Chelsea FC

34 Títulos Oficiais
145 Milhões de Torcedores
Chelsea FC
Chelsea Football ClubLondres - Inglaterra
Fundação 09 de março de 1905
Estádio / Capacidade Stamford Bridge / 41.663
Apelidos The Blues, The Pensioners
Principais rivais Arsenal / Tottenham / Leeds United / Manchester United / Manchester City / Fulham
Apelido da torcida Blues
Mascote Leão de Stamford
UEFA Champions League

2011-12, 2020-21

Títulos conquistados pelo clube

Títulos Continentais

Competição Títulos Temporada
Liga dos Campões 2 2011-12, 2020-21
Liga Europa 2 2012-13, 2018-19
Recopa Europeia 2 1970-71, 1997-98
Supercopa da UEFA 1 1998

Títulos Nacionais

Competição Títulos Temporada
Campeonato Inglês 6 1954-55, 2004-05, 2005-06, 2009-10, 2014-15, 2016-17
Copa da Inglaterra 8 1969-70 , 1996-97 , 1999-00 , 2006-07 , 2008-09 , 2009-10 , 2011-12 , 2017-18
Copa da Liga Inglesa 5 1964-65 , 1997-98, 2004-05 , 2006-07, 2014-15
Supercopa da Inglaterra 4 1995, 2000, 2005, 2009
Copa dos Membros Ingleses 2 1985-86, 1989-90
Campeonato Inglês - 2ª Divisão 2 1983-84, 1988-89

História

Chelsea FC: tradicional clube inglês que vem se destacando a partir de 2000

O Chelsea é um dos grandes da Inglaterra e da Europa.

Uma das principais equipes do futebol mundial é o Chelsea FC, clube que tem mais de 100 anos de história, porém, que ganhou grande projeção após a aquisição de um bilionário russo em 2003, injetando dinheiro dentro dos Blues e rendendo diversos títulos desde então.

A equipe de Londres é a 6ª com mais títulos do Campeonato Inglês, ao lado de Sunderland. Das suas seis conquistas, cinco foram após a compra do clube, marca que os colocam como o 3º time com mais Premier League, perdendo apenas para os rivais Manchester United e Manchester City.

Esse crescimento da equipe nos anos 2000 resultou no aumento de sua torcida, que é a 4ª maior da Inglaterra. Além disso o Chelsea FC também está entre os 4 primeiros clubes com o maior número de adeptos na Europa, num total de 21 milhões. Os blues também são muito populares nas redes sociais, com 90 milhões de seguidores, ficando atrás apenas Manchester United e Juventus.

Fundação e primeiros anos do Chelsea FC

Segunda temporada do Chelsea FC.

A fundação do Chelsea passa pela história de Gus Mears, um milionário que comprou o Stamford Bridge Athletics Ground em 1896, juntamente com o seu irmão Joseph, mas que só tomou posse do local em 1904. Em seguida, ele buscava convencer o Fulham FC a se realocar para mandar os seus jogos no local.

Como não conseguiu, por pouco o local não foi vendido para uma empresa ferroviária, mas em março de 1905 o magnata decidiu por fundar o seu próprio clube. Dessa forma, em um pub chamado The Rising Sun, nasceu o Chelsea Football Club (Chelsea FC), levando um nome em referência ao bairro londrina de alto padrão, no distrito de Fulham.

Inicialmente, foram cogitados outros nomes, como Stamford Bridge FC, London FC, or Kensington FC, mas a nomeação que pegou mesmo foi com a nomenclatura Chelsea FC.

Logo de cara, em sua segunda temporada, os Blues conseguiram o acesso para à Primeira Divisão, mas seguiram alternando entre a elite e a divisão inferior. Mesmo com dificuldades causadas pela Primeira Guerra Mundial o clube conseguiu notoriedade. Em 1915, chegaram à final da Copa da Inglaterra a FA Cup, na qual perderam para o Sheffield United por 3 a 0, três anos após a morte de seu fundador.

No ano de 1929, o Chelsea fez história ao ser o primeiro clube inglês a jogar contra um brasileiro. Na ocasião, em um tour pela América do Sul, os Blues enfrentaram o Corinthians e ficaram no empate por 4 a 4.

Um fato que chamou muita a atenção foi a presença do público, sempre batendo recordes, com destaque para uma partida em 1945, onde mais de 100 mil pessoas assistiram um amistoso contra o Dynamo Moscow, recorde em Stamford Bridge.

Escudo do Chelsea FC carregado de história

Após ser fundado, o Chelsea FC inaugurou também o seu escudo oficial, que foi inspirado na região do bairro da equipe, que era conhecida pelo asilo de veteranos militares. Portanto, o primeiro emblema da equipe era o desenho de um senhor militar. Por casa disso, o clube ficou conhecido como The Pensioners.

Em 1952, o escudo da equipe passou por mais uma mudança, sendo um pouco mais simples. Apenas as letras das iniciais do nome do clube, uma sobre a outra, representavam o emblema do Chelsea. No ano seguinte, o leão passou a ser a figura central nos distintivos do time.

Com o passar dos anos, o emblema do clube foi se modernizando, até que em 2005, ganhou a forma como nós conhecemos hoje. O leão passou a segurar um bastão, que era usado pelos abades de Westminster e o escudo passou a ser contornado com o nome do clubes, três rosas vermelhas e duas bolas de futebol..

1950 – 1971 – Chelsea FC conquista os primeiros títulos de expressão

Primeiro título ingles do Chelsea FC.

 

Em 1952, Ted Drake, ex-jogador do Arsenal, assumiu o Chelsea FC como treinador, e com ele, o clube começou a mudar de patamar. Com ele, na temporada 1954/55, os Blues conseguiram o inédito título do Campeonato Inglês da Primeira Divisão, algo que nem o torcedor mais fanático imaginava na época.

Os destaques daquela equipe eram os jovens Charlie Thomson, Derek Saunders, Jim Lewis, Johnny McNichol, Eric Parsons, Frank Blunstone, Peter Sillett, e também jogadores como o veterano Ken Armstrong, Stan Willemse, John Harris. O único atleta considerado uma estrela foi, Roy Bentley.

Pouco tempo depois, em 1962, iniciou a era Tommy Docherty, que montou elencos disciplinados e com maior força, vendendo atletas veteranos e apostando na juventude. Com ele, um vice do Campeonato Inglês e outro da Copa da Inglaterra.

A troca no comando ocorreu em 1967, quando Dave Sexton, ex-treinador do Leyton Orient, assumiu os Blues. Com ele, chegaram nomes como John Dempsey, David Webb, Ian Hutchinson, Alan Hudson e Peter Houseman, montando uma equipe fortíssima.

Após mais um vice no Campeonato Inglês, na temporada 1969/70 veio a conquista da FA Cup, Copa Inglesa. Porém, a glória máxima viria na temporada seguinte, com a conquista do seu primeiro título Internacional, European Cup Winners.

Para chegar a decisão, o clube de Londres passou pelo Aris, da Grécia; CSKA Sofia, da Bulgária; e o Manchester City na semifinal, onde venceu os dois jogos por 1 a 0. Na grande final, contra o poderoso Real Madrid, empate no jogo 1 por 1 a 1, e vitória no jogo desempate por 2 a 1, conquistando assim o título.

Trio de ídolos nas conquistas dos anos 60

Três ídolos do Chelsea FC nos anos 60.

As conquistas do Chelsea FC nos anos 1960, após o primeiro título inglês, só seriam possíveis com um trio de ídolos que são exaltados pelos torcedores até hoje. Trata-se de Peter Bonetti, Peter Osgood e Ron Harris, que foram a espinha dorsal da equipe naquela era vitoriosa.

Peter Bonetti, que era inglês de descendência italiana, foi um dos goleiros mais emblemáticos da história dos blues. Ele defendeu a equipe em 729 partidas, conseguindo mais 200 clean sheets, marca impressionante, durante os 18 anos com o time londrino.

Na zaga, o xerife era Ron Harris, que se dedicou ao Chelsea FC em quase toda sua carreira, num período de 12 anos. O defensor é lembrado pelo seu poder de liderança e garra dentro de campo, sendo um dos símbolos da equipe. Não era para ser diferente, já que ele detém o recorde de jogador que mais vestiu a camisa dos blues, em 795 partidas.

Nesse trio, o craque era Peter Osgood, que ficou conhecido como o Rei do Stamford Bridge. Essa alcunha era apenas uma maneira de representar a grandeza do atacante dentro do Chelsea FC, resultando em uma estátua no estádio da equipe. Em 348 partidas, o jogador atingiu marca de 150 gols anotados.

1972-1992 –  Chelsea FC enfrenta período difícil 

Após conseguir chegar à glória em solo inglês e internacionalmente, conquistando títulos importantes, a equipe do Chelsea FC passou por uma grande crise financeira. Isso resultou em um período difícil, no qual a equipe alternou na primeira e segunda divisão inglesa, além de nenhum título relevante.

Durante essas duas décadas conturbadas, os blues foram comprados pelo empresário Ken Bates, que pagou o simbólico valor de uma libra, pois o time estava falindo. Após a aquisição, o novo dono do clube trouxe jogadores como Pat Nevin e Kerry Dixon, que deram um novo rumo ao Chelsea nos anos 80. Essa foi a retomada para o caminho das vitórias que se aflorou na década seguinte.

1990 – Chelsea FC obtém bons resultados na FA Cup e excelentes contratações

Chelsea FC conquista mais uma FA Cup.

Após anos difíceis, o Chelsea FC voltou a incomodar na década de 90. Na temporada 1993/94, os Blues chegaram até a decisão da FA Cup, mas ficaram com o vice-campeonato após sofrer uma dolorosa derrota por 4 a 0 diante do Manchester United.

Porém, o bom desempenho da equipe rendeu a contratação de dois grandes jogadores, sendo a lenda holandesa Ruud Gullit e os atacantes Mark Hughes, que veio justamente do Manchester United.

Com eles, excelentes jogadores italianos tiveram sucesso a partir de 1995, como Gianfranco Zola, Gianlucca Vialli e Roberto Di Matteo dando origem ao apelido “Renascença italiana”.

No ano de 1996, Ruud Gullit ainda assumiu um papel incomum, se tornando jogador e técnico da equipe ao mesmo tempo. Com eles, o Chelsea venceu o seu primeiro título de expressão em 25 anos, a FA Cup de 1996/97, além de ter conseguido o inédito 3º lugar inglês em 1998/99 e ter voltado a vencer a mesma Copa em 1999/00.

Porém, as maiores glórias foram em 1998, quando a equipe venceu o seu segundo título internacional, a European Cup Winners’ Cup.

1998, o ano mágico!

Os Blues vencem a European Cup Winners 1998.

Na ocasião, os Blues passaram pelo Slovan Bratislava, Tromsø IL, Betis e o Vicenza, chegando até a decisão contra o Stuttgart, da Alemanha. Na decisão, vitória por 1 a 0, gol de Zola, que bastou para comemorar o título.

Com a conquista, a equipe ainda disputou a Supercopa da UEFA, onde encarou o Real Madrid de Roberto Carlos, Hierro, Seedorf, Redondo, Sávio e Raúl. Com um gol de Poyet, aos 82 minutos, o Chelsea ficou com mais um título internacional.

O time base do ano mágico foi: Ed de Goey; Albert Ferrer; Marcel Desailly; Frank Leboeuf e Graeme LeSaux; Michael Duberry, Dennis Wise e Roberto Di Matteo (Poyet); Babayaro, Gianfranco Zola (Laudrup) e Pierluigi (Tore André Flo). Eles foram comandados por Gianluca Vialli, treinador italiano.

2003: Aquisição do Chelsea FC pelo bilionário Roman Abramovich 

O ano de 2003 ficou marcado na história do Chelsea FC, marcado como a temporada em que o bilionário russo Roman Abramovich comprou o clube, e então colocou o Chelsea como um dos principais clubes do mundo. No período, diversos treinadores e jogadores de destaque passaram pela equipe, resultando em muitos títulos.

2004: Com Mourinho, Chelsea FC conquista o Bicampeonato Inglês

Mourinho ao lado de Lampard e Terry na conquista da Premier League 2004-05.

No ano de 2004, o Chelsea FC contratou o treinador português José Mourinho, que havia conquistado a Champions League com o  FC Porto na temporada anterior.

Com ele, foi formado o primeiro grande esquadrão de Abramovich, contratando nomes como o goleiro Petr Cech, veio do Rennes para se tornar ídolo na equipe; o lateral Paulo Ferreira, escolhido por Mourinho com quem trabalhou no Porto, assim como Ricardo Carvalho. Eles se juntaram a astros como Terry, Lampard e Didier Drogba, formando uma verdadeira seleção.

O time base foi: Petr Cech; Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, John Terry e Gallas (Bridge); Makelele, Tiago (Essien), Lampard e Joe Cole; Drogba (Gudjohnsen/Crespo) e Duff (Robben).

Com eles, a equipe voou em campo, principalmente por contar com uma defesa sólida, uma muralha no gol, um meio campo dominante e um ataque fatal.

Os Blues conquistaram pela primeira vez a Premier League (2º título Inglês) e ainda buscaram o bi no ano seguinte, feito histórico, e acabando com um Arsenal que vinha em uma fase absurda. Além disso, teve a conquista da Supercopa da Inglaterra em 2005, do bicampeonato da Copa da Liga Inglesa em 2004/05 e 2006/07, e a Copa da Inglaterra em 2006/07.

O Chelsea FC de Ancelotti

Mais uma conquista de Campeonato Inglês do Chelsea FC.

Após a saída de Mourinho em 2007/08, Guus Hiddink assumiu como treinador do Chelsea FC e levou a FA Cup, mas logo deu lugar para o italiano Carlo Ancelotti, em 2009/10. Sob o comando do italiano, os Blues conseguiram conquistar o Campeonato Inglês, 2 Copas da Inglaterra e a Supercopa da Inglaterra. O maior destaque foi em 2009/10, com o doblete da Premier League e a FA Cup.

Na Premier League, a equipe inclusive brigou ponto a ponto com o Manchester United, conquistando o título com apenas um ponto a mais, 86 contra 85. Didier Drogba foi o grande artilheiro da competição com 29 gols, e os Blues tiveram uma marca invejável, anotando 103 gols na competição, com direito a três goleadas por 7 gols ou mais no decorrer da competição.

Na FA Cup, a vitória por 1 a 0 sobre o Portsmouth na decisão deu o doblete a equipe, que teve como destaque além do já citado Drogba, o zagueiro Terry, o volante Frank Lampard e o goleiro Cech mais uma vez.

2011-2012: Chelsea FC vence Bayern Munich e obtém primeiro título da UEFA Champions League

Chelsea Fc conquista sua primeira Champions League.

Após Ancelotti conquistar grandes títulos, mas falhar na missão Champions League, coube a Roberto Di Matteo, ex-jogador e ídolo assumir a equipe em 2011/12, e com ele o Chelsea conseguiu chegar a tão sonhada conquista.

O time base da conquista foi: Petr Cech; Bosingwa, Cahill (Terry), David Luiz e Ashley Cole; Bertrand (Malouda), Mikel, Kalou (Essien), Lampard e Juan Mata; Drogba (Fernando Torres).

O caminho rumo ao título da Champions League

No Grupo E, o Chelsea FC teve a companhia de Bayer Leverkusen, Valencia e o Genk, avançando na liderança com 11 pontos, após três vitórias, dois empates e uma derrota.

Em seguida, nas oitavas de finais, a equipe duelou com o Napoli e perdeu na ida por 3 a 1. Precisando ir para cima, os Blues fizeram um grande jogo na volta e venceram por 4 a 1, passando para as quartas de finais. Buscando uma vaga entre os quatro melhores, o Chelsea enfrentou o Benfica e venceu duas vezes, sendo por 1 a 0 fora e 2 a 1 em casa.

Nas semifinais, o adversário foi o poderoso Barcelona de Lionel Messi. Os ingleses venceram na ida por 1 a 0, levando a vantagem do empate para a volta, no Estádio Camp Nou. Em uma grande partida tática, o Chelsea conseguiu segurar o empate por 2 a 2 e garantiu uma vaga na final.

Na decisão, o clube teve pela frente o Bayern Munich de Neuer, Lahm, Boateng, Schweinsteiger, Kroos, Robben, Muller, Müller, Ribéry e Gomez.

A final da Champions League!

Pênalti batido por Drogba que deu o título aos Blues.

Para ficar ainda mais difícil, o duelo foi na casa do adversário, em uma Allianz Arena lotada com mais de 62 mil pessoas. O jogo foi bem brigado e travado, com boas atuações dos goleiros Neuer e Cech.

Já aos 83 minutos, Müller colocou a bola no fundo da rede, praticamente decretando o título aos mandantes. Porém, aos 88 minutos, Mata levantou na área e Drogba subiu no 5º andar para silenciar os alemães e levar o duelo para a prorrogação.

No tempo extra, o Bayern teve a chance de ficar com o título. Drogba derrubou Ribéry e o juiz marcou pênalti. O ex-jogador do Chelsea, Robben, pegou a bola para cobrar, mas acabou parando em Petr Cech. Após o susto, os Blues recuaram e seguraram o empate, indo para os pênaltis.

Lahm abriu as cobranças balançando as redes, e em seguida Mata parou em Neuer. Gómez, David Luiz, Neuer e Lampard fizeram em sequência. Olić parou em Cech, e Cole empatou. Schweinsteiger acertou a trave, e então Drogba anotou o gol do título, 4 a 3.

Mundial de clubes 2012: Derrota para o Corinthians na final

Chelsea FC perde a final do Mundial de Clubes para o Corinthians.

Após conquistar a Champions League, o Chelsea FC foi até o Japão disputar pela primeira vez o Mundial de Clubes. Sob o comando de Rafa Benítez, a equipe já não contava com Drogba, mas tinha nomes como Oscar, Ramires e Hazard. Nas semifinais, duelo com o Monterrey e vitória por 3 a 1, com gols de Mata, Fernando Torres e Chávez.

Na decisão, um duelo contra o Corinthians de Tite. Dois jogadores brilharam na ocasião, e para a tristeza do Chelsea foram atletas do clube brasileiro, Cássio e Paolo Guerrero. O primeiro garantiu lá atrás, sendo uma verdadeira muralha. Já o segundo anotou o único gol da partida, dando o título para o Timão.

Quem é o maior ídolo da era recente do Chelsea?

O período vitorioso do Chelsea FC fez com que a equipe formasse grandes ídolos, como Peter Cech, John Terry e Frank Lampard. Os nomes de ambos são citados como os maiores jogadores da história do clube, disputando o protagonismo no elenco e o carinho da torcida.

Peter Cech dedicou boa parte de sua carreira ao Chelsea, já que antes ele atuava no futebol tcheco e no Rennes da França. O arqueiro é um dos mais importantes da história dos blues ao lado de Peter Bonetti, atuando pelos blues durante 11 anos, em 220 oportunidades. Hoje, ele é dirigente do clube, o que mostra a sua importância em Stamford Bridge.

Cria da base do Chelsea, John Terry foi o xerife da zaga da equipe nos anos recentes, com um perfil de liderança em campo. O amado zagueiro dos blues, representou o clube por quase 20 anos e é o 3º jogador que mais vestiu a camisa azul, num total de 717 partidas.

Por falar em recordes de mais jogos nos blues, Frank Lampard não fica muito atrás de seu companheiro Terry. O meia inglês atuou em 648 partidas pelo time londrino, marcando 211 gols, sendo um dos jogadores mais técnicos a passarem pelo Stamford Bridge. Sua reputação dentro do clube é tamanha, que ele foi chamado para ser treinador do Chelsea, mas não acabou vingando.

Pós-2012: Chelsea FC passa por altos e baixos, mas dá a volta por cima

Chelsea sem muito brilho após 2012.

Após conquistar a Champions League em 2011/12, o Chelsea FC não conseguiu repetir o mesmo feito em anos posteriores. O clube ainda apostou no retorno de José Mourinho, e com ele conquistou a Premier League em 2014/15.

Os Blues ainda venceram a competição em 2016/17 sob o comando de Antonio Conte, e também a FA Cup em 2017/18. O treinador italiano parecia que iria dar uma nova consistência à equipe, mas foi demitido após a má campanha na Champions League na mesma temporada.

Em nível internacional, o clube havia conquistado a Liga Europa, uma temporada depois de vencer a Champions League, em cima do bom time do Benfica de Jorge Jesus. Os blues repetiram a dose em 2018/19, em goleada por 4 a 1 no derby londrino contra o Arsenal. Hazard foi o grande destaque da equipe nessas conquistas, mas acabou se transferindo para o Real Madrid em 2019.

Passando por um período de muitas mudanças e a redução de protagonismo no futebol mundial, o Chelsea apostou no retorno de Frank Lampard como treinador, que acabou não dando certo. O ex-meia do clube não atendeu às expectativas e não conseguiu treinar estrelas como Timo Werner, Hakim Ziech e Kai Havertz. Agora o alemão Thomas Tuchel é o encarregado de colocar os blues no caminho das glórias.

2020-21: FC Chelsea consegue seu segundo título de Liga dos Campeões

Para a surpresa de muitos, em sua chegada ao Chelsea, o treinador Thomas Tuchel conseguiu mudar os blues da água para o vinho, diferente do que ele vinha fazendo no estrelado Paris Saint German. Contando com os protagonismos de Kai Havertz, Mason Mount, Jorginho e N’Golo Kanté, o técnico alemão montou um time consistente e objetivo no ataque, recuperando o futebol de boa parte dos jogadores da equipe inglesa.

Na Premier League da temporada 2020-21, os blues conseguiram se recuperar e terminaram na quarta colocacação da competição e ainda chegaram à decisão da Copa da Inglaterra, perdendo para o Leicester City. Porém, mesmo não conquistando nenhum título no futebol doméstico, a equipe conseguiu surpreender a todos na Liga dos Campeões.

Na competição, ainda sob o comando de Frank Lampard, o FC Chelsea se classificou em primeiro no grupo mesmo com um futebol sem brilho, deixando para trás Sevilla, Krasnodar da Rússia e Rennes da França. Mas, após a saída do ex jogador da equipe do comando técnico e já com a presença de Tomas Tuchel, os blues passaram a convencer os seus torcedores com um futebol mais competitivo. No mata-mata, o clube eliminou o Atlético de Madrid nas oitavas de finais, com 3 a 0 no agregado e nas quartas de finais despachou o Porto com placar apertado de 2 a 1 no agregado.

Na semfinal, mesmo sem o favoritismo contra o Real Madrid, os blues conseguiram se classificar ao empatar em 1 a 1 no jogo de ida e ao vencer por 2 a 1 na partida de volta. Na decisão, também sem o favoritismo, o Chelsea surpreendeu mais uma vez e venceu o Manchester City de Pep Guardiola pelo placar mínimo. Mason Mount anotou o único gol da partida aos 43 minutos da primeira etapa e garantiu o segundo título de Liga dos Campeões da equipe inglesa.

 

Maiores técnicos do clube

Maiores artilheiros do clube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *