Juninho Paulista

Meia-armador, Meia-atacante, Meio campista
680 Jogos Oficiais
12 Títulos Oficiais
160 Gols Marcados
Juninho PaulistaBrasil - São Paulo
Nascimento 21 de fevereiro de 1973
Falecimento -
Apelidos Juninho Paulista
Carreira Início: (1993) Ituano
Término: (2010) Ituano
Características Altura: 1,67 cm
Destro
Posição / Outras posições Meio-campista / Meia-atacante
Bola de prata

2000, 2005

Copa do Mundo

2002

Perfil / Estilo do jogador

Dono de muita habilidade, Juninho Paulista não se destacou apenas por ser um exímio organizador de jogo, mas também por possuir muita velocidade e agilidade, o que lhe ajudava a pisar na área adversária com mais facilidade. Além disso, o meia conseguia desenvolver muito bem essas qualidades, se levarmos em conta sua baixa estatura, de 1,67 cm, que lhe dava mais leveza para atuar em campo. Como se não bastasse, o jogador ainda possuía um excelente chute de fora da área, que lhe rendeu vários gols durante a carreira.

Categoria de base

Data Clube    
1989-1993 Ituano    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
1993/ 2010 Ituano 24 12
1993-1995 São Paulo 141 22
1995-1997/ 1999-2000/ 2002-2004 Middlesbrough 155 34
2000-2001 Vasco 85 30
2002/ 2007 Flamengo 45 14
2004-2005 Celtic 22 1
2005-2006 Palmeiras 66 20
2007-2008 Sydney FC 14 0

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
1995-2003 Brasil 53 5

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
São Paulo Libertadores 1993
São Paulo Supercopa Libertadores 1993
São Paulo Copa Intercontinental 1993
São Paulo Recopa Sul-Americana 1994
São Paulo Copa Conmebol 1994
Vasco da Gama Campeonato Brasileiro 2000
Vasco da Gama Copa Mercosul 2000
Middlesbrough Copa da Liga Inglesa 2004
Celtic Copa da Escócia 2005
Flamengo Campeonato Carioca 2007

Conquistas pela Seleção

Título Ano
Copa das Confederações 1997
Copa do Mundo 2002

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Melhor jogador da temporada do Middlesbrough 1996-97 Middlesbrough
Melhor jogador da história do Middlesbrough Middlesbrough
Bola de Prata da Revista Placar 2000/ 2005 Vasco, Palmeiras
Seleção da América do Sul 2000/ 2001 Vasco
Melhor jogador brasileiro a atuar na Inglaterra 2008 Middlesbrough

Desempenho

0,235
Média
Gols por jogo
0,70
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
3
Passe
5
Controle de Bola
4
Drible
4
Velocidade
4
Técnica
4
Finalização
4
Condicionamento Físico
3
Fundamentos Defensivos
1

Biografia

Juninho Paulista: craque que conquistou o futebol inglês

Juninho Paulista: o craque que conquistou o futebol inglês.

Habilidoso, ágil e veloz, o baixinho Juninho Paulista ficou famoso por infernizar as defesas adversárias, além de possuir uma excelente visão de jogo. Com essas características, o meia se tornou um dos principais jogadores brasileiros nos anos 1990 e inicio dos anos 2000 em sua posição.

Juninho começou sua carreira no Ituano, após ter passado pelo futebol de salão. Mas, durante o Campeonato Paulista de 1993, o meia despertou a atenção do lendário Telê Santana, que pediu sua contratação. Assim, não demorou muito para que ele também se destacasse no estrelado elenco do São Paulo, conquistando a Libertadores e o Mundial já em seu ano de estreia.

Por conta de seu destaque na equipe tricolor e pela boa atuação na Copa Umbro pela seleção brasileira em 1995, na Inglaterra, Juninho chamou a atenção do modesto Middlesbrough. Na equipe da terra da rainha, o meia obteve três passagens e se tornou um dos maiores ídolos da história. De quebra, mesmo com apenas a conquista da Copa da Liga Inglesa, o jogador foi eleito o melhor brasileiro que atuou no futebol inglês, segundo o jornal The Sun.

De volta ao Brasil, o meia ainda atuou em outros grandes clubes do país, como os rivais Flamengo e Vasco da Gama, além do Palmeiras. Em meio a essas equipes, o jogador conquistou o Campeonato Brasileiro de 2000 e o prêmio Bola de Prata no mesmo ano e em 2005.

Vestindo a amarelinha, além da conquista da Copa Umbro, Juninho também obteve a sua importância e conquistou os títulos da Copa das Confederações de 1997 e da Copa do Mundo de 2002. Inclusive, o meia ainda participaria da Copa de 1998, mas ficou de fora por uma lesão causada pelo zagueiro Michel Salgado, durante sua passagem pelo Atlético de Madrid.

Infância, histórico e inspirações

Infância enquanto atuava pelo Juventus da Mooca no futebol de salão.

Osvaldo Giroldo Júnior, que mais tarde ficou conhecido como Juninho Paulista, nasceu no dia 22 de fevereiro de 1973, na cidade de São Paulo. Desde pequeno, ele já começou a tomar gosto pelo futebol e por conta disso, com apenas seis anos de idade, começou a jogar futebol de salão.

Seu primeiro clube no futsal foi o tradicional Juventus da Mooca, time onde ficaria por mais sete anos até atuar no futebol de campo. Foi justamente no time grená, que Juninho trocou a quadra pelos gramados e arriscou um passo a mais na carreira. Mas, de inicio, essa troca não deu muito certo, já que o jovem jogador foi dispensado por sua equipe.

Logo em seguida, Juninho viveu um dos momentos mais difíceis de sua carreira, pois ele penou para encontrar outro clube para jogar. Ele chegou a bater na porta do Corinthians, mas o time alvinegro sequer lhe deu uma oportunidade. Por conta disso, o jogador chegou a pensar em desistir, até que em um último ato de esperança surgiu o Ituano.

Depois de tanto procurar, Juninho foi aprovado no Ituano, equipe da cidade de Itu, no interior paulista, e passou a integrar as categorias de base em 1989, aos 16 anos. Por lá, ele mostrou as suas habilidades como nós conhecemos e foi promovido para o time principal em 1993.

Altura e apelido de “Juninho Paulista”

O apelido de Juninho surgiu já na infância, através de parentes e amigos, por conta de seu sobrenome “Júnior”. Foi com esse apelido que ele ficou reconhecido enquanto atuou por Ituano, São Paulo e Middlesbrough.

Porém, anos depois, mais precisamente em 2000, Juninho recebeu um acréscimo em seu apelido e passou a ser chamado de “Juninho Paulista”. Tudo porque, no elenco do Vasco, equipe em que atuava na época, havia outro Juninho e para diferenciar os dois foi necessário um acréscimo no apelido de ambos os jogadores. Assim, um ficou reconhecido como Juninho Paulista e o outro como Juninho Pernambucano.

Outro fato interessante na carreira de Juninho, além de seu apelido, é a sua estatura. Com apenas 1,67 o jogador é considerado baixinho em comparação aos demais atletas de futebol. Porém, esse sempre foi um fator motivador para que meia tivesse mais facilidade em correr e driblar os seus adversários.

Ituano: início da carreira

Juninho Paulista foi promovido ao elenco principal do Ituano em 1993, após passar quatro anos nas categorias de base. Portanto, aos 20 anos de idade, o jogador fez sua estreia pelo profissional no Campeonato Paulista daquele ano.

Aquela competição seria a porta de entrada de Juninho na vitrine do futebol brasileiro, já que ele teria um excelente desempenho. Mesmo com sua equipe brigando para não ser rebaixada para a segunda divisão, o jogador provou ser diferenciado com tamanha habilidade, além de marcar 10 gols no torneio.

Por falar nisso, a habilidade do meia já vinha sendo notada pelo técnico Telê Santana que se encantou com o futebol do jogador. Dessa forma, não demorou muito para que o São Paulo fechasse a contratação de Juninho após o termino do Campeonato Paulista. Foi assim, com pouco tempo pelo profissional, que o jogador encerrou a sua primeira passagem pelo Ituano.

Vale lembrar, que Juninho ainda retornaria em 2010, após 17 anos, para fechar a sua bela história como ídolo do Ituano.

1993-1995: No São Paulo, Juninho Paulista se torna ídolo instantâneo

Juninho Paulista com a camisa do São Paulo.

Após breve passagem pelo Ituano no futebol profissional, o jovem Juninho Paulista foi representar as cores tricolores do São Paulo em 1993. Naquele ano, o jogador chegava em um dos melhores momentos da equipe, até porque, o tricolor acabara de ser campeão da Libertadores e do Mundial de 1992. Inclusive, logo de cara, o meia foi campeão da Libertadores com o time paulista, mesmo sem ter entrado em campo.

Além disso, Juninho chegava a um elenco estrelado, que contava com grandes craques como Toninho Cerezo, Leonardo, Cafú, Muller e Palhinha. Em meio a essas estrelas, o meia sabia que teria dificuldades de se tornar titular, mas pelo menos ele se firmou como uma espécie de 12° jogador.

Assim, mesmo sem a titularidade absoluta, Juninho fez parte do time campeão mundial de 1993, em vitória do São Paulo sobre o Milan por 3 a 2. Ainda no mesmo ano, ele conquistou a Supercopa da Libertadores e a Recopa Sul-americana, competição que também conquistaria em 1994.

Inclusive, por falar no ano de 1994, Juninho provou ser muito valioso na equipe em sua função de 12º jogador. Até porque ele era muito útil ao São Paulo, tendo jogado inclusive, duas partidas no mesmo dia, algo basicamente inacreditável nos dias de hoje. Por conta da desorganização do calendário naquela época, o meia atuou durante a tarde na Copa Sul-americana contra o Sporting Crystal e durante a noite contra o Grêmio pelo Campeonato Brasileiro. Como se não bastasse, ele anotou um gol contra os peruanos e ajudou o São Paulo a vencer as duas partidas.

Despedida do São Paulo

Juninho estava sendo tão importante para o São Paulo naquela época, que ele passou a conquistar cada vez mais espaço na equipe. Além disso, em 1995, ele foi convocado para representar a seleção brasileira. Parecia que tudo ia bem com o jogador sob as cores tricolores.

Porém, o meia sentiu que não estava sendo muito valorizado pela equipe por conta da compensação financeira. Dessa forma, ele decidiu deixar o tricolor e aceitou a proposta do Middlesbrough, modesta equipe do futebol inglês.

Assim, Juninho deixou o clube onde obteve a passagem mais vitoriosa da carreira, em 1995, com 5 títulos conquistados. Além disso, com a camisa tricolor foram 141 jogos e 22 gols.

Middlesbrough: 3 passagens e um dos maiores jogadores da história

Em 1995, ao jogar a Copa Umbro na Inglaterra pela seleção brasileira, Juninho Paulista despertou o interesse, em especial, de uma equipe do país, o Middlesbrough. Dessa forma, ele foi contratado pelo valor de quase 5 milhões de libras, por uma equipe que buscava crescer no futebol inglês e que acabara de ser promovida para a Premier League. Com essa transação, o jogador se tornou o segundo brasileiro a jogar na Inglaterra, sendo que o primeiro havia sido Mirandinha.

Por lá, Juninho não demorou em se adaptar e logo passou a tomar conta do meio-campo de sua equipe. Inclusive, em poucas partidas ele começou a balançar as redes, se mostrando decisivo no ataque, além de ter sido um ponto de sustentação no meio-campo. Sendo assim, com boas atuações, o meia orquestrou o Middlesbrough na importante campanha de seu time na Premier League, quando chegou na 12º posição.

Na temporada seguinte, se juntaram a Juninho, o volante luso-brasileiro Emerson e o centroavante italiano Fabrizio Ravanelli. Por conta dessas novidades, era esperado que o Middlesbrough fizesse boa campanha na Premier League, mas não foi isso que aconteceu e a equipe foi rebaixada.

Porém, apesar de campanha ruim do time, o meia se destacou e foi eleito o melhor jogador da Premier League de 1996-97. Por conta de suas grandes atuações, ele vinha sendo convocado constantemente pela seleção brasileira e até por conta disso, resolveu deixar o Middlesbrough. Naquele ano, a Copa do Mundo na França estava próxima e Juninho estava na expectativa de ser convocado, mas sabia que suas chances diminuíram em um time da segunda divisão.

Assim, ele acertou sua ida para o Atlético de Madrid em 1997. Mas, quis o destino que ele retornasse ao Middlesbrough em 1999 para uma segunda passagem que durou uma temporada.

A última passagem que coroou a idolatria de Juninho Paulista

Em suas duas primeiras passagens, Juninho Paulista já havia se colocado como um dos maiores ídolos da equipe do Middlesbrough. Porém, faltava uma cereja do bolo para melhorar a sua história no clube. E ela veio em sua terceira passagem pelo time inglês, entre 2002 e 2004, quando o jogador havia retornado em definitivo.

Já nos últimos anos de carreira, mesmo estando longe de seu auge técnico por conta de constantes lesões, em 2003-04, Juninho conquistou a Copa da Liga Inglesa. O jogador conseguiu tal façanha, após ter batido na trave na briga pelo título, em sua primeira passagem pelo clube ainda no ano de 1997.

Assim, somando as suas três passagens pelo time inglês, o meia se tornou um grande ídolo da equipe, sendo incluive, eleito o melhor jogador da história do clube, pela Associação de Futebolistas Profissionais da Inglaterra. No total, Juninho atou em 355 partidas e anotou 34 gols.

1997-2002: Passagem frustrada pelo Atlético de Madrid

Quando decidiu deixar o Middlesbrough em 1997, Juninho Paulista havia recebido uma proposta do Liverpool para permanecer na Inglaterra. Mas, naquela ocasião, o meia resolveu arriscar a atuar no futebol de outro país e acertou com o Atlético de Madrid por 13 milhões de libras.

Mas, a sua passagem pela equipe foi breve e aquém das expectativas. Até porque, em primeiro lugar, em duelo contra o Celta de Vigo em 1998, Juninho teve sua perna quebrada pelo lateral Michel Salgado. Para piorar, esse episódio o tirou da Copa do Mundo de 1998.

Em segundo lugar, após voltar de lesão, o meia não conseguiu recuperar o seu bom futebol de outrora. Por conta desse problema, ele passou a ser emprestado para outras equipes como Middlesbrough, onde era ídolo, Vasco e Flamengo.

Dessa forma, em duas temporadas, Juninho atuou 75 partidas pelo Atlético de Madrid e ainda conseguiu anotar 22 gols.

2000-2002: De volta ao Brasil, Juninho Paulista veste as camisas de Vasco e Flamengo

Por não ter conseguido boas atuações no Atlético de Madrid, além de ter sido emprestado ao Middlesbroug, Juninho Paulista acertou com os rivais Vasco e Flamengo. Dessa forma, ele retornava ao Brasil, após cinco anos jogando na Europa.

Em 2000, Juninho vestiu a camisa cruzmatina e por lá, ele fez muito sucesso ao lado de grandes craques como Romário, Juninho Pernambucano, Euller e Viola. Inclusive, foi naquele ano em que ele recebeu o apelido de Juninho Paulista, que carregaria pelo resto carreira.

Além disso, junto com tantos craques, o meia mal pisou em São Januário e logo conquistou o Campeonato Brasileiro e a Copa Mercosul ainda no ano 2000. De quebra, sua atuação no Brasileirão daquele ano foi tão marcante que ele ganhou o prêmio Bola de Prata.

Mas, se o ano de 2000 foi um conto de fadas para o jogador, a temporada seguinte foi um verdadeiro filme de terror. Até porque, em 2001, o Vasco teve problemas de atraso de salários de seus jogadores, incluindo Juninho. Por conta disso, o jogador resolveu deixar o clube, após 85 partidas e 35 gols.

Após deixar o Vasco, Juninho foi emprestado justamente para o rival Flamengo em 2002. Mas, naquela época, ele não conseguiu obter muito sucesso assim como aconteceu no Vasco. O meia ainda retornaria à Gávea em 2007, já em final de carreira para tentar deixar boas lembranças para o torcedor rubro-negro.

Retorno à Europa: o meia se aventura no Celtic da Escócia

Em seu retorno à Europa, em 2002, Juninho Paulista vestiu a camisa do Middlesbrough pela terceira e última vez. E dessa vez, finalmente, conseguiu consquistar seu único título com o clube, a Copa da Liga Inglesa. Porém, mesmo sendo grande ídolo da equipe, ele já não estava rendendo como antigamente e deixou o time inglês de maneira gratuita.

Em 2004, Juninho recebeu uma proposta do Celtic da Escócia, que ele aceitou prontamente. Assim, ele logo estreou pela equipe, justamente contra o arquirrival Rangers e na ocasião, o Celtic venceu por 1 a 0. Já nas cinco partidas seguintes, o meia anotou um gol e deu três assistências, dando impressão de que sua passagem na equipe escocesa seria um sucesso.

Porém, não foi isso que aconteceu, pois o meia não estava atuando em sua posição habitual, sendo muitas vezes deslocado para os lados do campo. E isso se devia ao fato de que no meio campo outros jogadores mais consagrados como Stiliyan Petrov e Neil Lennon eram donos do setor. Dessa forma, Juninho começou a cair de rendimento e foi afastado pelo técnico Martin O’Neill.

Por conta disso, a passagem de Juninho no Celtic durou apenas uma temporada, com 25 partidas e um gol marcado.

2005-2006: A volta por cima no Palmeiras

Após sair pela porta dos fundos no Celtic, Juninho Paulista retornou ao Brasil, após receber proposta do Palmeiras em 2005. Na ocasião, a equipe alviverde apostou em seu futebol, mesmo sabendo do seu histórico de lesões e de sua passagem apagada pelo Celtic.

E essa aposta deu mais do que certo, pois o jogador tomou conta do meio campo do Palmeiras, se tornando uma das principais referencias da equipe. Ao lado do lendário goleiro Marcos, do volante Magrão e do meia Marcinho, Juninho liderou o time alviverde em uma boa campanha de 4º lugar do Campeonato Brasileiro de 2005. Para se ter uma ideia, as suas atuações na competição foram tão impressionantes, que o meia ganhou pela segunda vez, o prêmio Bola de Prata da Revista Placar.

Na temporada seguinte, mesmo com o Palmeiras brigando para não cair, Juninho manteve a regularidade e continuou desfilando o seu bom futebol. Mas, ao final daquele ano de 2006, assim como outros jogadores, o meia resolveu respirar novos ares e não renovou com o clube. Na ocasião, ele decidiu acertar com o Flamengo, que pretendia montar uma forte equipe para 2007.

Por conta de boas atuações, as duas temporadas de Juninho deixaram saudade no torcedor palmeirense. Sendo que no total, foram 66 partidas realizadas e 20 gols anotados.

Fim de carreira: Flamengo, Sidney FC e Ituano

Juninho Paulista no Flamengo.

Em 2007, Juninho Paulista retornou ao Flamengo para terminar a sua história inacabada com o clube. Seu inicio de segunda passagem pelo clube parecia promissor, já que ele havia conquistado o Campeonato Carioca 2007. Porém, logo depois, as coisas começaram a mudar de rumo por conta do técnico Ney Franco.

O treinador não demonstrava ser um apreciador do futebol de Juninho e passou a dar poucas oportunidades ao jogador. Até que em uma dura derrota por 3 a 0 para o Defensor Sporting pela Libertadores, o meia se recusou a ser substituído no intervalo e xingou Ney Franco. Esse fato foi a gota d’agua para a sua saída da equipe, após duas passagens de 45 jogos e 14 gols.

Logo depois, Juninho acertou com o Sydney da Austrália, mas por lá, o meia não obteve uma passagem significativa. Tanto que ele deixou o clube em 2008, com apenas 14 partidas realizadas e nenhum gol marcado.

Já sentindo que o final de sua carreira estava próximo, o jogador de 37 anos retornou ao Ituano em 2010, após uma temporada parado. Na ocasião, o meia retornava ao clube que o revelou apenas para se despedir dos gramados. E como um bom ídolo, ele ainda marcou o gol que livrou o Ituano do rebaixamento no Campeonato Paulista, em sua última partida.

Esse gol se somou aos demais que ele havia marcado pela equipe, desde sua primeira passagem, resultando em um total de 12, em 24 partidas disputadas.

Aposentadoria e carreira pós-aposentadoria

Após a aposentadoria: carreira como diretor de Ituano e CBF.

Ainda como jogador do Ituano em 2010, Juninho Paulista já começou a projetar uma outra carreira no futebol. Por conta de sua idolatria no clube, ele foi convidado para se tornar diretor de futebol, ainda enquanto jogava. Assim, durante alguns meses, o meia foi diretor e jogador de sua equipe ao mesmo tempo.

Então, após pendurar as chuteiras, Juninho passou a se dedicar totalmente a sua nova função. Algo que deu muito certo, pois sob sua gestão o Ituano foi campeão paulista de 2014, feito histórico para a equipe.

Com tanto sucesso como diretor, Juninho assumiu a presidência do Ituano em 2018. Porém, a sua presença no cargo durou pouco tempo, mas por um bom motivo, já que ele havia recebido um convite ilustre da CBF em 2019. Na ocasião, o ex-jogador foi convidado para ocupar o cargo de diretor de desenvolvimento do futebol da entidade, no lugar de Edu Gaspar. Função essa que o ex-meia desempenha até os dias atuais.

Além de suas atividades no futebol, Juninho também é um grande investidor. Dentre seus investimentos, ele é dono de diversos comércios como bares, restaurantes e pizzarias. Assim, caso o ex-jogador queira largar o futebol, o pé de meia é o que não vai lhe faltar.

Juninho Paulista na Seleção Brasileira

Juninho Paulista na seleção brasileira.

A primeira convocação de Juninho Paulista ocorreu em 1995, justamente para a disputa da Copa Umbro, torneio amistoso na Inglaterra. Logo de cara, o meia conquistou a competição junto com o escrete brasileiro, anotando inclusive, um importante gol contra a seleção inglesa.

Com sua brilhante atuação na Copa umbro, o jogador voltou a ser convocado ainda em 1995 para a disputa da Copa América. Na competição, Juninho atuou como titular em todas as partidas, sendo o homem de confiança do técnico Zagallo. Porém, mesmo fazendo boas partidas, o jogador não conseguiu evitar a derrota da seleção brasileira na final, em disputa de pênaltis contra a seleção uruguaia.

A partir dali, Juninho passou a ser considerado um dos principais jogadores do escrete brasileiro e um dos fortes candidatos para disputar a Copa do Mundo de 1998. Tanto que em 1997, ele participou da Copa das Confederações, às vésperas do principal torneio mundial. Mas, a lesão causada por Michel Salgado tirou o meia da Copa do Mundo da França.

Contudo, esse fato não desanimou Juninho, que deu a volta por cima atuando no Vasco em 2000. Esse fato fez com que ele recebesse novas oportunidades pela seleção brasileira, até ser convocado pelo técnico Luís Felipe Scolari para a Copa do Mundo de 2002.

Porém, naquele período, o jogador já não estava em seu auge físico, embora estivesse atuando em bom nível técnico. Assim, não demorou muito para que ele realizasse a sua última partida com o escrete, o que ocorreu em 2003, em amistoso contra a Jamaica. Dessa forma, Juninho se despediu da seleção canarinho após 53 partidas com 5 gols marcados, tendo feito parte de uma ilustre geração de jogadores, que incluiu Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Romário, Rivaldo, Cafú e Roberto Carlos.

Copa de 2002: titular no início

Após perder a Copa do Mundo de 1998 por lesão, Juninho Paulista enfim recebeu a oportunidade de disputar um mundial. Então, em 2002, no Japão e na Coreia, o meia se juntou ao estrelado elenco brasileiro junto com Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos, Cafú e Ronaldinho Gaúcho, dentre outros.

Mesmo nessa forte equipe, Juninho conseguiu cavar o seu espaço e se tornou titular da seleção brasileira nos primeiros jogos da Copa do Mundo. Sendo assim, o meia atuou durante a fase de grupos do torneio e também no mata-mata. Sua última partida entre os 11 iniciais foi nas quartas de finais contra a Bélgica. Porém, por conta do estilo defensivo de Felipão, o jogador não conseguiu se adaptar e foi substituído por Kleberson na reta final.

Contudo, ainda deu tempo para Juninho soltar o grito de campeão em campo contra a Alemanha, quando ele atuou na grande decisão por 5 minutos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *