

Após a saída de Ronaldo fenômeno para o Real Madrid, a Inter de Milão estava desesperada por um novo jogador que estivesse à altura. O nome da vez foi o de Hernán Crespo, que chegou ao clube pela quantia de 26 milhões de euros.

Porém, apesar da expectativa depositada em seu futebol, o atacante não conseguiu obter o mesmo desempenho dos anos anteriores. Suas constantes lesões o atrapalharam e o atacante não reuniu condições de se firmar como titular. Assim, uma temporada depois, ele foi negociado com o Chelsea, que apostou em sua recuperação.

Foi então que em 2006, Crespo retornou ao time nerazzurri vindo de empréstimo do Chelsea. Então, ao contrário de sua primeira passagem, dessa vez o argentino fez seu nome com a camisa do clube.

Em sua primeira temporada de retorno à equipe, o atacante logo se firmou entre os titulares e ajudou a Internazionale a conquistar o Scudetto. Feito que repetiu nas temporadas 2007–08 e 2008–09, mesmo que não tenha sido titular absoluto. Até porque, Crespo começou a atravessar mais uma fase com problemas físicos e a concorrência no ataque era pesada, contando com Adriano Imperador, Ibrahimovic, Álvaro Recoba e Luís Figo.

Crespo, deixou a Internazionale justamente na temporada em que foi contratado em definitivo, 2008-09. Tudo porque na chegada José Mourinho, o atacante foi perdendo cada vez mais espaço, não sendo incluído na lista de relacionados para a Liga dos Campeões.

Assim, Crespo deixava a Inter de Milão com uma boa imagem, em um clube onde conseguiu se tornar ídolo. Inclusive, foi atuando pelos nerazzurri, em que conquistou mais títulos em sua carreira. Tudo isso em 116 partidas disputadas e com 45 gols marcados.

 

2003-2008: Jogando pelo Chelsea, Hernán Crespo vive em idas e vindas


Depois de sua primeira e apagada passagem pela Inter de Milão, Hernán Crespo foi negociado com Chelsea FC pela quantia de 16 milhões de euros. Sua estreia pelos Blues ocorreu em agosto de 2003, em um empate em 2 a 2 contra o Blackburn pela Premier League.

Mas, em sua primeira temporada pelo clube, em 2003-04, o atacante oscilou entre boas e más atuações e não conseguiu se firmar. Dessa forma, após a chegada de José Mourinho – treinador que o afastaria na Inter de Milão – Crespo acabou sendo emprestado para o Milan na temporada seguinte.

Seu retorno aconteceu uma temporada depois, em 2005-06, após ter sido convencido pelo próprio José Mourinho a retornar aos Blues. O treinador português usou dos argumentos que o jogador ainda teria muito futuro atuando na Inglaterra. Mas o real motivo para o Chelsea querer o retorno do argentino, foi a falta de um atacante para substituir o titular Didier Drogba.

Mas, pelo menos naquele ano, Crespo conseguiu faturar o titulo da Premier League pelo Chelsea, mesmo sem ter sido titular. Inclusive, esse fato o incomodou, tanto que o argentino pediu para retornar ao Milan, mas a diretoria dos Blues negou. Porém, uma negociação foi fechada com a Inter de Milão em 2006, que deu fim a sua passagem na Inglaterra.

Portanto, entre idas e vindas, o jogador não conseguiu se firmar com a camisa da equipe inglesa, apesar de toda a expectativa. No total de suas duas conturbadas passagens pelo Chelsea, foram 73 partidas e 25 gols marcados.

 

2004–2005: Meteórica passagem pelo Milan


Ao ser preterido pelo Chelsea na temporada 2004-05, Hernán Crespo recebeu a oportunidade de voltar a Milão para vestir a camisa do AC Milan. Na ocasião, Carlo Ancelotti era o treinador do time rossonero e por já ter trabalhado com Crespo no Parma, pediu a contratação do argentino, que ocorreu por empréstimo.

No Milan, o atacante conseguiu recuperar o seu bom futebol e no decorrer da temporada conquistou a sua vaga de titular. Fazendo uma boa dupla de atacante com Andriy Shevchenko, Crespo conseguiu anotar 10 gols na serie A italiana. Porém, o seu auge com a camisa rossonera foi na campanha da Liga dos Campeões 2004-05.

Na competição europeia, o jogador anotou 6 gols e foi importante ao levar o seu time à grande decisão contra o Liverpool FC. Inclusive, nessa finalíssima, o atacante mostrou o seu poder de decisão mais uma vez e marcou dois tentos. Porém, ele só não contava com o milagre de Istambul que deu o título para os ingleses, após empate em 3 a 3 e vitórias nos pênaltis.

Mas apesar dessa derrota dolorida e sem títulos conquistados pelo rossonero, Crespo voltou a se sentir bem consigo mesmo, algo que não acontecia há tempos. Até porque, ele ficou muito à vontade em uma equipe repleta de grandes jogadores como Paolo Maldini, Nesta, Pirlo, Seedorf e os brasileiros Dida, Cafú e Kaká.

Dessa forma, o jogador gostaria de permanecer  mais tempo na equipe do Milan, porém o Chelsea pediu que ele retornasse por uma necessidade no elenco. Por conta disso, a sua passagem pelo Milan teve um fim, com 40 partidas e 17 gols marcados.

 

Hernán Crespo na seleção argentina


Hernán Crespo com a camisa da Argentina.

A primeira vez que Hernán Crespo foi convocado pela seleção argentina foi em 1995, aos 20 anos de idade, quando ainda era um jovem promissor. Porém, na ocasião, o jogador não saiu do banco de reservas. No ano seguinte, conquistou a medalha de Prata nas Olimpíadas de 1996, em Atlanta, sendo ainda, artilheiro com 6 gols.

Crespo só viria a receber sua primeira oportunidade entrar em campo pelo escrete argentino principal em 1996, pelas eliminatórias contra o Equador. Dessa forma, ele foi convocado para a Copa do Mundo de 1998, por um velho conhecido, Daniel Passarella, seu treinador nos tempos de River. Porém, o atacante só atuou em uma partida no mundial da França, justamente na eliminação nas quartas de finais para a seleção inglesa.

Na Copa do Mundo de 2002, continuou sendo opção no banco de reservas e mais uma vez para Batistuta, assim como em 1998. O resultado disso, foi o vexame do escrete argentino, que caiu ainda na fase de grupos, com direito a pedido de desculpas de Marcelo Bielsa por ter colocado um atacante já veterano e ter preterido Crespo, então no auge da carreira.

A ascensão no selecionado argentino

A oportunidade como titular absoluto só ocorreu às vésperas da Copa do Mundo de 2006, sendo que Crespo garantiu vaga como titular da campanha quando os argentinos caíram nas quartas de finais. Na temporada seguinte, o atacante teve o seu melhor momento com a seleção argentina, sendo artilheiro da Copa América de 2007, mesmo perdendo a final para o seleção brasileira.

Mas, para a tristeza do jogador, o seu auge com o escrete argentino só veio a ocorrer no final de sua carreira. Por conta de constantes lesões, a sua última convocação pela Argentina ocorreu ainda em 2007, nas Eliminatórias contra a Colômbia, com o atacante sequer entrando em campo. Assim, sua passagem pela Argentina se encerrou sem títulos com a seleção principal.

Crespo marcou um total de 35 gols em 64 jogos pela Argentina, sendo o 4º maior goleador da história da seleção, com um gol a mais do que Diego Maradona.

Copa de 2006: Em sua última copa do mundo, destaque

Após ser reserva nas temporadas anteriores, Hernán Crespo finalmente conseguiu ser titular da seleção argentina na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha. Ele que já havia feito parte da promissora geração de 2002, que contava com Batistuta, Ortega e Gallardo, teve uma nova chance.

Dessa vez, o atacante era referência de outra geração que parecia ainda mais promissora. Pois além de contar com os velhos conhecidos Aimar, Sorín e Zanetti, o escrete argentino passou a contar com as presenças de Riquelme, Saviola, Cambiasso, Carlos Tevez e o jovem Messi.

Sob muita confiança, Crespo logo anotou seu primeiro gol já na estreia da seleção argentina contra a Costa do Marfim, em vitória por 3 a 1. No jogo seguinte, ele voltou a marcar contra a Sérvia, em uma goleada acachapante por 6 a 0. No terceiro confronto, acabou sendo poupado para jogar as oitavas de finais em plenas condições.

Então, contra o México, o jogador anotou mais um tento, o seu terceiro e último naquela Copa, que garantiu a vitória argentina por 2 a 1, já na prorrogação. Porém, a boa fase de Crespo naquele mundial veio a sucumbir contra a seleção alemã nas quartas de finais, pois após empate em 1 a 1, sua seleção foi eliminada nos pênaltis.

Mas, apesar da eliminação Argentina, o atacante foi premiado com a chuteira de Prata da competição, sendo vice-artilheiro. Ainda, conseguiu ficar entre os melhores jogadores daquele mundial, fazendo parte da seleção do torneio.

 

Aposentadoria e carreira pós-aposentadoria


Ao lado da família, após a aposentadoria.

Já em final de carreira, sendo atormentado por constantes lesões, Hernán Crespo que havia deixado a Internazionale em 2009, resolveu acertar com o Genoa. Na ocasião, ele havia recebido propostas de Fiorentina e Columbus Crew dos Estados Unidos, mas optou por permanecer na Itália.

No entanto, a passagem do lendário jogador pelo Genoa foi muito breve, ocorrendo apenas na temporada 2009-10, com 21 partidas e 7 gols. Sabendo de suas dificuldades físicas, em seguida retornou ao time que sempre teve carinho, o Parma. Na equipe, o atacante já planejava a sua aposentadoria, que ocorreu durante a temporada de 2011-12.

Seu último jogo como profissional ocorreu em novembro de 2011, em jogo válido pela Copa da Itália, em derrota por 2 a 0 contra o Hellas Verona. A partir dali, o jogador se contundiu e não retornou mais aos gramados, oficializando a sua aposentadoria no inicio de 2012. Na ocasião, ele recebeu uma linda homenagem da torcida do Parma no estádio Ennio Tardini, pela 21º rodada do Campeonato Italiano.

Mas, a história de Crespo com o futebol não parava por ali, pois o argentino ingressou como técnico dos juniores do Parma em 2014-2015. Dois anos depois, ele retornaria ao clube para assumir uma nova função, a de vice-presidente, por conta de sua enorme identificação.

Por causa de seu amor com o Parma, Hernán Crespo formou a sua vida na Itália, tanto que por lá, ele se casou com a modelo italiana Alessia Rossi e teve três filhas. Até hoje, a sua família ainda vive no país, enquanto ele resolveu rodar o mundo para seguir o seu sonho de ser treinador.

A Carreira como técnico de Hernan Crespo: breve trajetória, mas muito promissora

Após breve passagem como técnico de juniores do Parma, Hernán Crespo assumiu o pequeno Modena da Itália em julho de 2015. Sua carreira nesse novo cargo só teve continuidade em 2018, pelo Banfield da Argentina, após rápido período como vice-presidente do Parma.

No clube argentino, o ídolo do River Plate não conseguiu um bom desempenho e trabalhou por apenas alguns meses, no total de 18 partidas. Então, no início da temporada de 2020, ele recebeu uma nova oportunidade, dessa vez para dirigir o modesto Defensa y Justicia. À frente da equipe, Hernán conseguiu uma das maiores façanhas da história do clube, ao conquistar o título da Copa Sul-americana daquele ano.

Ao comemorar tal conquista, o treinador foi indagado sobre o seu inseparável terno, que sempre utilizou à beira gramado. Foi então que ele fez uma das mais belas revelações, respondendo que utilizava tal vestimenta para homenagear seu pai, que trabalhava na bolsa de valores de Buenos Aires.

Passagem pelo São Paulo

Usando seu belo traje, no ano de 2021, Crespo veio para o Brasil enfrentar o calor e colocar o São Paulo de volta ao caminho das glórias. Algo que ele parece estar conseguindo, pois em apenas poucos meses a frente do clube, o treinador conseguiu faturar o título do Campeonato Paulista, encerrando o jejum de 8 anos sem títulos, embora tenha deixado o cargo meses depois.

Com tudo isso, sua promissora carreira parece estar tomando bons rumos, contando com um estilo de jogo que agrada a muitos e que faz parte da escola de Marcelo Bielsa.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.