Andrés D’Alessandro

Meio campista
711 Jogos Oficiais
20 Títulos Oficiais
146 Gols Marcados
Andrés D'Alessandro é uma Lenda do Futebol.
Andrés D'Alessandro Argentina - Buenos Aires
Nascimento 14 de abril de 1981
Falecimento
Apelidos D'Ale
Carreira Início: River Plate (2000)
Término: Ainda em atividade
Características Altura: 1,74cm
Canhoto
Posição / Outras posições Meio campista
Libertadores

2010

Melhor jogador da América (Rei da América)

2010

Perfil / Estilo do jogador

Um dos maiores ídolos da história do Sport Club Internacional, Andrés D'Alessandro também é um dos jogadores que mais atuaram no clube. A técnica aliada a raça dentro das quatro linhas foram determinantes para que este jogador cair na graça da torcida Colorada. Campeão da Copa Libertadores 2010 pelo clube gaúcho, D'Ale ainda foi eleito o melhor jogador sul-americano naquela temporada. Antes de chegar ao Inter rodou por alguns clubes na Europa, mas sem grande sucesso. Na seleção Argentina também não conseguiu destaque durante a carreira.

Categoria de base

Data Clube    
1991-1999 River Plate    

Clubes em que atuou

Data Clube Jogos Gols
2000-2003 River Plate 89 24
2003-2006 Wolfsburg 71 10
2006 Porthsmouth 13 1
2006-2007 Zaragoza 60 6
2008 Rosário Central 24 2
2008-2016 / 2017-2020 SC Internacional 515 95
2016 River Plate 17 2

Histórico pela Seleção

Ano Seleção Jogos Gols
2003-2009 Argentina 28 3

Conquistas por Clubes

Clube Título Temporada
River Plate Campeonato Argentino 2000, 2002 e 2003
River Plate Copa da Argentina 2016
River Plate Recopa Sul-Americana 2016
Internacional Copa Sul-Americana 2008
Internacional Campeonato Gaúcho 2009, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016
Internacional Copa Suruga Bank 2009
Internacional Copa Libertadores da América 2010
Internacional Recopa Sul-Americana 2011
Internacional Recopa Gaúcha 2016 e 2017

Conquistas pela Seleção

Título Ano
Copa do Mundo da FIFA Sub-20 2001
Jogos Olímpicos 2004

Conquistas Individuais

Prêmio Ano Representando
Equipe da América do Sul do Ano 2001, 2002, 2008 e 2010 River Plate / SC Internacional
Futebolista Sul-Americano do Ano 2010 SC Internacional
Melhor Jogador do Campeonato Gaúcho: 2013 SC Internacional
Seleção da Copa Libertadores da América 2010 e 2015 SC Internacional

Desempenho

0,16
Média
Gols por jogo
1,0
Média
Títulos / Anos de carreira (Profissional)
Força
2
Passe
4
Controle de Bola
4
Drible
3
Velocidade
2
Técnica
4
Finalização
2
Condicionamento Físico
3
Fundamentos Defensivos
1

Biografia

Andrés D’Alessandro: Craque argentino ídolo do Internacional

Andrés D'Alessandro é uma Lenda do Futebol.

Andrés Nicolás D’Alessandro, ou simplesmente como é chamado D’Alessandro, é um jogador de futebol argentino que surgiu nas categorias de base do River Plate. Na década de 1990, foi ao lado de outros jogadores como Riquelme, Aimar e Gallardo, apontado como possível sucessor de Diego Armando Maradona.

Com um estilo que juntava técnica com garra, o canhoto conquistou rapidamente o coração dos torcedores Millonarios como da torcida argentina. E hoje, já com uma carreira também dedicada ao futebol brasileiro, no Internacional de Porto Alegre, Andrés D’Alessandro também conquistou a torcida brasileira, incluindo adquirindo a nacionalidade brasileira.

No Internacional, um dos clubes mais populares do Brasil e que tem estreita ligação com a Argentina pela sua localização, D’Alessandro não foi mais um jogador que passou pelo Colorado, mas sim o destaque de uma era de ouro do clube. Além do River Plate e do Internacional de Porto Alegre, o argentino também teve passagens pelo futebol europeu, além de defender a seleção de seu país por 25 oportunidades, com três gols.

Entre as principais conquistas de D’Ale durante sua carreira profissional, o jogador tem em seu currículo uma Copa Libertadores, uma Copa Sul-Americana, Campeonato Argentino, o Ouro nas Olimpíadas de 2004, além de uma Copa do Mundo Sub-20.

Infância e início na base do River Plate

Andrés D’Alessandro nasceu no dia 15 de abril de 1981, na cidade de Buenos Aires, capital argentina. Filho de Gladys e Eduardo. o El Cabezón não teve uma infância sofrida, mas isso graças aos pais que sempre batalharam para proporcionar que o filho pudesse realizar o seu principal sonho: ser jogador de futebol. Mais do que isso, o pai de D’Ale era um fervoroso incentivador do filho e, além de leva-lo para os jogos em viagens, cobrava do ainda criança uma rotina de treinos. Isso aos nove anos e já visualizando o potencial do jovem.

D'Alessandro já foi gandula no River.

E foi aos nove anos que D’Alessandro iniciou a sua trajetória na escolinha do River Plate. Inclusive, D’Ale começou nas categorias de base do Millonarios – onde chegou a ser gandula, como na foto ao lado da lenda Francescolli. Neste período, ele iniciou nas escolinhas do River com outro ídolo do clube, o atacante Javier Saviola. Ele chegou a ficar um tempo sem grande destaque e muito por ser considerado pequeno e magro para sua categoria, ficando até mesmo na “5ª divisão” das categorias de base do River Plate.

Em um momento que o jogador estava em baixa na base, o treinador Jorge Gordillo assumiu o comando da base e se lembrou do talento de D’Alessandro, franzino jogador que havia dado muito trabalho contra o time que ele dirigia, o Independiente. Com Gordillo, D’Ale começou a ter mais espaço para mostrar seu talento e assumindo uma responsabilidade de ser uma das principais promessas da base do Club Atlético River Plate.

2000: A estreia de Andrés D’Alessandro no River Plate

Foi em 28 de maio do ano de 2000, aos 19 anos de idade, que Andrés D’Alessandro fez a sua estreia como atleta profissional no River Plate. A estreia aconteceu em uma partida pelo Campeonato Argentino, entre River Plate e Unión Santa Fé. E já em sua primeira temporada nos profissionais, o meia canhoto fez parte do elenco que acabou se sagrando a campeã do Campeonato Argentino naquela temporada. Logo em seu primeiro ano, D’Ale mostrava o que viria para a sua carreira.

D'Alessandro durante início no River Plate.

Também destaque na conquista da Copa do Mundo sub-20 pela Argentina sub-20, ao lado entre outros de Romagnoli e Javier Saviola, D’Alessandro passou a chamar cada vez mais atenção no futebol da Argentina, além de ganhar ainda mais espaço no River Plate. Rapidamente ele se tornou em uma das principais armas da forte equipe.

E com ele como um dos protagonistas, os Millonarios superaram o arqui-rival Boca Juniors e venceram mais dois Campeonatos Argentinos (2002 e 2003). Logo ele chamou a atenção do futebol Europeu, para onde foi negociado com os alemães do Wolfsburg por um valor de 9 milhões de Euros. Nesta primeira passagem de Andres D’Alessandro pelo River Plate, ao todo foram 89 partidas, com 24 gols.

2003 – 2005: No Wolfsburg uma fraca passagem do argentino

Chegando como uma das principais revelações do futebol mundial, Andres D’Alessandro chegou na Alemanha cheio de expectativa, porém, em duas temporadas e meia atuando no físico futebol alemão, o argentino não teve o desempenho esperado. Após estas primeiras fracas temporadas na Alemanha, o Wolfsburg optou por rodar o argentino na Europa para ver se ele deslanchava em algum outro time. No Wolfsurg, Andres D’Alessandro entrou em campo por 71 vezes, anotando o total de dez gols, e sem conquistar nenhum título pelo clube.

Porém, se em seu clube D’Ale não conseguiu mostrar um grande futebol, foi neste período que o argentino se firmou na seleção de seu país. Nos jogos olímpicos de 2004, com uma chamada geração de ouro que contava com, além de D’Alessandro, com Carlos Tévez, Javier Mascherano, Lucho González, Javier Saviola, entre outros.

Sem grande expectativa no Wolfsburg, Andres D’Alessandro foi emprestado para o inglês do Portsmouth e, na temporada seguinte para o espanhol do Real Zaragoza.

Portsmouth 2006: Argentino não deixou saudades no futebol inglês

A passagem de Andres D’Alessandro na Inglaterra não foi boa. Apesar dele ter chegado com a missão de tirar o Portsmouth da zona de rebaixamento (e conseguiu), os números do argentino não foram bons. Ele atuou por 13 partidas na Premier League e anotou apenas um único gol.

Sendo peça fundamental na equipe do Portsmouth, o time terminou a temporada com 38 pontos e na 17º colocação, permanecendo na elite do futebol inglês.

2006 – 2007: Com grande time, Zaragoza não decola

Em um futebol que teria melhor as características de Andres D’Alessandro, o meia argentino chegou por empréstimo na temporada 2006 – 2007 ao Real Zaragoza. Time que mostrava estar em busca de um crescimento na liga espanhola, inclusive com dinheiro para investir em diversos talentos, além de D’Alessandro, o Zaragoza contava a época com os também argentinos Pablo Aimar, Gabriel e Diego Milito, além do brasileiro Ewerton, atacante revelado pelo Corinthians.

Time do Zaragoza em 2007.

Comprado por 3,5 milhões após empréstimo de um ano, porém, na segunda temporada pelo clube espanhol o argentino acabou se envolvendo em confusão tanto com o treinador Victor Fernández, assim como com os próprios companheiros, entre eles o compatriota Pablo Aimar. D’Ale forçou sua saída da Espanha e, a época, além do próprio River Plate que tentou o retorno do meia, outro time que apareceu como possibilidade foi o brasileiro e arqui-riva do Internacional (onde ele se tornaria ídolo mais para frente) o Grêmio. No fim, se decidiu pelo retorno dele para a Argentina, mas para o San Lorenzo.

No total, foram 60 partidas e apenas seis gols anotados pelo Real Zaragoza, com boas atuações de um promissor time que acabou não vingando como era esperado. Em terras espanholas, Andres D’Alessandro também não conquistou nenhum título.

2008: Rápida passagem no San Lorenzo, e acerto com o Internacional 

No retorno para o futebol argentino, após frustrante passagem pelo futebol europeu, Andres D’Alessandro chegou como grande nome do San Lorenzo principalmente para disputar a Copa Libertadores da América. Porém, a equipe acabou caindo nas quartas de finais para a LDU, do Equador.

Em rápida passagem pelo Azulgrana, D’Alessandro optou por sair assim que o treinador Ramón Díaz, responsável pela sua chegada, acabou deixando o clube. No San Lorenzo foram 24 jogos com dois gols. Ali ele já demonstrava boas atuações e lampejos do jogador que todos conheciam. Sem clima para retornar ao Zaragoza, o habilidoso meia argentino opta por um mercado rival ao do seu país de origem e em busca da confirmação de sua carreira. O Sport Club Internacional é o time escolhido, e seria a melhor escolha de Andres D’Alessandro em toda a sua carreira.

2008: D’Alessandro faz a melhor escolha da carreira

D'Alessandro chegou no Inter.

O clube de Porto Alegre pagou um valor superior a  4 milhões de Euros ao Real Zaragoza para ficar em definitivo com o meia argentino. A rivalidade entre Brasil e Argentina, e o forte temperamento de Andrés D’Alessandro eram visto no início como um empecilho para a sua chegada ao clube brasileiro. Esta ação foi vista com euforia, e ninguém conseguiria acertar que esta contratação se tornaria numa das mais importantes de toda a história do Internacional.

Com mais de dez anos no clube brasileiro – e mais de 500 jogos – D’Ale está entre os principais ídolos na história do Internacional. Uma relação de muito amor que tem tudo a ver com o temperamento do argentino que se entregou de corpo e alma no clube brasileiro, e principalmente na maior rivalidade do sul, o Gre-Nal.

E logo no seu primeiro ano no Colorado, D’Alessandro á assumiu o papel de protagonista, sendo um dos principais nomes do time na conquista da Copa Sul-Americana. Na temporada de estreia o meio campista atuou em 18 jogos, anotando quatro gols. Esse era apenas o início de uma trajetória intensa e com muitas conquistas.

Andres D’Alessandro: Maior ídolo na história do Internacional?

Muita garra, raça, técnica e vontade de vencer. Essa é a síntese de Andres D’Alessandro em sua passagem com a camisa do Internacional. O argentino eternizou a camisa 10 em suas costas, conquistando o coração dos torcedores Colorados e com uma pergunta que não quer calar no ar. Andres D’Alessandro é o maior ídolo na história do Internacional?

Internacional foi campeão da Libertadores em 2010.

Com 13 conquistas pelo clube brasileiro, o mais importante foi, se dúvidas, a Copa Libertadores da América de 2010. Ao lado do atacante Rafael Sóbis, Giuliano e cia, conduziram o clube ao bicampeonato da competição continental. D’Ale, inclusive, acabou eleito como o futebolista sul-americano do ano de 2010. Essa foi, se dúvida, a melhor temporada na carreira do argentino, porém e mesmo assim, não conseguiu culminar numa convocação para a Copa do Mundo do mesmo ano, em um período que a Argentina era treinada por Diego Maradona.

Pouco tempo depois, o meia assumiu a braçadeira de capitão do Internacional, conquistando o seu primeiro título com a faixa em 2012, no Campeonato Gaúcho. De lá para cá, foram diversos jogos, gols, títulos, brigas e recordes, se tornando um dos grandes ídolos do Inter de Porto Alegre. Em 2015, conquistou o pentacampeonato gaúcho e, em 2016, após o título da Recopa  Sul Americana – e 340 jogos com a camisa Colorada – o jogador pediu para ser emprestado ao River Plate, clube onde surgiu no futebol.

2016: O rápido retorno ao River Plate

No retorno ao clube que o projetou para o futebol, Andrés D’Alessandro não poderia fazer menos do que ganhar títulos. Mesmo em um curto período de empréstimo cedido pelo Internacional, o jogador conseguiu não apenas um, mas dois títulos com o Millonarios.

Foram 30 partidas e cinco gols, com os títulos da Recopa Sul-americana e também da Copa Argentina. A sua despedida aconteceu no dia 15 de dezembro de 2016, contra o Rosário central, em partida válida pela final da Copa Argetina. D’Ale foi aplaudido de pé pelos torcedores, e encerrou a sua história no clube com um título.

Ao todo, contando as duas passagens pelo River Plate, foram três Campeonatos Argentinos, uma Recopa Sul-Americana e uma Copa da Argentina. Além disso, foram 119 jogos e 29 gols anotados.

2017: No Internacional, volta com o time na 2ª Divisão

Sem D’Alessandro, o Internacional passou por um dos seus piores momentos na história do clube. O time acabou rebaixado no Campeonato Brasileiro. Andres D’Alessandro tinha tudo para não retornar ao clube, mas em momento algum o argentino optou por “pulou fora do barco”. Muito pelo contrário, o argentino assumiu a responsabilidade como um dos maiores ídolos do clube, e ajudou no retorno do time ao Campeonato Brasileiro da divisão principal.

E após esta temporada na segunda divisão em 2017, o meio-campista renovou o seu contrato com o Internacional e começou a época de recordes pelo clube gaúcho. No começo de 2018 chegou a 100 assistências com a camisa do Inter. No mesmo ano anotou o gol da vitória sobre o Grêmio, para se tornar o maior artilheiro dos Grenais no século 21, com nove bolas nas redes adversárias. Além disso, o jogador entrou para o Top15 de artilheiros do clube, com 87 marcados.

2020: Choro e despedida de Andrés D’Alessandro do Internacional

A última temporada e a despedida de Andrés D’Alessandro do Internacional não foi como o esperado – nem pelo jogador nem pelos torcedores Colorados. Devido a pandemia da Covid-19, todo o ano de 2020 passou sem que os torcedores pudessem comparecer nas arquibancadas. E mesmo assim, o jogador decidiu por não continuar no Internacional.

Sem ser muito utilizado pelos treinadores na temporada de 2020, o argentino optou por não continuar no clube onde ele mais brilhou durante toda a sua carreira. E no dia 19 de dezembro de 2020, aos 39 anos de idade, após partida contra o Palmeiras que o Internacional venceu por 2 a 0, chagava ao fim uma das trajetórias mais bonitas do futebol brasileiro neste século 21. Após o confronto, o argentino foi agraciado com homenagens e, ao lado de sua família, não escondeu a sua emoção.

No telão do Estádio Beira Rio, diversos momentos de sua carreira no Internacional passaram, levando D’Ale as lágrimas. também frases de diversos colegas de Internacional, amigos e pessoas que vivenciaram o Internacional com ele foram transmitidas. Um momento para o torcedor do Internacional não se esquecer e reverenciar o ídolo.

“A vitória de hoje foi o mais importante para mim. O Beira-Rio está vazio, este time e este grupo mereciam muita coisa no dia de hoje. Torcedor colorado eu agradeço muito a vocês, obrigado por tudo, pelo apoio, carinho e respeito. Não vestirei a camisa colorada no próximo ano, mas acredito que a história continuará. Muito obrigado”, disse o capitão em sua despedida, que ainda acredita que voltará para exercer algum cargo de diretor.

Com diversas conquistas durante sua passagem pelo Internacional, entre elas, sete Campeonatos Gaúchos, Copa Libertadores, Copa Sul Americana, Recopa Sul-Americana, duas Recopas Gaúchas, no total, Andrés D’Alessandro atuou por 515 jogos com a camisa do Internacional, anotando 95 gols. Será lembrado para sempre como um dos maiores ídolos do Internacional.

D'Alessandro é uma lenda do Internacional.

2003 – 2009: Andrés D’Alessandro na Seleção Argentina

A história de Andrés D’Alessandro na Seleção Argentina não foi o que todos esperavam. Com um início promissor ao lado de uma geração que se mostrava potente no cenário mundial, aquela geração que seria chamada “De Ouro” se mostrou na maioria das vezes como um fracasso. Juan Riquelme, Pablo Aimar, Marcelo Gallardo, Javier Saviola, Carlos Tévez e, até mesmo, Lionel Messi, não conseguiram levar a Argentina aos principais títulos entre seleções.

Argentina campeão sub-20 2001.

A história de D’Alessandro começou, de fato, com a conquista do Mundial Sub-20 no ano de 2001. Nesta competição atuou ao lado de Maxi Rodriguez e do melhor da competição, Saviola. Porém, a estreia na seleção profissional foi apenas dois anos depois, em 2003, na vitória por 3 a 1 sobre Honduras. Já o primeiro gol aconteceu no mesmo ano, e num dos maiores clássicos, contra o Uruguai.

Em 2004, D’Alessandro estava no elenco da seleção que acabou derrotada na fatídica final de Copa América contra o Brasil, com gol de Adriano Imperador nos minutos finais que levou a disputa para as penalidades. Inclusive, D’Ale e Carlos Tévez, ao final do tempo normal e quando a Argentina estava a frente do placar, provocavam os atletas brasileiros. Após o vice-campeonato, ele foi disputar poucas semanas depois os Jogos Olímpicos de Atenas, onde levou a Argentina até a Medalha de Ouro.

Porém, a vida de D’Alessandro na seleção argentina começou a regredir desde esse período. Em 2005 foram apenas três partidas, o que ocasionou na não convocação para a Copa do Mundo de 2006, que aconteceu na Alemanha. Foram cinco anos longe da seleção até que, após reencontrar o bom futebol no Internacional, acabou convocado novamente.

Ele participou de amistosos, mas não foi convocado para a Copa do Mundo de 2010. Dessa forma, e de forma frustrante, o jogador não voltou mais a vestir a camisa da Argentina. Ao todo foram 28 jogos e apenas três gols pela seleção argentina, sem conquistar nenhum título.

“Gostaria de ter jogado mais pela seleção. Não me queixo sobre nada da minha carreira e sei que agora passou meu tempo, mas creio que poderia ter estado na Copa do Mundo 2010. Essa é a única coisa que lamento”, disse D’Ale em entrevista no ano de 2015.

Episódio polêmico envolvendo sua esposa

O ano era 2019 quando Andrés D’Alessandro acabou se envolvendo em um caso que gerou processo judicial. Gabriel Chapecó e Ruan Tressoldi, jogadores da categoria sub-19 do rival Grêmio, insinuaram nas redes sociais que a esposa do atleta, Erica Senneke, estava traindo o argentino. D’Alessandro acionou a justiça contra 11 pessoas que estavam espalhando este boato, e os jogadores gremistas tiveram que se desculpar publicamente, assumindo que agiram no impulso pelos nervos no clássico.

Casado desde o ano de 2005 com Erica Senneke, D’Alessandro tem três filhos do fruto desta união: Martina D’Alessandro, Gonzalo D’Alessandro, Santino D’Alessandro.

Confusão com Camilo no treino

Em 2018, Andrés D’Alessandro recebeu um duro carrinho por trás de Camilo, companheiro de Internacional, durante o treinamento da equipe. Na ocasião, o argentino ficou fora do sério e foi para cima do brasileiro. Leandro Damião e Danilo Fernandes conseguiram evitar o pior na briga e, neste lance, o jogador acabou lesionando o tornozelo e perdendo alguns jogos.

Camilo revelou em entrevista, após alguns dias, que D’Alessandro ficou de fora justamente pelo lance do treinamento, mas que haviam conversado e se acertado, e que tudo não passou de uma situação de treino.

D’Alessandro se naturaliza brasileiro

Após 12 anos de Internacional e 498 partidas, Andrés D’Alessandro recebeu a sua nacionalidade brasileira. Tudo ocorreu no dia 16 de setembro de 2020, após o Departamento de Migrações finalizar todas as etapas do pedido de forma oficial. Inclusive, um dos filhos do jogador, Gonzalo, nasceu em Porto Alegre, sendo assim, brasileiro.

Por ter residência no país, filho com a nacionalidade e ser considerado apto para ler, escrever e viver no Brasil, o jogador conseguiu a nacionalidade mesmo sem completar os 15 anos exigidos para a operação.

 

REFERÊNCIAS:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Andr%C3%A9s_D%27Alessandro

https://www.transfermarkt.com.br/andres-dalessandro/profil/spieler/3445

https://www.goal.com/br/not%C3%ADcias/dalessandro-gols-titulos-times-polemicas-e-mais-sobre-a-carreira-/1tngc78hy9i2a1qiykmxjuf21l

https://dalessandro10.com/

https://www.goal.com/br/not%C3%ADcias/dalessandro-gols-titulos-times-polemicas-e-mais-sobre-a-carreira-/1tngc78hy9i2a1qiykmxjuf21l

https://esportefera.com.br/noticias/futebol,dalessandro-ira-processar-jogadores-da-base-do-gremio-que-o-ofenderam,70002797928

https://jbfilhoreporter.com.br/inter/camilo-se-manifesta-pela-primeira-vez-sobre-o-lance-com-dalessandro/

https://www.correiodopovo.com.br/esportes/inter/d-alessandro-%C3%A9-naturalizado-brasileiro-ap%C3%B3s-12-anos-de-inter-1.482216

https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2020/12/19/dalessandro-se-emociona-e-diz-que-faltou-a-torcida-em-sua-despedida.htm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.